(Last Updated On: 05/07/2017)

Em vista da crescente pandemia de diabetes e suas complicações devastadoras, estratégias naturais que mantenham a glicemia em um nível saudável e protejam contra o estresse oxidativo suscitam esperança em muitas pessoas.

A Síndrome Metabólica, uma combinação de fatores de risco, tais como a resistência à insulina, hipertensão arterial, triglicerídeos elevados e baixa lipoproteína de alta densidade (HDL) – aumenta o risco para diabetes e doenças cardiovasculares.

acido-alfa-lipoico

Amplamente conhecido como um antioxidante potente e eficaz, o ácido α-lipóico (ALA) demonstra uma multiplicidade de propriedades originais. Regulamentado como uma droga em vários países europeus (onde é aprovado para o tratamento de complicações relacionadas com a diabetes, certas complicações do alcoolismo, e uma variedade de condições do fígado), o 1,2 ácido lipoico é um componente importante da manutenção da saúde de cada indivíduo.

O ALA é um ácido graxo de cadeia curta, encontrado nas mitocôndrias, sintetizado no fígado e também é obtido na dieta pelas carnes de animais como fígado e coração e de certas plantas, como brócolis, tomate, espinafre, couve de Bruxelas, e farelo de arroz. No entanto, a partir dos alimentos, não ocorre um aumento significativo no nível de ALA livre no corpo.

Estudos sugerem que a forma mais potente do ácido α-lipóico é o ácido R-dihidrolipoico. Nos últimos anos tornou-se possível obter o ácido R-dihidrolipóico como um suplemento dietético, proporcionando, assim, o corpo com a forma de ácido lipóico, que é maior facilmente disponível para as células e tecidos

Efeito Antioxidante e sobre a Resistência à Insulina/ Metabolismo da Glicose

Uma das suas principais funções é ajudar a transformar a glicose em energia, além de ser um potente anti antioxidante no combate aos radicais livres, que são resíduos de produtos criados quando o organismo transforma alimentos em energia. O ácido α-lipóico pode neutralizar os radicais livres e impedi-los de causar reações químicas nocivas que danificam as células. Os danos às células causados pelos radicais livres levam ao envelhecimento acelerado e a progressão do câncer e das doenças degenerativas, das quais o ALA pode proteger. Ao agir como um agente mimético de insulina, o ALA estimula a captação de glicose em muitos tipos de células diferentes e podem também modular a sinalização de insulina. As vias P38 e ERK MAP-quinase, AKT e NF kappaB são todas reguladas por ALA. Além disso, o ALA ativa os receptores de prostaglandina EP2 e EP4 para estimular a produção da molécula adenosina 5 ‘monofosfato cíclico (AMPc). Estas diversas ações sugerem que o ALA pode ser terapeuticamente eficaz no tratamento de doenças associadas estresse oxidativo.

antioxidante

Além disso, o ácido α-lipóico parece inibir a gliconeogênese hepática, interferindo com a oxidação de ácidos graxos, bem como aumentando a utilização periférica de glicose através da ativação da piruvato desidrogenase, resultando em aumento da oxidação de glicose. Estas diferentes propriedades tornam o ácido α-lipóico um agente terapêutico potencialmente atrativo para o tratamento da resistência à insulina. Além disso, tendo em conta o papel potencial do estresse oxidativo na patogênese de complicações secundárias em diabetes, o ácido α-lipóico pode ser benéfico na prevenção/tratamento destas complicações como foi recentemente mostrado para a neuropatia diabética.

Pesquisadores da Universidade Agrícola da China e do Centro Nacional Chinês do Genoma Humano, publicaram na Revista Científica International Journal of Molecular Sciences um artigo sobre os efeitos do ácido α-lipóico na função imunológica, sistema de defesa antioxidante e expressão de genes relacionados à inflamação, em frangos jovens alimentados com dietas contaminadas por aflatoxina. De acordo com a conclusão dos cientistas, os resultados sugerem que o ácido α-lipóico alivia o estresse oxidativo e as alterações imunológicas induzidas e modula a resposta inflamatória, através da alteração na expressão de citocinas pró-inflamatórias do baço, como a interleucina 6 (IL-6) e fator de necrose tumoral alfa (TNF- α). Todos estes resultados suportam os efeitos anti-inflamatórios do ALA, os quais podem ser devido ao seu efeito como potente antioxidante

Efeito Antiglicante

O ácido α-lipóico pode impedir a glicação de proteínas, o que é importante porque a glicação leva a mais problemas com o metabolismo e inflamação. Glicação se refere a um endurecimento de proteína e um dos resultados é a hemoglobina glicada, condição onde as moléculas de glicose ou açúcar ligam-se com a hemoglobina (que transporta oxigênio no sangue) formando a hemoglobina glicada, reduzindo assim a sua capacidade de transporte de oxigênio.

O ácido α-lipóico previne a formação de glicação avançada de produtos finais, um processo degenerativo que ocorre quando o excesso de glicose liga às proteínas e outras moléculas, levando-os a tornar-se oxidado e incapaz de realizar suas funções normais, de acordo com Kedar N. Prasad, Ph.D., autor do livro “Micronutrientes na saúde e na doença.” Prasad recomenda doses de 600 mg duas vezes por dia ou até 1,8 g, uma vez por dia.

