Vitamina D e Covid 19 – Quais as evidências?

vitamina D - covid-19

VITAMINA D E  CORONAVÍRUS

ISTO NÃO É UMA ORIENTAÇÃO PARA O USO SEM INDICAÇÃO MÉDICA DE VITAMINA D , O USO EXCESSIVO PODE CAUSAR HIPERCALCEMIA E INSUFICIÊNCIA RENAL


Pesquisadores do Trinity College Dublin estão pedindo ao governo da Irlanda que mude as recomendações para suplementos de vitamina D.

Uma nova publicação do Dr. Eamon Laird e da professora Rose Anne Kenny, da Faculdade de Medicina, e do Irish Longitudinal Study on Aging (TILDA), em colaboração com o professor Jon Rhodes da Universidade de Liverpool, destaca a associação entre os níveis de vitamina D e a mortalidade por COVID -19.

Os autores do artigo, publicado recentemente no Irish Medical Journal , analisaram todos os estudos europeus sobre população adulta, concluídos desde 1999, que mediram a vitamina D e compararam as taxas de vitamina D e mortalidade do COVID-19.

Este estudo mostra que, contra-intuitivamente, países com latitude mais baixa e países tipicamente ensolarados, como Espanha e norte da Itália, tinham baixas concentrações de vitamina D e altas taxas de deficiência de vitamina

D. Esses países também tiveram as maiores taxas de infecção e morte na Europa.

Noruega, Finlândia e Suécia:

Estes países têm níveis mais altos de vitamina D, apesar da menor exposição à luz solar UVB, porque a suplementação e fortificação de alimentos é mais comum.

Esses países nórdicos têm taxas mais baixas de infecção e mortalidade por COVID-19. A correlação entre os baixos níveis de vitamina D e a morte por COVID-19 é estatisticamente significativa.

Os autores propõem que, embora a otimização dos níveis de vitamina D certamente beneficie a saúde dos ossos e músculos, os dados sugerem que é provável que também reduza complicações sérias do COVID-19.

Isso ocorre porque a vitamina D é importante na regulação e supressão da resposta inflamatória às citocinas, que causa graves conseqüências do COVID-19 e da ‘síndrome do desconforto respiratório agudo’ associada à ventilação e morte.


Perspectiva: melhorando o status da vitamina D no manejo do COVID-19

Devido à falta de dados, o tratamento sintomático é usado para a infecção por COVID-19, incluindo oxigenoterapia e ventilação mecânica para pessoas com infecção grave.

Considerando a variedade de efeitos benéficos atribuídos à vitamina D, é a segurança e a facilidade de administração, bem como os efeitos diretos da vitamina D na proliferação e atividade das células imunes, expressão da ACE2 pulmonar e redução da tensão superficial, avaliação da suplementação de vitamina D como adjuvante a intervenção terapêutica pode ter um significado clínico e econômico substancial.

A intervenção empírica com vitamina D é uma decisão clínica que pode ser justificada por baixos níveis séricos e pelo risco de comprometimento do sistema imunológico.

É importante ressaltar que a melhora nos níveis circulantes de 25 (OH) D abre possibilidades para diminuir a progressão da doença ou até melhorar a sobrevida dos pacientes.

RESUMO:

Dada a alta prevalência de deficiência de vitamina D e para aumentar rapidamente, com segurança e aumentar significativamente as concentrações séricas, sugere-se uma intervenção em doses altas de vitamina D com potencial benefício na redução do risco de gravidade e mortalidade de COVID-19, o que é uma tratamento seguro e não invasivo.

Os pacientes tomavam grandes doses de vitamina D por uma semana, seguidos por vários milhares de UI / d de vitamina D por um período de 2 semanas.

Isso fornecerá uma restauração rápida e sustentável dos níveis séricos de vitamina D, potencialmente desencadeando uma melhora no estado clínico e no prognóstico.

No entanto, estudos clínicos prospectivos são necessários para abordar essa especulação e superar os obstáculos em nosso atual entendimento do papel da vitamina D como terapia adjuvante em pacientes com COVID-19.


Deficiência de vitamina D como fator de risco para COVID-19 grave: convergência de duas pandemias

A deficiência de vitamina D aumenta a incidência de infecções por vírus respiratórios. Mais de 1 bilhão de pessoas em todo o mundo têm deficiência de vitamina D.

Se a deficiência de vitamina D estiver associada à incidência ou gravidade da infecção por SARS-CoV-2, poderá ser feita uma chamada global para a suplementação de vitamina D para diminuir a pandemia.
.
A deficiência de vitamina D é um possível fator de risco para infecção grave por SARS-CoV-2 em homens. A suplementação de vitamina D pode ser uma forma barata, acessível e segura para contribuir com o controle da pandemia de SARS-CoV-2. . .

 

▶️IMPORTANTE:
Este artigo é uma pré-impressão e não foi revisado por pares. O que isso significa? Outras pesquisas médicas ainda precisam ser feitas e, portanto, não devem ser usadas para orientar a prática clínica.


Vitamina D e Infecções Respiratórias:

Revisão sistemática com metanálise de dados de 25 ensaios clínicos randomizados com  11321 participantes, idade entre 0 a 95 anos, publicada no British Journal , mostrou que suplementação com vitamina D reduziu o risco de infecção aguda do trato respiratório entre todos os participantes.

Os efeitos protetores foram mais fortes naqueles com níveis basais de 25-hidroxivitamina D <25 nmol/L.


 

Você também pode gostar :

https://www.robertofrancodoamaral.com.br/blog/covid-19-e-a-falta-de-ar-silenciosa-vale-a-pena-ter-um-oximetro/

 

 


REFERÊNCIAS:

Ebadi, M., Montano-Loza, A.J. Perspective: improving vitamin D status in the management of COVID-19. Eur J Clin Nutr 74, 856–859 (2020). https://doi.org/10.1038/s41430-020-0661-0

BMJ, Vitamin D supplementation to prevent acute respiratory tract infections: systematic review and meta-analysis of individual participant.
Dr. Roberto Franco do Amaral Neto

Dr. Roberto Franco do Amaral Neto

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ARTIGOS RELACIONADOS

Mais lidAs