Efeito Anti-inflamatório

Outra propriedade do ácido α-lipóico é agir como um poderoso anti-inflamatório. Ele tem efeito sobre sobre o fator de transcrição nuclear – fator KAPPA-B (NFK-B). O NFK-B é ativado pelo estresse oxidativo na célula que, então, entra no núcleo onde proteínas pró-inflamatórias são codificadas. O ácido α-lipóico modula a ação do óxido nítrico e pode então suprimir os efeitos de sua forma prejudicial, que leva normalmente a doenças, e aumenta sua forma indutora que é fisiológica. Novamente esta propriedade leva a uma ação anti-inflamatória sobre a pele, que pode explicar alguns dos efeitos positivos do ácido α-lipóico sobre o envelhecimento da pele.

.

molecula ala

ácido α-lipóico

O ácido α-lipóico pode atravessar a barreira hemato-encefálica, uma parede de minúsculos vasos e células estruturais, e passar facilmente para o cérebro, protegendo assim o tecido nervoso, prevenindo danos causados pelos radicais livres.

Pacientes com doença de Parkinson – uma doença degenerativa do cérebro – podem se beneficiar da suplementação com ácido alfa-lipoico, de acordo com um estudo publicado na edição de fevereiro de 2011 no “International Journal of Neuroscience“. O suplemento pode reduzir o stress oxidativo nos nervos na substantia nigra, a área do cérebro que produz o neurotransmissor dopamina, que é deficiente na doença de Parkinson. Uma vantagem do ácido α-lipóico sobre outros antioxidantes é a sua solubilidade em água e gordura, tornando-se capaz de penetrar a barreira hematoencefálica de modo que pode exercer os seus benefícios no cérebro. Lembremos que o ácido α-lipóico, ativador da piruvato-desidrogenase, é uma das substâncias que abre as portas das mitocôndrias para encaminhar o piruvato citoplasmático para a fosforilação oxidativa. O aumento de produção de ATP melhora a função dos neurônios.

O ácido α-lipóico, Doença de Alzheimer e outras demências

A doença de Alzheimer (DA) é uma doença neurodegenerativa progressiva que destrói a memória e cognição do paciente, a capacidade de comunicação com o meio social e a capacidade de realizar atividades diárias. Apesar da extensa investigação sobre a patogênese de DA, um tratamento neuroprotetor – particularmente para os estágios iniciais da doença – permanece indisponível para o uso clínico. Nesta revisão, nós avançamos a sugestão de que o ácido α-lipóico (ALA) pode satisfazer essa necessidade terapêutica. Um precursor de ocorrência natural de um cofator essencial para as enzimas mitocondriais, incluindo piruvato desidrogenase e alfa-cetoglutarato desidrogenase. O ALA tem demonstrado possuir uma variedade de propriedades que podem interferir com os princípios patogênicos da doença de Alzheimer. Por exemplo, o ALA aumenta a produção de acetilcolina (ACh) por ativação de colina acetiltransferase e aumenta a captação de glicose, fornecendo assim mais acetil-CoA para a produção de ACh. O ALA é capaz de quelar metais de transição redox-ativos, inibindo assim a formação de radicais hidroxila e também sequestra as espécies reativas de oxigênio, aumentando assim os níveis de glutationa reduzida. Além disso, o ALA regula a expressão de proteínas pró-inflamatórias sensíveis ao redox, incluindo TNF-α e óxido nítrico sintase induzível. Além disso, o ALA pode eliminar produtos de peroxidação lipídica, tais como hydroxynonenal e acroleína. No plasma humano, o ALA existe em equilíbrio entre a forma livre e a ligada às proteínas plasmáticas. A forma reduzida do ALA, ácido dihidrolipóico (ADHL), é o composto ativo responsável pela maior parte destes efeitos benéficos.

Evidências do benefício clínico do ácido α-lipóico na demência é ainda limitado. Existem apenas dois estudos publicados, nos quais 600 mg de ALA foram dadas diariamente para 43 pacientes com DA (que receberam um tratamento padrão com inibidores de colinesterase) em um estudo aberto, ao longo de um período de observação de até 48 meses. Ao passo que a melhoria em pacientes com demência moderada não foi significativa, a doença progrediu muito lentamente em pacientes com demência leve. Dados a partir de cultura de células e modelos animais sugerem que o ALA pode ser combinado com nutracêuticos, tais como a curcumina, epigalocatequina (a partir de chá verde) e ácido docosahexaenóico (a partir de óleo de peixe) para diminuir sinergicamente o estresse oxidativo, inflamação, níveis de beta-amilóide e carga da placa beta-amilóide, proporcionando assim, um benefício combinado no tratamento da DA.

O ácido α-lipóico inibe a proliferação celular de células de tumor in vitro e in vivo.

As células cancerosas convertem a glicose preferencialmente a lactato, mesmo na presença de oxigênio (o denominado “efeito Warburg” e mesmo quando o oxigênio é abundante, as células cancerígenas continuam a usar glicólise anaeróbia para produzir energia). Novos conceitos no tratamento do câncer visam a inibição da glicólise anaeróbica. O piruvato é oxidado a acetil-CoA e CO2 por um complexo enzimático (3 enzimas) denominado complexo piruvato desidrogenase, ficando indisponível para formação de lactato.

Portanto, o objetivo de um estudo realizado por pesquisadores do Departamento de Medicina Nuclear da Technische Universitaet Muenchen, em Munique, na Alemanha foi avaliar os compostos que poderiam ativar as enzimas do complexo piruvato desidrogenase em células cancerígenas. Foram investigados os efeitos do (R) – (+) – ácido α-lipóico (ALA) e dicloroacetato (DCA), possíveis ativadores da enzima piruvato desidrogenase, na supressão da glicólise aeróbica e indução da morte celular. As linhagens de células do neuroblastoma Kelly, SK-N-SH, Neuro-2a e a linhagem celular de câncer da mama SKBR3 foram incubadas com diferentes concentrações (0,1-30 mM) de ALA e DCA. Foram avaliados os efeitos de ambos os compostos sobre a viabilidade/proliferação das células (ensaio WST-1), recaptação do [18F]-FDG (um radiofármaco usado na tomografia por emissão de pósitrons – TEP), produção de lactato e indução de apoptose (detecção de caspase-3 por citometria de fluxo). Além disso, camundongos NMRI nu/nu inoculados por via s.c. com células SKBR3, foram tratados diariamente durante quatro semanas com ALA (18,5 mg/kg; i.p.) começando no sétimo dia após a inoculação. O desenvolvimento do tumor foi medido com um calibrador deslizante e monitorado através da tomografia por emissão de pósitrons do [18F]-FDG. Tumores residuais após a terapia foram examinados histopatologicamente. Os dados obtidos sugerem que o ALA pode reduzir (1) a viabilidade/proliferação das células tumorais, (2) a recaptação de [18F]-FDG e (3) a produção de lactato e aumento da apoptose em todas as linhagens celulares investigadas. Em contraste, a DCA foi quase ineficaz. No modelo de xenoenxerto de camundongo com as células SKBR3, o tratamento diário com ALA retardou a progressão do tumor. Portanto, de acordo com os autores do estudo, o ácido α-lipóico parece ser um composto promissor para o tratamento de diferentes tipos de câncer.

Ácido α-lipóico e Performance Física

A acetil-L-carnitina e ALA trabalham em conjunto para manter os níveis de dopamina, que é um neurotransmissor importante para o metabolismo energético. Estes dois antioxidantes também são cruciais para a perda de peso e treinamento de força.

Por exemplo, se você tomar ALA e carnitina antes de um treino, eles vão aumentar a sua energia e melhorar a sensibilidade à insulina . Isso cria um melhor ambiente para o fortalecimento muscular e queima de gordura.

Em suma, os estudos realizados sugerem que uma dose alta de ácido α-lipóico (1.800 mg/dia) melhora a produção de energia mitocondrial, aumentando assim o metabolismo e a queima de gordura, o que induz a perda de peso. Alguns pesquisadores sugerem o ALA como um tratamento ideal para indivíduos com sobrepeso e complicações de saúde como pressão alta ou diabetes, e que tomar ALA é uma opção melhor do que remédios para emagrecimento.

Os efeitos colaterais do uso de suplementos de ALA parecem ser raros e leves, como erupções cutâneas. Mesmo assim, o ALA não deve ser usado sem recomendação do seu médico, principalmente se você tomar insulina ou outros medicamentos para reduzir o açúcar no sangue. É possível que ele possa aumentar o efeito destas drogas, levando à hipoglicemia (redução do nível de açúcar no sangue).

“Discuta o uso de suplementação de ALA com o seu médico primeiro. Ele pode recomendar que você aumente o monitoramento dos níveis de glicose no sangue ou fazer um ajuste posológico na sua medicação.”

 

“O ácido alfa-lipóico pode diminuir o peso corporal e o IMC em indivíduos adultos e a circunferência da cintura em indivíduos não saudáveis ​​mais do que em indivíduos saudáveis.”

 

Suplemento de ácido alfa-lipóico (ALA) no tratamento da obesidade: revisão sistemática e meta-análise de ensaios clínicos

Estudos anteriores têm apoiado os papéis positivos de suplementos antioxidantes na perda de peso. Um destes suplementos antioxidantes é o ácido α-lipóico (ALA). No entanto, a recomendação do ALA como um suplemento anti-obesidade continua a ser controverso. Consequentemente, o objetivo de um estudo desenvolvido por pesquisadores iranianos da Tehran University of Medical Sciences e da Isfahan University of Medical Sciences, foi realizar uma meta-análise sobre os efeitos de um suplemento de ALA nos índices antropométricos entre indivíduos adultos. A revisão sistemática foi realizada nos cinco bancos de dados eletrônicos (PubMed/Medline, Scopus, Web of Science, Cochrane Library e Google Scholar) até setembro de 2016. Foram incluídos nesta revisão os ensaios clínicos controlados por placebo. A diferença da média ponderada foi determinada usando um modelo de efeitos aleatórios pré-estabelecido.

Os resultados obtidos com os 12 ensaios incluídos na revisão indicaram que o suplemento de ALA reduziu o peso corporal e o IMC (Índice de Massa Corporal) significativamente, comparado ao grupo placebo. No entanto, o seu efeito sobre a circunferência da cintura (CC) não foi significativo. A estratificação por estado de saúde indicou que o ácido α-lipóico diminuiu o valor da CC em indivíduos não saudáveis mais do que indivíduos saudáveis. Nesta revisão sistemática, quatro estudos relataram efeitos positivos do ALA sobre a perda de peso. No entanto, cinco estudos descobriram que o ALA não foi capaz de reduzir consideravelmente o peso. Para as mudanças no IMC, quatro estudos relataram uma redução significativa no grupo que recebeu o ALA, em comparação com o grupo placebo. No entanto, as mudanças do IMC em vários ensaios não foram significativas. Poucos estudos avaliaram os efeitos do ALA na CC. Entre eles, três ensaios relataram efeitos favoráveis do ALA na redução da CC. Diferenças nos valores basais, características individuais, histórico de doenças, dosagem e duração do estudo são possíveis fatores que afetam tais variáveis.

A revisão sistemática revelou que a suplementação com ácido α-lipóico diminuiu ligeira mas significativamente o peso corporal e o IMC. Com base nos achados, os pesquisadores recomendam ALA como um suplemento anti-obesidade, de baixa dosagem (<600 mg / dia) por um curto período de tempo (<10 semanas) para indivíduos com sobrepeso, mas considerando que o estilo de vida pode desempenhar um papel importante no tratamento da obesidade. A dosagem segura para o ALA é de até 1200 mg/dia sem apresentar efeitos adversos. No entanto, parece que o ALA pode não ser uma terapia complementar economicamente viável no controle da obesidade. Os pesquisadores consideram que são necessários mais estudos para esclarecer os efeitos do ácido α-lipóico nos parâmetros metabólicos em indivíduos obesos não saudáveis.

Referências

Effects of Lipoic Acid on Immune Function, the Antioxidant Defense System, and Inflammation-Related Genes Expression of Broiler Chickens Fed Aflatoxin Contaminated Diets.

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4013587/

Efeito do tratamento combinado com ácido alfa-lipóico e acetil-L-carnitina na função vascular e pressão arterial em pacientes com doença arterial coronariana.

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2734271/

Lipoic acid as a novel treatment for Alzheimer’s disease and related dementias.

http://www.medicinacomplementar.com.br/biblioteca/pdfs/Doencas/do-0041.pdf

Lipoic acid as an anti-inflammatory and neuroprotective treatment for Alzheimer’s disease.

http://www.medicinacomplementar.com.br/biblioteca/pdfs/Doencas/do-0041.pdf

Síndrome metabólica e ácido alfa-lipóico.

http://www.medicinacomplementar.com.br/biblioteca/pdfs/Doencas/do-0698.pdf

Os benefícios da suplementação com ácido alfa lipóico.

http://www.fabioveras.com/index.php

Nutrição Evolutiva.

https://sites.google.com/site/welsonlemos/

Esclerose múltipla e ácido alfa-lipóico.

http://www.medicinacomplementar.com.br/biblioteca/pdfs/Doencas/do-0318.pdf

Lipoic acid inhibits cell proliferation of tumor cells in vitro and in vivo

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3542233/

Alpha-lipoic acid supplement in obesity treatment: A systematic review and meta-analysis of clinical trials

http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0261561417302121

Dr. Roberto no Instagram

Visualize as dicas e informações para uma vida mais saudável direto no Instagram


Acessar

Dr. Roberto no Facebook

Dr. Roberto Franco do Amaral Neto
Dr. Roberto Franco do Amaral Neto
Médico CRM: 111370

134 Comentários

  1. Show de informações. Parabéns pelo Blog.

  2. Ótima apresentacao…leitura fácil e sem complicações! Parabéns bom 2015… Ferrari

  3. Andreia Athayde disse:

    Maravilhoso!

  4. Marcela Borelli disse:

    Como sempre, nos agraciando, disponibilizando acesso a informações como essas!Muito Obrigada mais uma vez DR° sou sua fã!Estou aprendendo e estudando muito mais depois que te conheci virtualmente rsrs! adorando os artigos do seu blog!

  5. Victor Leal disse:

    Dr., esta substância pode ser ingerida concomitantemente com o Victoza? Obrigado

  6. Michael disse:

    Dr. tenho esteatose hepática grau 3 e saturação de ferro no sangue de 80%, posso me utilizar do ALA?

  7. Alex Souza disse:

    Dr Amaral. tenho a seguinte pergunta a maioria recomenda doses entre 600 mg ou 1.800 mg para aumento da sensibilidade insulínica alguns dizem entre 4 ou 5 semanas de uso continuo. Mas, teria uma quantidade ideal para suplementar em níveis seguros assim como já existe no Omega 3 e demais suplementos.

  8. PATRYCK disse:

    DIZEM QUE ESSA VITAMINA ALFA LIPOICO ELIMINA O VIRUS DO HIV ? JA QUE ESSE VIRUS EXISTE MAIS É APENAS PASSAGEIRO NO ORGANISMO DE QUEM CONTRAI E QUE A AIDS É UMA FARÇA DISCARADA.

  9. PATRYCK disse:

    ESSA VITAMINA SERVE PRA ELIMINAR O HIV DO ORGANISMO?

  10. PATRYCK disse:

    NA EUROPA E NOS ESTADOS UNIDOS OS INFECTOLOGISTA DESISTENTES DA IDEIA DE QUE HIV CAUSA AIDS RECEITAM AOS SEUS PACIENTES COM O HIV ESSA VITAMINA (ALA) SUBSTITUINDO OS CHAMADOS VENENO PRA RATOS OS ARV. Observei que o Sr.não é infecto mais tudo bem. Obrigado por responder ao comentário anterior, cada um de nos ACREDITAMOS no que é mais lógico e evidente. A internet tai, diferente de outras midias como a televisão não censura o que precisamos saber de verdade. Valeu Dr.

  11. Diego disse:

    Dr., qual a dose ideal para máximo desempenho em treino de hipertrofia? Qual seria a dose de L-carnitina em combinação com o ALA para este mesmo fim?

  12. Diego disse:

    Dr., quais os benefícios de se utilizar ALA e L-carnitina em conjunto para quem deseja um alto grau de hipertrofia, sem utilização de hormônios?

  13. Adão Noguês disse:

    Dr. Roberto Amaral, devemos tomar o Ácido Lipólico na dose de 600 mg, segundo o sr., está de bom tamanho a dose(300 mg. + 300 mg.). Quando tomar, nas refeições, antes destas e se ele ataca o estômago, deixando mais Ácido ou Básico…. Obrigado

  14. Semia disse:

    Dr. Roberto Amaral vi em um site que se utilizar o ALA melhora as dores nos nervos como por exemplo o nervo ciático é verdade? e se a resposta for sim, com quanto tempo vejo a diferença e qual dose diária… desde já agradeço a resposta

    • Sim, pode ser um excelente opção em neuropatias. Conforme a gravidade se usa até 600 mg / dia. Injetavel endovenoso também é uma boa opção

      • Amílcar disse:

        Doutor, boa tarde. O senhor sabe onde posso conseguir o ácido alfa-lipóico injetável, para uso intravenoso? O Dr. Burt Berkson tem obtido considerável sucesso combinando-o com naltrexona em baixas doses no tratamento do câncer pancreático, e necessito dele para essa finalidade.

        Obrigado pela atenção.

  15. Luis Henrique do Amaral e Silva disse:

    Olá, Dr! Parabéns pelos esclarecimentos!
    Quero tomar o ALA tanto para o benefício dos efeitos antioxidantes quanto para melhorar meu funcionamento hepático (tenho esteatose). Qual seria a melhor dosagem?
    Em segundo lugar, também gostaria que meu pai, já com 83 anos tomasse também. Qual dose para essa faixa etária?

    • Não posso especificar doses individuais por aqui, desculpe

      • Sergio Aloisio Wollmeister disse:

        Caro Sr.Dr.Roberto.
        Primeiramente quero enaltecer seu trabalho em se comunicar com a populacao.
        Meu problema ‘e que desde o mes de outubro de 2014 tenho forte crises de queimacao e formigamento nas solas dos pes( 2 pes) .Iniciou devagar e foi se intensificando. Estou me medicando com uma pomada Capsaicina e agora iniciei a tomar capsulas de Acido Alfa Lipoico de 300mg. Pergunto, estou no caminho certo e por quanto tempo terei que tomar estas capsulas. As crises de formigamento e queimacao por vezes sao bastante intensas.Muito Grato pelo vosso retorno.

  16. Carlos Rogerio disse:

    Bom dia Dr Roberto.

    Para quem não está fazendo tratamento algum, a dose de manutenção poderia ser 200 ou 250 mg? Minha alimentação já é bem controlada, sou vegetariano, ingiro pouco carboidratos.

    Obrigado
    Abraços e parabéns pelas informações

  17. Marcos Vidal disse:

    Dr. Roberto boa noite. Parabéns por esse espaço. Minha esposa tem hepatite autoimune sendo q ela faz uso de corticoide. Gostaria de saber se o ALA ajuda na cicatrização e/ou melhora da função hepática ?

  18. JOSE CARLOS ALVES CORREIA disse:

    Sou portador de diabetes tipo2 .
    Estava ficando neurótico . Utilizo Victoza, Humalog,LANTUS não conseguia baixar minha glicose a níveis satisfatórios.
    Por orientação de minha “Personal” (leitora de seu blog ) PASSEI a fazer uso do ALA (400mg.)/dia.
    Os resultados foram maravilhosos. Diminui a dosagem em 50% da humalog , estou acompanhando há 15 dias e venho obtendo glicemia abaixo de 100 na media matinal.
    Com uma dieta de redução de carbohidratos , consegui passa de 93 kgs. para 87 kgs.no mesmo período.
    Muito Obrigado . Deus o abençoe.

  19. Gabriel disse:

    Olá bom dia
    Procurei esse suplemento na maioria das farmácias de manipulação, sendo que a maioria não faz e as que fazem somente com prescrição médica. Como adquirir e como tomar de forma segura ?

    Grato

  20. Marianne disse:

    Doutor, jovens estão utilizando o Ácido Alpha Lipóico, no pré consumo de drogas como Ketamina, Ecstasy, LSD, entre outros, com o intuito de se manter manter bem durante e após o efeito, diminuindo os riscos que essas substancias podem acarretar durante seu uso, isso realmente é verdade?

    • Nunca ouvi falar dessa relação mas não acho que não seja verdade, pois tais drogas alteram neurotransmissores como Gaba, dopamina e serotonina. O lipoico até o ponto que eu sei, não tem tanta ação sobre eles.

  21. Maria Helena nRodrigues disse:

    Dr.
    Tenho Polineuropatia periférica sensitiva axonal há 16 anos. O único sintoma que tinha era dormencia nos pés e mãos mas sempre evoluindo o grau de dormência. Muito lentamente mas evoluindo.Os médicos diziam ser idiopática. Essa dormência não me incomodava muito. Fazia o eletro miograma todo ano e dava sempre o mesmo resultado.Tenho a coluna vertebral bem danificada, na cervical, toráxica e lombar. Há 1 no comecei a notar um certo desiquilibrio ao andar, e a dormencia intesificou consideravelmente, pernas e mãos.A sensação de anestesia das mãos é insuportavel. Fiz este mês outro exame de eletro miograma.Resultado: Não evoluiu para motor e continua dando uma moderada polineuropatia.A coluna vertebral doi toda, estou ficando torta. O neurologista continua afirmando que não é da coluna.
    Dr. porque tanta dormência?
    existe algum remedio alopático ou na medicina ortomolecular alguma coisa que me melhorasse essa dormencia e me desse mais estabilidade para andar?
    Ficaria imensamente grata.

  22. ivandeilson Pereira brito disse:

    Dr. já tomei a coq10 e me senti muito bem, estou pensando em tomar o acido alfa_lipoico ,posso tomar sem

    medo?

  23. Kinnara disse:

    Dr., tenho síndrome metabólica e hipotireoidismo. Faço uso de Syntroid. A taxa de triglicérides está muito alta e a resistência à insulina, também. É recomendável o uso de ALA?

  24. Kinnara disse:

    Obrigada pela resposta!

  25. Hilda Ferrari disse:

    Olá doutor. Obrigada por disponibilizar de seu tempo. Há alguma chance de que o ALA possa ajudar num caso de APP Logopenica?

  26. Bruna disse:

    A combinação dele com L-Tyrosine é eficiente para perda de peso e aumentar a dopamina? Melhor horário para ingerir seria antes do treino?

  27. Vânia Santana disse:

    Olá, boa noite adorei seu Blog. Estou pesquisando sobre o ALA ÁCIDO ALFA LIPÓICO,para o meu pai que tem cirrose , e vi que o medicamento é muito bom , mas infelizmente ele também te problema na tireoide , e faz uso do PURAN T4 75 mg. E li que tem que ter precaução quando a pessoa tem problema na tireoide . Gostaria de saber qual a sua opinião doutor, quanto ao uso desse suplemento para o meu pai , pelo que li eu achei esse suplemento um verdadeiro milagre e me interessou muito , pois ele está desanimado , com inchaços no abdômen e pernas , ele tb é diabético, e tb li que é muito bom , . Aguardo sua resposta, pois estou muito ansiosa com com esses problemas de saúde do meu pai e ao mesmo tempo esperançosa ,quanto ao uso do ALA.
    Obrigada ,
    Vânia!

  28. Cynthia Andrade disse:

    Dr. Muito obrigada por nos passar um pouco de seu conhecimento!! O senhor, a respeito desse assunto, sabe dizer se gestante pode usar esse ácido? Não vejo assuntos relacionados de vários tipos se gestantes podem ou não com diversas coisas que fazem tão bem a saúde como melatonina, esse ácido Ala, enfim obrigada por tudo!! Abraços

  29. Ricardo Lima disse:

    Dr. Roberto, o medicamento Thioctacid ( ácido tióctico (ácido alfa-lipoico)600mg), lista como interação medicamentosa o uso de suplementos de ferro, magnésio e derivados do leite pela presença do cálcio. Lendo, vi que o Sr. sugere a tomada dividida no horário das refeições, enquanto na bula deste medicamento a sugestão é de tomada única em jejum, 30 minutos antes do café da manhã, que é o tempo médio da biodisponibilidade do ALA, para melhor absorção.

    O Sr. poderia me esclarecer o porque da interação com o Cálcio ser prejudicial. E segundo o Sr. qual seria a melhor forma de tomar o ALA, visando a diminuição da hiperglicemia e aumento da absorção de creatina, visto que o ALA mimetiza o efeito da insulina. Obrigado pelo seu artigo e por compartilhar seu conhecimento.

  30. Wendell Silva disse:

    Ótimo blog ,objetivo é não cansativo ,adorei essa matéria .
    Dr , iniciei um tratamento de LDN no meu filho 3 anos o sr acha que o ácido alfa lipoico pode ajudar a atravessar a a barreira hematoencefálica e trazer realmente a diminuição de tumor cerebral ?

  31. Grasiela Ferreira disse:

    Ótimo blog Dr !! Estou fazendo uso do ALA injetável a duas semanas, e percebi inchaços e formigamentos insuportáveis nos dois braços, pesquisei algumas informações e não me senti segura quanto as resposta. Isso é normal ou devo parar com o tratamento?

  32. Bragança disse:

    Grasiela
    Esse formigamento pode ser melhorado quando ALA é aplicado de forma diluída

  33. Bragança disse:

    Ou seja aumentando a diluição

  34. Berna Costa disse:

    Dr. Roberto, grata por suas excelentes informações, estou a três anos em tratamento de câncer de mama e meu médico ortomolecular me passou AlA de 600mg e depois de ler suas informações vi porque nunca mais tive outros problemas de saúde… Muito grata…

  35. Cristiane disse:

    Olá doutor, obrigada por disponibilizar todas estas informações no seu site. O ALA interfere de alguma forma negativa em quem faz uso continuo de hormônio sintético para tireóide? Irei comprar ALA pra mim e gostaria que minha mãe pudesse fazer uso também mas fico receosa em oferecer pois ela toma PURAN T4 todos os dias.

  36. Vagna Lopes disse:

    Dr. Roberto eu comprei. Fo-ti 1,220 e alpha lipoic acid 300
    Posso tomar juntos? 1 de cada. Qual melhor horário.? Antes ou depois de alguns refeição?

  37. Bruna disse:

    Dr, li em alguns lugares que o ALA é um potente quelado de mercúrio. Sendo assim, o Sr vê algum problema em quem tem restaurações de amálgamas tomar?

  38. Flavia disse:

    Olá Dr,
    Tomo sibutramina para ansiedade, posso tomas o ALA junto?
    Obrigada

  39. Andre R. Lima disse:

    Soube que o Ácido Alpa Lipoico endovenoso é perigoso, pois ele é um quelante de mercúrio, e como o ALA entra na barreira hematoliquórica o mercúrio que foi pra corrente sanguínea agora causa problemas a nível cerebral, isso é verdade?

    Obrigado.

  40. Lydia Maximo disse:

    Excelentes informações ! Obrigada

  41. alef disse:

    Dr. quem já sofreu avc, sofre de tinnitus e usa de tanakan pode fazer uso desse medicamento

  42. Augusto Crispim disse:

    Boa noite. Parabéns pelo seu canal informativo. As pessoas devem cuidar dos seus habitos alimentares como forma de prevenção. Elas procuram se cuidar depois que ficam doentes. A prevenção é o melhor remédio para não se perder a saúde.

  43. oberdan tenorio disse:

    Dr tenho neuropatia diabetica leve sintos o pes doloridos. Posso tomar o Ala. E o benfotiamina aujuda tambem

  44. Jaqueline disse:

    Dr, existe alguma diferença entre o Acido Alfa Lipoico e o Acido R Alfa Lipoico quando se compara ao efeito colateral no estômago? É correto dizer que um destes é mais tolerado?

  45. oberdan tenorio disse:

    Dr o ala pode ser tomado. Juntos com benfotiamina

  46. Kavita disse:

    Boa tarde Dr. Tenho uma doença autoimmune do fígado Colangite esclorossante
    Sei que pessoas à com doenças de fígado à espera de transplante tratados com Alfa Lipoico injetável melhoraram muito comDr. Berkson
    Em Portugal à algum médico que faça esse tipo de tratamento
    Obrigada

  47. Geraldo disse:

    Olá, gostaria de fazer uso do Ala, meu colesterol é alto, tenho Angina e problemas de gordura no fígado.
    Observei pekavinternet que existem inúmeros fabricantes. Qual a marca do ALA mais confiável?
    Obrigado.

  48. jailson sampaio disse:

    Boa noite posso tomar o ALA e tambem a coenzima Q10 juntos?

  49. Marusa ribeiro disse:

    Boa tarde! O pediatra da minha filha fikha de 10 anos prescreveu 100mg de ALA a noite? Há estudos sobre o efeito em crianças? Existem efeito colaterais?

  50. Mario Antonio de Siqueira Ramos disse:

    Tenho polineuropatia vi na internet que o medicamento neurogeen é o melhor remédio para essa patologia tbm li que o genérico dele encontrado no Brasil é o ALA em gotas posso tomar ele em capsulas .

    Obrg

  51. Mario Antonio de Siqueira Ramos disse:

    Boa noite tenho polineuropatia a cerca de um ano diagnosticada como axonal provavelmente allcolica soube que melhor remédio para essa patologia chama_se Neuroveem que é de difícil aquisição gostaria de saber se o ALA tem a mesma composiçãoe e se devo tomar
    Boa noite
    Obrigado

  52. FERNANDO SERGIO DE BRITTO E SILVA disse:

    Boa tarde! Dr. Roberto sou curioso e pesquisador de substâncias que ajudam na melhoria das condições de saúde e jovialidade.
    Parabéns pelo trabalho;

    Fernando Britto

  53. Mario Antonio de Siqueira Ramos disse:

    Olá Dr boa noite
    Estou tomando o Thioctacid 600 a quase um mês e já noto melhora quanto a dormência, queimação e formigamento nas pernas,tenho polineuropatia alcoólica mais em relação as dores aumentaram principalmente na panturrilha e coxas
    Isto é normal ?
    Obrigado

  54. Camilla disse:

    Dr., boa tarde! Sou diabética tipo 1, tenho tireoidite de Hashimoto tipo TH1, ovários policísticos e resistência insulínica.

    Os médicos a quem fui me orientam bem superficialmente, me passam informações erradas (como por exemplo, não preciso retirar glúten por conta da tireoidite) e não prescrevem exames completos.

    Desde 2015 faço uso de levotiroxina sódica e meus sintomas vêm piorando: muita sonolência, cansaço, indisposição, tonturas, grave queda de cabelo (perdi mais de 50%), oleosidade excessiva, desânimo, memória falha…
    Um médico disse que era tudo estresse, fiquei desapontada. Estou pesquisando por conta própria sobre meus problemas de saúde.

    Pelo que entendi, preciso retirar da minha alimentação glúten, açúcar, trigo, óleos vegetais, soja, cafeína e transgênicos (é o que tenho lido e visto de outros com tireoidite). Está sendo muito deprimente passar por uma mudança assim.

    Minha pergunta:

    “Supplements of quercetin, alpha lipoic acid, P.A.B.A. and melatonin should be used with caution, as these have the potential to suppress thyroid activity.”
    http://www.drdebe.com/articles/reviving-your-thyroid

    Tenho resistência insulínica também, então seria mais contraproducente fazer uso do ácido R-dihidrolipoico, não é?

    Estou muito perdida…

    • Sua suplementação e conduta alimentar me pareceu boa mas procure um médico que faça modulação hormonal próximo a vc .Pesquise sobre Sindrome da Fadiga Crônica com hipoatividade adrenal.Alguns chamam de fadiga adrenal mas é um termo em desuso
      Também procure saber sobre tratamento com vitamina D em doenças auto imunes e disbiose intestinal.

  55. wilson disse:

    ola Dr, da pra comprar o ALA na farmacia de manipulaçao e diluir em 100 ml de soro para aplicaçao endovenosa?

  56. Mariela Zanardk disse:

    Dr, boa noite! Tenho tireoidite de Hashimoto, posso fazer o uso do ALA com o LDN? Faço o uso do Glifage 1g e do Naturethroid de 16,25mg. Será que tem algum médico em Ribeirão Preto que me acompanharia nesse tratamento?

  57. Giselio França Galvão Junior disse:

    Parabéns doutor pela sua presteza e carinho com pessoas que nem conhece . O mundo seria muito melhor com pessoas com a sua cx aos cidade e preocupação para com os seres humanos. Muita PAZ SAUDE e tudo de maravilhoso na sua vida.

  58. Brígido Rafael disse:

    Dr. Roberto Franco, é sabido que indivíduos com baixa insulina tem dificuldade de ganhar peso, mesmo que esses não tenham diabetes. E que a administração de insulina por período curto e determinado pode auxiliar no ganho de peso. Agora pergunto; sendo o ALA um potencializador dos efeitos dá insulina, como citado pelo artigo o ALA também pode auxiliar no ganho de peso?

    • Brígido Rafael disse:

      P.S
      Eu entendo que a pergunta foi na contramão de tudo que foi conversado até aqui, mas analisando os efeitos, principalmente no que se refere a melhor utilização dá glicose pelo corpo, evitando assim a queima das reservas de gordura como energia. Acredito que a pergunta é pertinente. Muito obrigado

    • Boa pergunta mas pelo que vemos o ALA auxiliaria mais na sensibilizaçao da insulina na massa de gordura, favorecendo emagrecimento do que ganho de m muscular.

      • Brígido Rafael disse:

        OK. Muito obrigado. Parabéns pelo artigo, o mais completo que vi até agora, e muito bem escrito. Parabéns pelo trabalho

  59. Gabriel disse:

    Dr o ala pode ser tomado juntos com benfotiamina ? Obrigado, excelente artigo parabéns!

  60. REGINA disse:

    De. Roberto, durante a gravidez e a amamentação o ALA e L-Carnitina é indicado?

  61. marcio disse:

    No hepatocarcinoma relacionado a NASH o uso do ALA pode trazer benefícios ? O uso concomitante com outros antioxidantes como vit E vit C e resveratrol pode ser realizado ? Obrigado.

  62. Ana disse:

    Boa noite Dr. comprei da marca spring valley nos USA, é uma boa marca??

  63. Ana disse:

    A marca spring valley nos USA, é uma boa marca??

  64. Daniel Aparecido de Moraes disse:

    Dr. Roberto o Dr Lair Ribeiro diz que não pode faltar depois de uma certa idade a Co Q10 a ALA e Acetil-L Carnitina, sendo que eu estou com 43 anos poderia eu me suplementar com esses tres componentes juntos? Estou tendo cançaso e falta de disposição. Belo trabalho do Sr. Grande abraço.

    • Acho suplementos maravilhosos, estou de acordo com o Dr Lair, faço uso da forma injetável ainda mais pq tenho tendencia a hipetrigliciridemia e resistência a insulina. Porém, não posso fazer prescrição on line de forma individual ainda mais pq nao tenho exames e não conheço seu histórico

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *