Atualizado em: 10/08/2017

A desidroepiandrosterona, deidroepiandrosterona, prasterona 4 (ou DHEA, do inglês dehydroepiandrosterone) é um hormônio esteroide produzido a partir do colesterol pelas glândulas adrenais, testículos, ovários, tecido adiposo, cérebro e pele. A DHEA serve como matéria-prima para a fabricação de todos os outros hormônios importantes secretados pela glândula supra-renal

177px-DHEA

A DHEA é a precursora da androstenediona e esta, por sua vez precursora da testosterona e dos estrógenos estrona e estradiol, aos quais a DHEA é quimicamente similar. É convertida em andrógeno (hormônio masculino) ou estrógeno (hormônio feminino) dependendo do sexo da pessoa, idade e outros fatores individuais. A DHEA é o esteróide precursor quase direto da testosterona e do estradiol, mas ela própria possui fraca ação androgênica.

                                                                      Sem título

Ao longo da vida, a produção de cortisol pela adrenal aumenta e, inversamente, a DHEA, a melatonina e o hormônio do crescimento (GH) declinam. Nos primeiros cinco anos de vida as adrenais produzem pequena quantidade de DHEA. Por volta dos 6 ou 7 anos, há uma elevação dos níveis deste hormônio. Sua produção alcança o máximo no início da vida adulta (em torno dos vinte anos) e declina com a idade tanto em homens quanto mulheres. Aos 20 anos, é o hormônio mais abundante no sangue em circulação no corpo humano. Entre os 30 e os 40 anos de idade, ocorre um declínio nos níveis de DHEA. Aos 40 anos, o organismo produz metade da DHEA que produzia antes. Aos 65 anos, a produção cai para 10 a 20% da quantidade considerada ideal. Por volta dos 70 anos, o indivíduo terá apenas 25% (ou menos) da quantidade que tinha aos 20 anos e, aos 80, menos de 5% deste nível.

“Evidências epidemiológicas em seres humanos e estudos em animais sugerem que a DHEAS (sulfato de deidroepiandrosterona) pode ter efeitos cardioprotetor, antiobesidade, antidiabético, e propriedades de reforço imunológico” afirma o Dr. von Mühlen da University of Califórnia em San Diego, autor principal de um trabalho onde foi administrada DHEA por via oral durante um ano a 110 homens e 115 mulheres, com idades entre 55-85 anos, que eram saudáveis e não usuários terapia hormonal. Uma vasta gama de parâmetros biológicos foram estudados, incluindo densidade mineral óssea e metabolismo, composição corporal e força muscular, função imune e fatores de risco cardiovasculares, cujos resultados suportam estas afirmativas do Dr. von Mühlen (Contemp Clin Trials. 2007, 28 (2) :153-68).

DHEA e Envelhecimento

Em outro estudo realizado pelo Dr. Abbasi e colaboradores do Departamento de Medicina, do Medical College of Wisconsin, demonstrou que entre homens de 60 anos ou mais, os que apresentavam níveis séricos de DHEAS mais elevados, em comparação com aqueles com um menor nível sérico de DHEAS, eram mais jovens, mais magros, mais em forma e tinham perfis lipídicos favoráveis (J Am Geriatr Soc. 1998 Mar;46(3):263-73).

Diversos estudos sugerem que, quanto menor o nível de DHEA da pessoa, maior o risco de morte por doenças relacionadas com o envelhecimento. Outros estudos também indicam que baixos níveis de DHEA seriam responsáveis por muitas doenças degenerativas e pelo envelhecimento acelerado. Considerou-se o envolvimento do hormônio em diversos problemas de saúde, entre eles o Mal de Alzheimer, doenças auto‑imunes, distúrbios provocados pelo estresse, entre outros.

Em um estudo realizado por Elizabeth Barrett-Connor, famosa pesquisadora da área hormonal, médica, professora e chefe do departamento de medicina preventiva da Universidade da Califórnia, San Diego, monitoraram-se os níveis de DHEA em 242 homens de 50 a 79 anos de idade durante 12 anos. O estudo revelou forte correlação entre os maiores níveis de DHEA e o menor risco de morte decorrente de todas as causas. Entre os indivíduos que sobreviveram, o nível de DHEA era três vezes maior do que entre os que morreram.

“DHEA aumenta o nível de  estrogênios em homens e testosterona em mulheres , portanto avaliação destes  hormônios  antes e ao longo do tratamento é de fundamental importância”

A concentração sérica de deidroepiandrosterona diminui cerca de 80% entre as idades de 25 e 75 anos. O envelhecimento também resulta num aumento da rigidez arterial, a qual é uma preditora independente de risco de doença cardiovascular (DCV) e mortalidade. Portanto, é concebível que a reposição de DHEA em adultos mais velhos poderia reduzir a rigidez arterial. Procurou-se determinar, se a terapia de reposição de DHEA em adultos mais velhos reduz índice de aumento da carótida (AI) e velocidade de onda de pulso carotídeo-femoral (VOP) como índices de rigidez arterial. Um estudo randomizado, duplo-cego foi conduzido para estudar os efeitos da reposição de 50 mg/dia de DHEA no AI em mulheres e homens com idades entre 65-75 anos. Citocinas inflamatórias e hormônios sexuais foram medidos no soro em jejum. AI diminuiu no grupo de DHEA, mas não no grupo de placebo. A velocidade da onda de pulso também diminuiu, no entanto, após o ajuste para os valores de base, a comparação entre os grupos tornou-se não significativa. As reduções no AI e VOP foram acompanhadas por diminuições de citocinas inflamatórias (fator de necrose tumoral-α e IL-6) e correlacionada com aumento de DHEA no soro. A redução de AI também se correlacionou com índice de testosterona livre. Em conclusão, a reposição de DHEA em homens e mulheres idosos melhora os índices de rigidez arterial. Rigidez arterial aumenta com a idade e é um fator de risco independente para doenças cardiovasculares. Portanto, as melhorias observadas neste estudo sugerem que a reposição de DHEA pode parcialmente reverter o envelhecimento arterial e reduzir o risco de DCV.

Reposição de dehidroepiandrosterona (DHEA) diminui a resistência à insulina e diminui as citocinas inflamatórias no envelhecimento humano

Já é sabido que a dehidroepiandrosterona (DHEA) plasmática diminui cerca de 80% entre as idades de 25 e 75 anos. Em um estudo preliminar, pesquisadores da Divisão de Geriatria e Ciências da Nutrição, da Faculdade de Medicina da Universidade de Washington, relataram que 6 meses de reposição da DHEA melhorou a ação da insulina em indivíduos idosos. O objetivo do estudo randomizado e duplo-cego foi determinar se um longo período de reposição de DHEA melhora a tolerância à glicose. Cinquenta e sete homens e 68 mulheres com idades entre 65 a 75 anos foram aleatoriamente designados para doses de 50 mg de DHEA ou placebo uma vez ao dia. No primeiro ano, foi um ensaio duplo-cego randomizado. No segundo ano foi uma continuação, como ensaio aberto. A reposição de DHEA melhorou a tolerância à glicose em participantes que tiveram tolerância à glicose anormal inicialmente, redução dos triglicerídeos plasmáticos e das citocinas inflamatórias e IL-6 e TNF-α.

DHEA e Envelhecimento da Pele

DHEA também está relacionada com o processo de envelhecimento da pele por meio da regulação e degradação de proteínas da matriz extracelular. No estudo realizado por Mi Hee Shin e colaboradores, do Departmento de Dermatologia, da Seoul National University, foi demonstrado que a DHEA pode aumentar a síntese de pró-colágeno e inibir a degradação de colágeno, tanto em peles jovens como idosas, também protegendo- as da degradação do colágeno promovida pela exposição aos raios UV, uma das principais causas do envelhecimento da pele.

DHEA e Sistema Imunológico

Devido aos efeitos abrangentes da DHEA, o declínio de sua produção se faz sentir por toda parte, em todos os sistemas, órgãos e tecidos do organismo. O sistema imunológico é especialmente sensível a menor produção de DHEA, abrindo as portas não apenas aos vírus, bactérias e outros micróbios como também aos radicais livres e às doenças degenerativas causadas por eles.

                                                                                     grafico dhea x idade2

DHEA e Humor

Em trabalho publicado na revista Neuropsychopharmacology (03/04/2013), a pesquisadora Rebecca K. Sripada e colaboradores, através de imagens do cérebro avaliaram as bases neurológicas da administração de DHEA na modulação da emoção. Vários trabalhos científicos relatam os efeitos antidepressivos e ansiolíticos do DHEA, mas nenhuma pesquisa anteriormente havia examinado as vias neurais envolvidas. Os resultados obtidos pela equipe da Dra. Sripada proporcionaram a evidência inicial através das neuroimagens, que a DHEA pode ser útil como uma intervenção farmacológica para melhora das condições de ansiedade e distúrbios do humor.

DHEA e Dependência Química

Além disto, a DHEA tem importante papel na redução da dependência química. Os resultados dos estudos do Dr. Ravid Doron do Multidisciplinary Brain Research Center, em Israel sugerem um papel potencial para a DHEA no controle do abuso da cocaína, reduzindo tanto o desejo de uso quanto a incidência de recaída, por bloquear o efeito de recompensa produzido pelo consumo da droga. Este resultado é interessante, uma vez que a maioria dos adictos apresenta muita dificuldade para permanecer em programas de reabilitação, principalmente durante as primeiras semanas, quando a expectativa de recompensa é mais elevada.

DHEA e Fertilidade

Os cientistas descobriram uma ligação estatística entre o DHEA e as taxas de gravidez de sucesso em mulheres em tratamento para infertilidade. No primeiro estudo controlado sobre os efeitos do suplemento, os pesquisadores descobriram que as mulheres em tratamento para infertilidade que suplementaram DHEA tiveram três vezes mais probabilidade de conceber do que as mulheres que não usaram o hormônio.

Em recente pesquisa publicada no Journal of Gynecology Obstetric and Human Reproduction de janeiro de 2017, foi avaliado o efeito da terapia com dehidroepiandrosterona (DHEA) na resposta ovariana e no resultado da gravidez em pacientes com diminuição da reserva ovariana (DOR). Os pesquisadores chineses analisaram um total de 9 estudos identificados a partir do PubMed, EMBASE e da biblioteca Cochrane, sendo que quatro foram ensaios clínicos randomizados, quatro estudos retrospectivos, um estudo prospectivo, incluindo 540 casos e 668 controles. A análise combinada mostrou que as taxas de gravidez clínica aumentaram significativamente em pacientes com DOR pré-tratadas com DHEA. Os resultados obtidos permitiram aos pesquisadores concluírem que a suplementação com DHEA em pacientes com DOR pode melhorar os resultados da gravidez. Concluíram também que para confirmar ainda mais este efeito, são necessários mais ensaios clínicos randomizados com tamanhos maiores de amostragem.

Apesar das evidências, o uso deste hormônio não faz parte do rol de tratamentos para as doenças citadas acima e nem como prevenção das mesmas. Apenas em alguns casos de menopausa precoce e insuficiência da glândula supra renal ele é reposto protocolarmente. A reposição deste HORMÔNIO, quando necessária, deve ser feita por médico com experiência no assunto, depois de seus níveis serem mensurados no sangue. É de fundamental importância o equilíbrio com o hormônio cortisol para que o DHEA traga todos os benefícios citados. Pessoas com fadiga crônica e com níveis baixos de cortisol podem ter seu quadro agravado. Também devem ser analisados outros hormônios como os da tireoide e outros esteroides como testosterona, estradiol, progesterona e DHT. A função hepática, a função renal também deve ser averiguada. Devem ser excluídos cânceres em atividade seguindo os protocolos ginecológicos e urológicos vigentes. Avaliação prévia do cardiologista também deve ser realizada.

A aplicação de DHEA na diminuição da reserva ovariana.

A diminuição da reserva ovariana (DRO) representa um grande desafio para a fertilização in vitro (FIV). Estudos anteriores sugeriram que a deidroepiandrosterona (DHEA) pode melhorar os resultados da FIV nas mulheres com DRO. O estudo atual objetivou investigar os benefícios clínicos da DHEA em DROs e os possíveis mecanismos da DHEA nas células cumulus (CCs). Este foi um estudo prospectivo realizado de janeiro de 2015 a março de 2016. Participaram 131 mulheres que faziam tratamento de FIV, incluindo 59 com ovários normais (NORs) e 72 com diminuição da reserva ovariana (DROs). As DROs foram designadas para receber suplementação de DHEA ou não antes do processo de FIV. Para todas as pacientes, as CCs foram obtidas após a recuperação dos oócitos. Os resultados indicaram que as DROs com suplementação de DHEA produziram um grande número de embriões de alta qualidade no dia 3 e aumentaram o número de embriões transferidos e a taxa de fertilização em comparação com aquelas sem suplementação de DHEA. Além disso, a suplementação com DHEA em DROs reduziu o dano ao DNA e a apoptose em CCs enquanto aumentava a massa mitocondrial, a atividade da desidrogenase mitocondrial e a expressão dos fatores de transcrição mitocondrial A nas CCs. Concluindo, estes resultados mostraram que os benefícios da suplementação de DHEA nos resultados da FIV em DROs foram significativos e os efeitos podem ser parcialmente mediados pela melhoria da função mitocondrial e redução da apoptose nas células cumulus.

DHEA e libido em mulheres

Os dados relativos à eficácia de desidroepiandrosterona (DHEA) no tratamento da perturbação do desejo sexual hipoativo (DDSH) são escassos e inconsistentes. O  objetivo deste estudo  foi determinar possíveis diferenças de gênero na eficácia do DHEA como um tratamento para DDSH. Mulheres pós-menopausa (n = 27) e homens (n = 21) com HSDD, foram randomizados para receber ou DHEA 100 mg por dia ou placebo durante 6 semanas em um estudo duplo-cego controlado.

Em mulheres o tratamento com DHEA  teve  efeito benéfico significativo na excitação, enquanto que nenhuma eficácia foi demonstrada em homens , indicando uma possível diferença de gênero.Isto  parece ser mediado através do metabolismo de DHEA em testosterona. Os nossos resultados positivos sugerem que  DHEA pode ser eficaz como um tratamento para as mulheres com  hipoatividade sexual.

DHEA e Doenças auto imunes

O Dr. David Brownstein, professor clínico de Medicina da Wayne State University School of Medicine, membro da Academia de Médicos de Família, da Academia Americana de Medicina Preventiva e da Academia Americana de Acupuntura Médica, autor do livro ‘The Miracle of Natural Hormones’ relatou:

“Em minha prática clínica, observei que quase 100% de meus pacientes com doenças autoimunes como doença de Crohn, colite ulcerativa, lúpus eritematoso, esclerose múltipla, artrite reumatoide, fibromialgia e outras mais, têm níveis significativamente baixos de DHEA. Além disso, a maioria destes pacientes apresentam melhoras clínicas em suas condições com o uso de doses fisiológicas de DHEA”. De forma semelhante à vitamina D3, o DHEA modula o sistema imune, restaurando seu equilíbrio.

Pesquisas recentes  demonstraram que a DHEA:

  • inibe a ativação do fator nuclear-kB (NFKB)
  • ativa secreção de interleucina-6 e interleucina-12 através da ativação de α PPAR.
  • estimula a produção de interleucina-10 em células do baço.

O tratamento com DHEA 50-200 mg/dia demonstrou ser eficaz em pacientes com lúpus eritematoso. As concentrações de DHEAS estão diminuídas em pacientes com doença inflamatória do intestino e a DHEAS inibe produção de interleucina-6 por meio de monócitos do sangue periférico humano.

Em um estudo realizado com 50 pacientes do sexo feminino (37 na pré-menopausa, 13 na pós-menopausa) com  Lupus Eritematoso Sistêmico, estas pacientes foram  tratadas com DHEA por via oral em doses de 50-200 mg/dia.  A terapia com DHEA foi associada aos aumentos nos níveis séricos de DHEA, de DHEAS  e testosterona e para aqueles pacientes que continuaram DHEA, com a atividade da doença diminuindo medido pela pontuação de doença LES:  Índice de Atividade (p <0,01), avaliação global do paciente (p < avaliação de 0,01), e médico global (p <0,05) em relação à linha de base. As doses de prednisona simultâneas foram reduzidos (p <0,05). Estas melhorias foram mantidos ao longo de todo o período de tratamento.

Num outro estudo a administração de DHEA resultou:

  • Aumento de 20%  no soro de IGF-I, uma tendência para a diminuição de IGFBP-I, e um aumento de 32% na proporção de IGF-I / IGFBP-I
  • A ativação da função imunológica ocorreu no prazo de 2-20 semanas de tratamento com DHEA.
  • O número de monócitos aumentou significativamente depois de 2 (45%) e 20 (35%) semanas de tratamento. A população de células B aumentou em 2 (35%) e 10 (29%) semanas.
  • A  resposta mitogênica de células B aumentou de 62% (p <0,05) por 12 semanas não acompanhadas por alterações nos níveis séricos de IgG, IgA, e IgM.
  • O total de células T  não foram alteradas.
  •  Aumento de 40%  em resposta mitogênica de células T, aumento de 39% em células que expressam IL-2R (CD25 +),e aumento de 20% nos níveis séricos de sIL-2R (p <0,01) foram encontradas em 12-20 semanas de tratamento com DHEA, sugerindo uma ativação funcional dos linfócitos T.
  • In vitro,  IL-2 e IL-6 foi aumentada de 50%  e 30% , respectivamente, por 20 semanas de tratamento
  •  O número de células NK apresentaram um aumento de 22-37%  por 18-20 semanas de tratamento com um aumento concomitante de 45%  na citotoxicidade.
  • Não houve efeitos adversos observados com a administração DHEA.

Em conclusão,  a administração de DHEA por via oral a uma dose diária de 50 mg a homens de idade avançada com baixos níveis séricos de DHEAS ativou significativamente a função imunitária. Os mecanismos destas propriedades de imunopotenciação de DHEA não são claros. Consideração é dada para o papel potencial de um aumento na biodisponibilidade de IGF-I, que em virtude dos seus efeitos mitogênicos sobre a função de células imunes, podem mediar os efeitos de DHEA. Enquanto são necessários estudos prolongados, os nossos resultados sugerem potenciais benefícios terapêuticos da DHEA em estados imunodeficientes.

DHEA, Rigidez arterial e Doença Cardiovascular

A concentração de Dehidroepiandrosterona  diminui cerca de 80% entre as idades de 25 e 75 anos. O envelhecimento também resulta num aumento da rigidez arterial, a qual é um preditor independente de risco de doença cardiovascular (DCV) e mortalidade.Portanto, é concebível que a substituição de DHEA em adultos mais velhos poderia reduzir a rigidez arterial. Procurou-se determinar se a terapia de reposição de DHEA em adultos mais velhos reduz o índice de aumento da carótida (AI) e velocidade de onda de pulso carotídeo-femoral (VOP) como índices de rigidez arterial.

Um estudo randomizado, duplo-cego foi conduzido para estudar os efeitos de 50 mg dia  1substituição DHEA no AI (n = 92) e  (VOP) (n= 51) em mulheres e homens com idades entre 65-75 anos. Citocinas inflamatórias e hormônios sexuais foram medidos no soro em jejum. AI diminuiu no grupo de DHEA, mas não no grupo de placebo (diferença entre os grupos, -6 ± 2 unidades IA, P= 0,002). A velocidade da onda de pulso também diminuiu (diferença entre os grupos, -3.5 ± 1,0 m s -1 , P= 0,001); no entanto, após o ajuste para os valores de base, a comparação entre os grupos tornou-se não significativa ( P= 0,20). As reduções no AI e VOP foram acompanhadas por diminuições de citocinas inflamatórias (fator  de necrose tumoral-α e a IL-6, P< 0,05) e correlacionada com aumentos de DHEAS no soro (r= -0,31 e -0,37, respectivamente, P< 0,05). A redução de AI também se correlacionou com índice de testosterona livre (r= -0,23, P= 0,03).

Em conclusão, a substituição DHEA em homens e mulheres idosos melhora os índices de rigidez arterial. Rigidez arterial aumenta com a idade e é um fator de risco independente para doenças cardiovasculares. Portanto, as melhorias observadas neste estudo sugerem que a substituição DHEA pode parcialmente reverter o envelhecimento arterial e reduzir o risco de DCV.

Comentários:

  • A dose diária remendada varia sendo determinada pelo sexo do paciente e pelo nível básico de S-DHEA (quanto menor o nível sérico, maior a dose inicial).  A indicação é médica e o acompanhamento dever ser feito pelo mesmo
  • Mulheres com excesso de pelos, queda de cabelo, acne, resistentes a insulina, portadoras da síndrome dos ovários policísticos e com história recente de câncer devem ter cuidado redobrado nesta reposição.
  • Homens com câncer de próstata, prostatismo, queda de cabelo e acne também devem ter cuidado com esta reposição, sendo necessário, muitas vezes, o uso simultâneo de bloqueadores da 5-alfa redutase (mesmo que de forma parcial), enzima que transforma testosterona em DHT.
  • Dhea pode diminuir o nível de cortisol e piorar Fadiga Crônica com baixos níveis de cortisol – HIPOATIVIDADE DO EIXO HPA – veja o posto sobre o assunto
  • Dhea pode aumentar a conversão de tiroxina em triiodotironina portanto avaliação da função tiroidiana antes e ao longo do tratamento se mostra importante
  • Dhea aumenta o nível de IgF1 portanto avaliação deste marcador antes e ao longo do tratamento se mostra importante
  • Dhea aumenta o nivel de  estrôgenios em homens e testosterona em mulheres   portanto avaliação destes  hormônios  antes e ao longo do tratamento se mostra importante,  assim com os níveis de PSA

 

Este artigo tem somente o propósito informativo e não tem a intenção de substituir uma orientação médica. O uso de VITAMINAS, MINERAIS ou outros SUPLEMENTOS, pode trazer excelentes resultados para você, mas a automedicação não é recomendada. Consulte sempre um MÉDICO ESPECIALISTA para a sua avaliação e acompanhamento quando se tratar de assuntos relacionados à sua saúde.

 

Referências

DHEA a Energia Vital. Tudo o que Você Precisa Saber sobre este Hormônio Natural. Ray Sahelian. Editora Campus, 152 páginas.

https://livralivro.com.br/books/show/394730?recommender=I2I

Modulation of Collagen Metabolism by the Topical Application of Dehydroepiandrosterone to Human Skin

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15675949

DHEA Enhances Emotion Regulation Neurocircuits and Modulates Memory for Emotional Stimuli. 

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/?term=DHEA+Enhances+Emotion+Regulation+Neurocircuits+and+ Modulates+Memory+for+Emotional+Stimuli

DHEA, a Neurosteroid, Decreases Cocaine Self-Administration and Reinstatement of Cocaine-Seeking Behavior in Rats. 

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16421515

Association of dehydroepiandrosterone-sulfate with endothelial function in young women with polycystic ovary syndrome. 

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/?term=Association+of+dehydroepiandrosterone-sulfate+with+ endothelial+function+in+young+women+with+polycystic+ovary+syndrome

Inhibition of tumor development by dehydroepiandrosterone and related steroids.

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/?term=The+naturally+occurring+adrenal+steroid%2C+ dehydroepiandrosterone+(DHEA)%2C+is+a+potent+non-competitive+inhibitor+of+mammalian+glucose-+6-phosphate+dehydrogenase+(G6PDH).

Effects of dehydroepiandrosteroneon proliferation, migration, and death of breast cancer cells.

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/?term=Effects+of+dehydroepiandrosteroneon+proliferation%2C+ migration%2C+and+death+of+breast+cancer+cells.

Enhanced post-receptor insulin effects in women following dehydroepiandrosterone infusion. 

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/?term=Enhanced+post-receptor+insulin+effects+in+women +following+dehydroepiandrosterone+infusion.

Dehydroepiandrosterone-Sulfate Inhibits Nuclear Factor-kB-Dependent Transcription in Hepatocytes, Possibly through Antioxidant Effect.

https://academic.oup.com/jcem/article-lookup/doi/10.1210/jc.2003-031441

DHEA-induced antiproliferative effect in MCF-7 cells is androgen- and estrogen receptor-independent. 

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/?term=DHEA-induced+antiproliferative+effect+in+MCF-7+cells+is+ androgen-+and+estrogen+receptor-independent.

Dehydroepiandrosterone sulfate (DHEAS) secretion in early and advanced solid neoplasms: selective deficiency in metastatic disease. 

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/?term=Dehydroepiandrosterone+sulfate+(DHEAS)+secretion+ in+early+and+advanced+solid+neoplasms%3A+selective+deficiency+in+metastatic+disease

Androgens and musculoskeletal symptoms among breast cancerpatients on aromatase inhibitor therapy. 

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/?term=Androgens+and+musculoskeletal+symptoms+among+breast +cancerpatients+on+aromatase+inhibitor+therapy

Long-term low-dose dehydroepiandrosterone oral supplementation in early and late postmenopausal women modulates endocrine parameters and synthesis of neuroactive steroids. 

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/?term=Long-term+low-dose+dehydroepiandrosterone+oral+ supplementation+in+early+and+late+postmenopausal+women+modulates+endocrine+parameters+and+synthesis+of+neuroactive+steroids

Metabolic effects of dehydroepiandrosterone replacement therapy in postmenopausal women. 

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11581005

Cortisol, DHEA sulphate, their ratio, and all-cause and cause-specific mortality in the Vietnam Experience Study.

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/?term=Cortisol%2C+DHEA+sulphate%2C+their+ratio%2C+and+all-cause+and+cause-specific+mortality+in+the+Vietnam+Experience+Study

Cortisol, dehydroepiandrosterone sulphate, their ratio and hypertension: evidence of associations in male veterans from the Vietnam Experience Study.
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21307886

Dehydroepiandrosterone protects against oxidative stress-induced endothelial dysfunction in ovariectomized rats 

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3115827/

Dehydroepiandrosterone (DHEA): hypes and hopes.  

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/?term=Dehydroepiandrosterone+(DHEA)%3A+hypes+and+hopes.

Pharmacology and therapeutic effects of dehydroepiandrosterone in older subjects. 

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/14561100

Might DHEA be considered a beneficial replacement therapy in the elderly?

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17362047

Dehydroepiandrosterone, dehydroepiandrosterone sulphate and cardiovascular disease.

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/?term=Dehydroepiandrosterone%2C+dehydroepiandrosterone+ sulphate+and+cardiovascular+disease+J+Endocrinol.+1996+Sep%3B150+Suppl%3AS149-53

Serum dehydroepiandrosterone sulfate levels predict longevity in men: 27-year follow-up study in a community-based cohort (Tanushimaru study). 

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/?term=Serum+dehydroepiandrosterone+sulfate+levels+predict +longevity+in+men%3A+27-year+follow-up+study+in+a+community-based+cohort+(Tanushimaru+study).

Association of dehydroepiandrosterone sulfate, body composition, and physical fitness in independent community-dwelling older men and women.

http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1532-5415.1998.tb01036.x/abstract;jsessionid= 1ACE3EA468DD9535BF815E7B6992197A.f03t04

Higher serum dehydroepiandrosterone sulfate levels are protectively associated with depressive symptoms in men, but not in women: a community-based cohort study of older Japanese. 

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/?term=Higher+serum+dehydroepiandrosterone+sulfate+ levels+are+protectively+associated+with+depressive+symptoms+in+men%2C+but+not+in+women%3A+a+community-based+cohort+study+of+older+Japanese.

The Dehydroepiandrosterone And WellNess (DAWN) study: research design and methods.

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/?term=The+Dehydroepiandrosterone+And+WellNess+(DAWN)+ study%3A+research+design+and+methods

Dehydroepiandrosterone replacement therapy in older adults improves indices of arterial stiffness. 

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3444670/

Patients with refractory Crohn’s disease or ulcerative colitis respond to dehydroepiandrosterone: a pilot study

http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1046/j.1365-2036.2003.01433.x/full

Treatment of systemic lupus erythematosus with dehydroepiandrosterone: 50 patients treated up to 12 months.

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/9489820

Activation of immune function by dehydroepiandrosterone (DHEA) in age-advanced men.

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/?term=Activation+of+immune+function+by+dehydroepiandrosterone+(DHEA)+in+age-advanced+men

Dehydroepiandrosterone (DHEA) replacement decreases insulin resistance and lowers inflammatory cytokines in aging humans.

http://www.impactaging.com/papers/v3/n5/full/100327.htm

Dehydroepiandrosterone replacement therapy in older adults improves indices of arterial stiffness 

http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1474-9726.2012.00852.x/abstract

The use of dehydroepiandrosterone in the treatment of hypoactive sexual desire disorder: a report of gender differences. 

Dehydroepiandrosterone protects against oxidative stress-induced endothelial dysfunction in ovariectomized rats

The effect of dehydroepiandrosterone (DHEA) supplementation on women with diminished ovarian reserve (DOR) in IVF cycle: Evidence from a meta-analysis.

 https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/28403950

 

The Application of Dehydroepiandrosterone on Improving Mitochondrial Function and Reducing Apoptosis of Cumulus Cells in Poor Ovarian Responders

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5479128/

 

 

 

 

 

 

 

Dr. Roberto no Instagram

Visualize as dicas e informações para uma vida mais saudável direto no Instagram


Acessar

Dr. Roberto no Facebook

Dr. Roberto Franco do Amaral Neto
Dr. Roberto Franco do Amaral Neto
Médico CRM: 111370

172 Comentários

  1. José António Cunha disse:

    Tanto os homens como as mulheres necessitam de um equilíbrio de estrogéneos, testosterona, hormonas tiróideias, DHEA, cortisol, entre outras hormonas.Cada hormona desempenha uma função que é complementar de outras e imprescindível à manutenção de um estado de saúde saudável.
    Quando os níveis destas hormonas começam a baixar, inicia-se o processo de envelhecimento.
    Observamos uma diminuição da libido, menor energia, aumento da gordura corporal, fragilidade óssea, osteoporose, flacidez da pele e outros tecidos, perda de memória, alterações cardiovasculares, perturbações do sono, entre muitos outros sintomas. Tiróide: medicação com T3 – T4 deve ser a primeira escolha no adulto! -T4 –
    ◾ T4, quando dada isoladamente, inibe o nosso eixo hipotálamo-hipofisário para se atingirem doses eficazes.
    ◾ Múltiplos estudos referem melhor tolerância mas não melhor eficácia.

    -T3-T4-
    ◾Baixam melhor o colesterol
    ◾O reflexo do tendão aquiliano é reposto mais rapidamente
    ◾Previne a formação de bócio
    ◾Melhoria dos sintomas mais ampla

    Atingimos mais facilmente um nível de T3 sérico (com T4 temos de dar doses mais elevadas para termos o mesmo nível). Atingimos mais facilmente um nível tissular adequado do que só com T4 (estudos em ratos)

    Potência da T3 é estável. A da T4 varia

    A estabilidade da T3 também é maior que a da T4

    A absorção intestinal da T3 quando ligada á T4 é melhor que da T4 sózinha (95% contra 35-67%)

    Há inibição da conversão da T4 em T3:
    ◾- Com o aumento da idade
    ◾- Deficiências hormonais (deficit de T3)
    ◾- Stress
    ◾- Distúrbios digestivos
    ◾- Déficits de oligoelementos vários (selénio, ferro, zinco)

    Logo se dermos só T4 não suprimimos a quantidade necessária. É curioso observarmos que necessitamos de pequena quantidade que seja de T3 para uma melhor conversão de T4 em T3. Assim suprimos uma quantidade mínima de T3 ao mesmo tempo que favorecemos a conversão da T4 em T3

    A T3 é a hormona mais importante. Não a T4.
    ◾5 vezes mais T3 do que T4 nos tecidos
    ◾É o nível de T3 e não de T4 que determinam a sobrevivência, nos estudos de mortalidade.
    E, para finalizar, a PREGNENOLONA que é, indiscutivelmente, a hormona da memória! A pregnenolona é a primeira hormona “esteróide” a ser formada. As hormonas esteróides são formadas, a partir do colesterol. São elas as hormonas sexuais e da supra-renal.
    A pregnenolona é um neurotransmissor no sistema nervoso, especialmente na área do cérebro, sendo responsável pela memória. É produzida na supra-renal e no cérebro, aonde atinge concentrações muito mais elevada do que no sangue. Com a idade os seus níveis vão diminuindo, como acontece com as outras hormonas esteróides, e vamos perdendo a memória. Em estudos animais experimentais, foi demonstrado que esta hormona também é capaz de reparar lesões nervosas traumáticas, melhorando mesmo as paralisias ligeiras. Outro sinal importante da deficiência de pregnenolona é a redução da “visão colorida” e diminuição do sentido artístico. Fadiga moderada, pele seca, dores articulares e musculares moderadas e redução da mobilidade são sinais comuns a diversas deficiências hormonais. A terapêutica da modulação hormonal carece de análises ao sangue (endocrinologia), sobretudo para se saber os níveis de DHEA, testosterona total e livre, Estradiol e Cortisol…) a fim de se saber exatamente qual o perfil hormonal do paciente. Só depois se fará a prescrição médica do DHEA em conjunto com a pregnenolona, a melatonina, a testosterona, etc. Como não resido no Brasil, não sei como é que os médicos, sobretudo os endocrinologistas ou urologistas, prescrevem estas substâncias se estão proibidas no Brasil, designadamente a melatonina, o DHEA e a pregnenolona. Fica a interrogação.

  2. José António Cunha disse:

    A DHEA é uma hormona segregada pela supra renal com importantes acções no nosso organismo. Primeiro, é capaz de se converter nas hormonas sexuais, mais potentes, e através da sua conversão em androstenediol e androstenetriol é um potente imunoestimulante e antioxidante, protegendo-nos dos radicais livres. Tem ainda uma acção sistémica baixando o colesterol, diminuindo a obesidade, a diabetes, melhorando as doenças reumáticas, osteoporose e hipertensão arterial.
    Pensa-se que a DHEA também tenha receptores próprios nos quais actua protegendo-nos da ateroesclerose.Esta hormona é de longe a hormona mais abundante no nosso organismo, que circula no sangue, ligada a um sulfato. É uma hormona anabólica, ou seja de “construção”. Com a idade, há um desajuste entre as hormonas anabólicas que baixam mais depressa, e as catabólicas, de “destruição”, como o cortisol, que baixam mais lentamente, favorecendo assim um estado catabólico permanente. Há pois que repor os níveis de DHEA, suplementando-os. O tratamento com DHEA melhora a fadiga e baixa qualidade de vida, a depressão, a ansiedade, a perda de memória, Doença de Alzheimer, distúrbios do sono, excitabilidade e potência sexual, entre outros. O DHEA e a Pregnenolona devem ser tomados sempre com o café da manhã e a melatonina, meia hora antes de se deitar nos braços de Morfeu…

  3. valeria bonora disse:

    Boa tarde!!!!!
    Que maravilha esse hormônio! Gostaria de saber se tem algum estudo em relação a Fibromialgia .
    Tenho uma filha que sofre muito com essa doença.
    Aguardo resposta
    atenciosamente
    Valéria Bonora

    • Pode ter sim mas tb teria q avaliar outros fatores como mitoncodria, níveis de cortisol e perfil inflamatório

    • Alexandre disse:

      Olá Valeria, não sou médico, mas como tenho hérnia de disco e que a mesma causa muita dor mesmo se utilizando analgésicos derivados de morfina, fui orientado por um médico para usar um medicamento de nome Lyrica. Me foi informado por esteja médico que o medicamento faria efeito apenas após uma a duas semanas de uso e incrívelmente foi o que aconteceu.
      Informe-se sobre este medicamento que ja li matérias sobre ser a resolução para quem tem fibromialgia.

  4. Maite disse:

    E quando a DHEA aparece como alto?
    Tenho 29 anos, sou mulher e meu resultado deu bem mais alto do que a referência:
    31 – a referência é de 1 a 12.
    Isto é bom ou ruim?
    Obrigada.

  5. Tais Ribeiro disse:

    O meu exame de DHEA deu um valor alto de 45, e o normal é até 12 ng /ml. Eu não tenho SOP. O que pode estar acontecendo? Obrigada

  6. rosangela disse:

    Fiz a dosagem de hormonios na saliva, e o dhea esta baixo, cortisol baixo , melatonina baixo.O m[edico diagnosticou fadiga adrenal grau 4.Me receitou dhea 25mg e melatonina 3mg alem de v[arias vitaminas e um fitoter[apico.Depois e 3 semanas de uso piorei .Os sintomas que sentia pioraram.Insonia de passar a noite inteira acordada,confus’ao mental.Li neste site que usar dhea com cortisol baixo pode piorar o quadro de pessoas com fadiga cronica.O que devo fazer…

  7. Francisco Dourado de Aragão disse:

    Tenho visto na internet vários comentários sobre DHEA, porem só encontro relatos sobre a carência, recentemente fiz um exame que indica que os índices muito elevados, 5 vezes o valor de referencia, não encontrei nada a respeito, nem mesmo o profissional de saúde que consultei me dizer algo a respeito. Gostaria de saber se o senhor pode me dá uma orientação.
    Tenho 54 anos de idade e meu cortisol está dentro dos níveis aceitável.

  8. Vania gois disse:

    Boa tarde
    Tenho hipotiroidismo desde 2001,tomo euthirox,desde o ano passado aumentei de peso do nada mesmo correndo indo a academia comendo direito ,sono excessivo ,sem libido,super irritada,e esse ano perdi a vontade de tudo ,aumentei 10kg ,dai li sobre fadiga adrenal, fiz exames dhea saliva >1440,00 dhea acho q e pelo sangue 6,64 cortisol salivar 0,51,parei de tomar o euthirox por conta propria e o tsh super alto ,o medico mandou voltar a tomar ja estou tomando ,mas nao falou nada sobre esses resultados ,queria saber o q significa se for possivel.
    Obrigada

  9. mary disse:

    Como devo suar o DHEA?Como sei que preciso?

  10. eder disse:

    tenho hiperplasia prostática benigna posso fazer uso DHEIA?

  11. aline graziele serrato disse:

    Meu exame de SULFATO de DEHIDROEPIANDROSTERONA deu um valor de 468,00 ugdl, está muito alto esse valor?

  12. ramos disse:

    Dr. roberto franco gostaria de saber se é necessário tomar DHEA e pregnolona somente em gel ou é mais indicado apenas para DHEA?

  13. Lenia Vieira disse:

    Tenho 68 anos, continuo trabalhando normalmente e torcendo para a aposentadoria compulsória passar para 75 anos. Procuro fazer uma dieta saudável, tenho um médico clínico e naturalista que me prescreveu na última consulta, DHEA 25mg. No exame de sangue o resultado foi 57.68 e o cortisol11.41 medidos no sangue. Uso progesterona bioidentica 25mg à noite por 25 dias no mês há uns 3 anos.Estou um pouco receosa de usar o DHEA. O que me diz de acordo com sua experiência?
    Obrigada

  14. Patricia Leal disse:

    Eu vou fazer a FIV e próximo mes, faço a indução. Eu tenho 42 anos e poucos óvulos. Meu FSH esta de 21. Me falaram que o uso do DHEA aumenta a produção de ovulos e eu estou fazendo uso de 25 mg/dia. Eu gostaria de saber, se o uso do DHEA pode aumentar muito meus niveis de estradiol e adiar o inicio da minha indução?

  15. Evelyn disse:

    Boa noite! Tenho 27 anos e desde os 13 luto contra a acne. Ja usei Roacutan 3x, ja usei espironolactona, todos os cremes e loções possíveis. Fiz um exame nos EUA que indicou meu DHEA 1000. A causa deve ser essa da minha acne…mas qual o tratamento?? O medico la nos EUA so me receitou espironolactona.

    Obrigada!

  16. Eliane Gonçalves disse:

    Eu gostaria de saber se é normal a queda de cabelos ?? estou tomando a 3 meses e meu medico mandou continuar, estou com medo . alguém pode me ajudar?? ele me receitou tomar pantogar pra queda de cabelos

  17. tatiana disse:

    Boa tarde Dr,
    tenho 21 anos e meu DHEA esta 79,2 mcg/dl . Estou com muita dificuldade para emagrecer ,este resultado pode ter relação com esta dificuldade ?!
    Minha testosterona total também esta abaixo do normal : 4,8 ng/dl .
    Sei que consulta online é proibido porem só gostaria de saber se eles podem estar aumentando minha dificuldade e no que eles me afetam
    att

  18. Antônio Antunes Almeida disse:

    Dr. Roberto, boa tarde!
    É claro que você não sabe, mas sou grande admirador do seu trabalho e principalmente da sua atenção com todos aqueles que lhe solicitam uma informação.
    Na verdade o que pretendia não era lhe perguntar nada apenas lhe parabenizar por esse trabalho tão importante que a população está carente em demasia. Não é que não queiram se tratar, não sabem a quem recorrer qual a especialidade que irá resolver o seu problema, por essa razão ficam desorientadas e acabam por ficarem sem tratamento. Com esta ajuda tão maravilhosa sua e de outros profissionais também sensatos que fazem da medicina um sacerdócio e de bom alvitre que fique aqui registrado o meu reconhecimento por tão nobre trabalho.
    De qualquer forma não vou deixar de aproveitar essa oportunidade que lhe servirá de exemplo.
    Tenho 63 anos e tive 4 infartos, a partir dos 38 anos, um de dois em dois anos. Coloquei um stent e a partir daí comecei a viver uma vida diferenciada daquela que sempre vivi. Era um monte de remédio todos os dias, Aspirinas, bloqueadores, estatinas e um monte de recomendações. Faz dois anos que dei uma guinada em tudo. Como Tenho genro cardiologista imagine a minha situação: tinha que seguir piamente o que ele me dizia senão minha filha até brigava comigo. Resolvi nos últimos doze anos estudar dia e noite por conta própria, nutrição e medicina pós-genômica, e doze anos após aprender muita coisa, hoje sou totalmente diferente de como estava. Abandonei definitivamente todos os remédios mesmo contra ordem do meu genro. Nunca mais coloquei em minha boca nenhum fármaco. Mudei a minha alimentação tirei o trigo seguindo as orientações contidas no livro “barriga de trigo” do Dr. William Davis, nunca mais tomei nem uma gota de leite e nada lácteo. Tirei todo óleo vegetal da minha boca, somente gordura de porco e óleo de coco para as frituras. Nunca mais tomei nem uma gota de refrigerante e nem suco algum. Tomo água preparada por mim com PH 9,3, aprendi a tomar café sem açúcar com biscoitos de polvilho, quebra-quebra e bolo de fubá feito com gordura de porco, somente sal integral, na verdade usava o sal do Himalaia, mas como é muito caro optei comprar na cooperativa agrícola sal moído de dar para o gado que faz o mesmo papel em questão de nutrientes, sem me colocar no risco de comer cloreto de sódio tratado de sal refinado, que contém Hexano e até (Silicato Aluminato) pó de vidro para dar maior brilho no produto, mas no entanto causa as tão perniciosas inflamações silenciosas do endotélio. precursoras do temido infarto. Nada de tempero de pacotinho de supermercados, apenas alimento de temperos naturais e mais um monte de práticas saudáveis que mudaram a minha vida.
    Hoje sou um cara saudável, tomo apenas suplementos naturais, faço academia três vezes por semana, não tenho mais nem uma grama de barriga, massa muscular apresentável. Fiz 43 exames de sangue e 13 de saliva, tudo por minha conta própria através dos meus estudos. Analisei um a um e em alguns tive dúvida e como não sou um imbecil procurei um médico especializado na área que ajustou alguns dos produtos que eu estava usando e me recomendou mais alguns.
    Uma coisa que me chamou a atenção e que me fez procurar o médico era que eu já tomava solução de Lugol há bastante tempo e tinha uma temperatura antes de levantar de 35.9 e quando fiz o exame de sangue o TSH estava em 25000 o T4 abaixo do mínimo e T3 no quartil inferior, entendi a minha tireoide estava parada. Realmente estava certo, o médico me indicou T4 e T3 24×6 e me aconselhou a parar por três meses o Lugol.
    A pergunta que aproveito para fazer é a seguinte: será que a minha tireoide voltará ao normal uma vez que faço toda suplementação hormonal dentro dos parâmetros técnicos recomendados? O nobre doutor conhece algum caso de reversão total a ponto de não mais precisar tomar T4 e T3 na sua vida clínica?
    Essa é a minha dúvida que não indaguei na ocasião.
    Grande abraço.

    • Muito obrigado pelas palavras Antonio, são depoimentos como o seu que nos motivam cada vez mais em continuar disseminando informações mesmo sob pressão de orgãos regulatórios. Quanto a sua dúvida, pode ser que sim, pois o Lugol estava jogando oTSH para cima, coisa que pode acontecer como imagino que já saiba. Mas apenas o tempo dirá isso Antonio, alias se tiver que tomar o resto da vida para normalizar sua função tiroidiana, não vejo problema algum, o que importa é manter sua saúde do jeito que está. Independente disso, faça manejo deste hormônio sempre com auxilio profissional. Abraços

  19. ozias disse:

    dr roberto estou ja no quinto medico tenho baixa testosterona , consequentemente todos os sintomas de fadiga adrenal desanimo memoria ruim apatia … meus resultados de exme sao este testosterona livreTESTOSTERONA LIVRE
    Resultado : 4,70 ng/dLMaterial : sangue
    TESTOSTERONA
    Método : Quimioluminescência Amplificada – VITROS 5600 (Johnson &)
    Resultado : 500 ng/dL dhea 175dg/ul fsh2,32 mhi/ml estrona 36PG/ML ESTRADIOL 20 PG/ML
    CORTISOL 8H 5,3NMOL/L 12H 4,0 15H 2,5 22H 2,4 QUAL DIAGNOSTICO VOCE DARIA PRA ESTES RESULTADO , ESTOU SUPLEMENTANDO TESTO EM GEL HA 3 MESES , MAS OS MEDICOS DA DE RIO DAS OSTRAS ESTAO MAL INFORMADOS AI TENHO QUE FICAR PEDINDO EXAMES SE NAO NAO PASSAM

  20. Daniele Rodrigues disse:

    Ola, boa tarde
    Tenho 38 anos e pretendo engravidar, fiz tireoidectomia total e desde 2013 estou com níveis baixíssimos de DEHIDROEPIANDROSTERONA, SULFATO, SORO 29 microg e DEHIDROEPIANDROSTERONA, SORO 58ng/dl, sou professora de fitness e estou muito acima do peso, cansada , perece que tenho 80 anos. Como pretendo engravidar com energia e com peso normal, eu posso fazer uso desse hormônio, não vai prejudicar na minha gestação? Obrigada Dr. O Sr. não atende em São Paulo?

  21. Vânia Castanheira disse:

    Boa noite Dr Roberto!
    Tenho muita dificuldade em perder peso , mesmo fazendo dieta e exercício.
    Tenho facilidade no ganho de massa magra, mas dificuldade na perda de massa gorda!
    Me falaram que o DHEA ajuda a perder peso , e a secar? É verdade? Quais os efeitos colaterais?
    Grata por sua atenção

  22. orlando sousa de campos disse:

    DHEA VENDIDO NA NET É CONFIAVEL?

  23. Ricardo Montebelo disse:

    Olá!
    Tenha 40 anos e passei pela primeira vez com uma médica endocrinologista… todos os exames hormonais estavam normais, exceto s-dhea que deu 32. Porém, a médica disse que não tem o que fazer pq a reposição desse hormônio no Brasil é proibido pela anvisa. E como fica então? Vi que o Dr. atende em Campinas, gostaria de passar por uma consulta.

  24. Joseane A. Antunes disse:

    Olá, eu tive um tumor que afetou a hipófise, faço reposição pra tireoide e cortisol, também estou com o testosterona muito baixo, e será que posso suplementar com DHEA?
    agradeço pela atenção

  25. Roberta disse:

    Tenho 21 anos, e desde o início da puberdade lido com o hirsutismo. Fiz uma ecografia recentemente que apontou alguns cistos nos ovários. Mas que segundo a médica que realizou o exame não indicam SOP. Meu dhea está em 424 ug/dl.

    Mesmo com a presença de Cistos Ovarianos, e dhea alto, não se configura SOP? Qual poderia ser a causa de dhea alto relacionado a hirsutismo mas sem SOP?

    Obrigada, desde já.

    • Não preenche toso critérios de SOP mas o seu quadro é classico tendo em vista a virilização e a abordagem terapeutica tem que ser a mesma. No caso,a abordagem tradicional trata com anticoncepcionais ou bloqueadores androgenicos. Na abordagem meais funcional, sensibilizamos a insulina e equeilibramos comprogesterona o excesso de hormonio masculino. Esse nível de dhea é compatível com a idade, imagino que o problema esteja na dieta com muitos carboidratos e açucares

  26. rafaela disse:

    Boa tarde dr. Roberto

    Tenho 44 anos e tomo DHEA há uns 6 anos. Ocorre que se deixo de tomar alguns dias, sinto um cansaço inexplicável, abusurdo mesmo, em algumas partes do dia.
    Sinto como se meus olhos estivessem quentes, fico totalmente apática, preciso ficar quieta e de olhos fechados (mas não sinto sono), preciso “sair um pouco do ar”. Depois de 30/40min começo a melhorar.
    Já conversei sobre isso com alguns médicos (endócrino, clinica geral, cardiologista e hematologista) e nenhum soube me explicar a relação entre o que sinto e a falta de dhea.
    O senhor já soube de algo parecido?

    muito obrigada, Rafaela

    • Sim, vc pelo visto tem deficiÊncia deste hormÔnio como alguÉm que tenha hipotiroidismo. Quando não usa o hormônio se sente cansada. Este tipo de cansaço é bem típico da adrenopausa (falta de dhea)

  27. Claudia Barreto disse:

    Bom dia dr. O meu Dhea deu muito alto 1400 sendo que para a minha idade tinha que ser no máximo até 870 tenho 38 anos. Li na internet que dhea alto pode ser câncer nas adrenais estou desesperada fiz uma tomografia das adrenais e não deu nada. O que pode ser dr. ?

  28. Rosângela Regia disse:

    Dr.Roberto
    Tenho 59 anos e minha ginecologista me receitou DHEA,50 mg por dia.Pesquisando sobre o DHEA cheguei no seu site e diante de tanta informação e tamanha credibilidade resolvi colocar uma questão. Muitas pessoas falam que devemos dar uma pausa de 5 dias após 25 dias de uso direto do DHEA,é necessária essa pausa ou podemos tomar sem pausa.Como vou demorar a voltar na minha médica,decidi me informar aqui mesmo.
    Agradeço muitíssimo a sua resposta como também o serviço maravilhoso que o dr.vem prestando a comunidade com suas informações preciosas.
    Um abraço e que Deus o ilumine sempre.

  29. silvia disse:

    Dr que efeitos colaterais pode causar o DHEA? O meu está baixo e sofro de fadiga. Porém tenho receio de tomar hormônio,embora o médico tenha receitado…

  30. Vanenis Morelatto disse:

    Dr. Tenho uma filha com 11,5 anos e o exame de DHEA SO4 deu 86,0 ug/dL, quando a referência seria de 1 a 12, nos demais exames tudo bem.

    Ela é bem baixinha 1,32m , daí a nossa preocupação. Alguma relação.

    Att.

    Vanenis

  31. Liliany disse:

    ola doutor,fiz uma consulta com uma dermato, q solicitou um monte de exames, e nela o dhea deu baixíssimo, 1.3 tenho 32 anos..a medica disse q essa reposição de dhea soh eh vendida no exterior, isso eh verdade?

  32. Sinara disse:

    Dhea e pilula anticoncepcional? Algum problema ?

  33. rita disse:

    Olá, minha filha de um ano de diade fez alguns exames na tentativa de investigar puberdade precoce. no exame de DHEA dela, o valor veio inferior a 3…. o retorno dela está marcado com a endocrino, mas estou bem preocupada por estar fora da referência…. está baixo mesmo pela idade dela??? agradeço muito se responder…

  34. Daniel Pedrosa disse:

    Boa noite Dr Roberto,

    Me chamo Daniel, estou estudando para concurso. Estou avaliando alguns noontrópicos, e reparei que muitos deles contém em sua composição o DHEA com faixas de 25mg/dia. Essa dosagem tem potencial para fazer mal a alguma pessoa?

    Fortíssimo abraço.

  35. Sinara disse:

    Dr. Roberto,
    Tenho 44 anos e tomo anticoncepcional (yas). O dhea 25mg pode afetar a eficácia da pilula ou posso tomar dhea sem essa preocupaçao?

  36. Sinara disse:

    Dr. Roberto

  37. Jonemarcio Ribeiro disse:

    Bom dia Dr>
    Muito bom seu blog, parabéns.
    Minha mãe esta tomando DHEA 25mg/dia à 4 meses, ela tem 52 anos e a sua menstruação parou a 3 anos e agora ela resolveu aparecer. Será um efeito colateral do suplemento? Ela tem sentido de forma esporádica dores nos mamilos.
    Mas antes disso vinha em melhoras constates, de humor, com boas noites de sono, a pele ficou mais limpa, uma melhora considerável guando se compara com os tratamentos de menopausa convencionais.
    O senhor pode me dar uma dica?

    • Como DHEA se transforma em estradiol pode ele causar os sintomas relatados mas caso não incomode não velo problema algum pois estradiol ela produziu a vida inteira – assim como perdeu sangue uma vez por mês e tinha sensibilidade nos mamilos

  38. Marcos disse:

    O Homem corre algum risco de redução de fertilidade tomando DHEA? Pode reduzir a chance de engravidar minha esposa tomando?

  39. Mayana disse:

    Bom Dia Dr.!

    Fiz exame de rotina e deu para o Sulfato de Dehidroepiandrosterona (SDHEA) – 403 mcg/dL sendo que a média para a minha idade seria 23 – 266 mcg/dL, tenho 32 anos e sou mulher, levei na minha médica e ela pediu que refizesse esse mesmo exame e agora deu Sulfato de Dehidroepiandrosterona (SDHEA) – 389 mcg/dL, média 23 – 266 mcg/dL. Pratico atividade física, não sou uma pessoa que fico doente constantemente e no geral me sinto muito bem. Esse resultado é algo ruim? Devo me preocupar? Por favor, gostaria de uma opinião do senhor! Obrigada desde já.

    • Se vc não apresente quadro clínico condizente com excesso de hormonios masculinos, não tem com que se preocupar, pelo contrário,alguns estudos mostram que longevos tem DHEA mais elevado

  40. pedro duran disse:

    Dr. Roberto parabéns pelo seu conhecimento sobre o DHEA, conversei com alguns médicos que desaconselharam seu uso. sera que isto ocorre por falta de conhecimento desses médicos sobre o DHEA, ou existe restrições.
    Alguns amigos já tomam o DHEA ha algum tempo e se sentem muito bem, principalmente quanto a libido. Tenho 68 e boa libido, boa memoria, mas a pele apresenta aparência envelhecida.
    O sr. acha que devo tomar o DHEA 25 ou 50 mg ao dia?
    obrigado
    Pedro

    • Não posso orientar alguém a tomar algum hormônio pela internet. Antes de qq coisa, precisa – se de uma avaliação clínica, exame físico, dosagem de SDHEA e de outros marcadores para ser usado com segurança

  41. Tarso disse:

    Excelente texto , me tire uma dúvida , qual diferença entre o Dhea e o Sdhea ???

  42. Gli disse:

    Dr. Roberto qual seria a “faixa ótima”, dentro do valor de referencia para o exame de DHEA para mulheres na faixa dos 32 anos sem uso de anticoncepcional? Pergunto porque eu fiz o exame e o valor obtido foi de 1,9 ng/ml (valores de referencia 1,7 ng/ml a 6,1 ng/ml). Acredito que poderia ser melhor para a minha idade! Agradeço desde já!

  43. Targino disse:

    É possível uma mulher de 20 anos ter dhea baixo?

  44. Rafael disse:

    Dr. Roberto,

    Antes de tudo gostaria de parabeniza-lo pelo excelente trabalho de disseminação à informação e conscientização. Quais sãos as diferenças básicas entre o DHEA e 7-keto?

    Obrigado!

  45. Marinete Mafra disse:

    Boa tarde Dr. Roberto Franco do Amara

    Eu estou com um tumor na Hipófise, pois estava com os níveis de prolactina muito alto, agora depois de três meses tomando o remédio Dostinex 5mg, fiz novos exames de sangue e a prolactina baixou está normal, porém o nível do Sulfato de Dehidroepiandrosterona está elevado para minha idade 366 mcg/dl (45 anos). O Sr. poderia me informar se estou com algum problema ainda mais sério?? Por favor Doutor.

  46. Bel disse:

    Dr. Boa tarde … pessoas com alopécia androgênica podem fazer uso de grãos de feno grego?? (Feno Grego – Como funciona ?
    Fenacho (50% Saponina Furostanolic – Fenuside)
    Esta erva contém uma elevada quantidade de saponinas furostanólicas, para elevar testosterona através
    de aumentos na quantidade de LH (hormônio luteinizante) e DHEA (dehydroepiandrosterone).

    Saponina Furostanolic – Essa substância estimula a Hipófise a liberar o Hormônio Luteinizante (LH),
    que vai agir nos testículos aumentando a produção de Testosterona. As Saponinas Furostanolic também
    vão agir nas Glândulas Adrenais, estimulando a liberação de 5-Dehydroepiandrosterone (DHEA) que por
    sua vez também vai aumentar a produção de Testosterona.)
    Ele teria o poder de aumentar o DHT e assim acelerar a calvície ?? Comprei feno Grego para aumentar meu peso, já que sou magrinha … mas, pesquisando na internet vi artigos como esse daí entre parêntes e coloquei um trecho aqui … pelo que li, desanimei, pois tenho sim queda de cabelo … ou seja, acho que não usarei … dê uma luz aqui … muito obrigada, aguardo resposta.

    • Marinete Mafra disse:

      Obrigada Dr.,

      Meu plano de saúde não cobril mais o endocrinologista que estava tratando do meu problema, tive que pagar particular, e o meu novo médico aumentou a dose de remédio Dostinex 5mg, que anteriormente eu estava tomando meio comprimido por semana, e agora passei a tomar dois comprimidos por semana. Pois conforme orientação do meu novo médico ele disse que meio comprimido é insignificante para diminuir o tumor, só vai reduzir o hormônio, e que a dosagem do remédio deve ser para que suma esse turmo, e eu vou fazer o tratamento com o remédio durante um ano, para que possa fazer outra ressonância e ver se o tumor que está medindo 0,4 cm, está menor ou não.

      Ando muito preocupada Dr. pois tenho muito medo de ter que fazer uma interversão cirúrgica, pois pelo o que já li a respeito, se trata de uma cirurgia muito complicada, e eu gostaria de saber, se não diminuir esse turmo, existe outro tipo de tratamento mais seguro que a cirurgia?? O que devo fazer Dr. .. Por favor me oriente, pois quanto mais eu ficar sabendo sobre as possibilidade de tratamento para esse tumor, sei que me sentirei mais segura.

      Desde já, obrigada Dr.

  47. erick disse:

    doutor. estou tomando o dhea a mais de 2 semanas, e a não consigo mais durmir direito, ja virei a noite sem dormir e sem sono nenhum. sera efeito do dhea ? pois só estou tomando ele no momento…obg

  48. Roberta disse:

    Dr, Roberto,

    Há alguma relação entre DHEA e Melasma?

    Uma luta duvida, li acima que 7 keto não vira estradiol e testosterona. Como ele atua?

  49. MICHELE DA SILVA CORDEIRO disse:

    Boa tarde.

    Tenho ovário policístico e um sonho de engravidar, fiz exames e meu DHEA-S deu 163 e o valor de referencia era ate 10 tenho 30 anos , não lembro da unidade de referencia agora mas a endocrinologista me passou glifage de 500 pra tomar 2 vezes ao dia e pediu para emagrecer, parei meu anticoncepcional em maio e ate agora minha menstruação não veio.Como faço para baixar esse hormônio ? pelo que entendi baixando ele tenho mais chance de engravidar né isso?

  50. Diego disse:

    Boa tarde dr. Fiz um exame de Sulfato de dehidroepiandroesterona e o resultado foi de 601 ug/dl tenho 29 anos, esse resultado é normal?

  51. Patricia ribeiro simeao disse:

    Dr meu resultado de DHEA deu 2,8 ng/mL tenho 38 anos e 3 tentando engravidar esse valor e bom

  52. Camile Melez Nunes disse:

    Boa noite,

    Tenho uma filha de 13 anos com atraso cognitivo e na fala. Ela tem quase todos os hormônios altos (OH progesterona, OH pregnenolona, DHEA, SDHEA, testosterona, … ). Pode ter relação da alteração desses hormônios com o atraso?

  53. ricardo do amaral osta disse:

    BOA NOITE Dr Roberto,

    Recentemente fiz exames e meu dhea sufato deu baixo, minha testosterona livre e geral tambem baixo,
    para repor o dhea que ao que me parece não ha necessidade de receita ,pois é encontrado como suplemento,

    pergunto , só existe este meio de repor o dhea sulfato ou existe algum medicamento farmaceutico proprio

    e se precisa de receita ja que a testosterona precisa de receita.

  54. Morgana disse:

    Boa tarde, tenho 33 anos e o resultado do meu exame de DHEA SO4 foi 472 microgramas/dL. Todos os demais resultados do hemograma foram ótimos, exceto o nível de vitamina D-25 Hidroxi que está bem baixa (16ng/mL). Devo me preocupar?

  55. Lígia disse:

    Olá Dr. O Senhor poderia me tirar uma duvida?
    Eu tenho 21 anos e estou com SDHEA a cima do normal 361 ug/dl. No exame diz que teria que ficar entre 51 a 321 ug/dl. O que poderia ser?
    E estou c COLESTEROL HDL LIPOPROTEINA e PROLACTINA um pouco alterado tb. Já marquei consulta mas fiquei um pouco nervosa c os resultados, se vc poder dizer algo, agradeço.

  56. solange alves pacheco disse:

    DR BOA TARDE !! Sou mulher TENHO 45 ANOS E ESTOU COM SOBREPESO ,FIZ O EXAME E DEU 607,6 UG/DL e a media para minha idade
    seria 60.9-337 ug/dl o que isto quer dizer , pois o resultado deu muito alto

    Obrigada

  57. Reginaldo disse:

    Boa tarde, tenho 46 anos e meu S-DHEA deu 48 ng/dl, abaixo portanto da faixa de 80 a 560 ng/dl. É possível aumentar o DHEA com o uso de Pregnenolona, sem recorrer a administração de DHEA diretamente? Em caso positivo, o paciente deverá usar a Pregnenolona pelo resto da vida ou o corpo retomaria a produção normal do DHEA?

  58. Reginaldo disse:

    Para aumentar o DHEA quando necessário ao paciente, os tratamentos se valem mais da reposição do DHEA ou da Pregnenolona? Ou tanto faz?

  59. Fabiano disse:

    Olá Dr. Roberto.
    Escutei alguns relatos de que o Dhea, converte testosterona em estradiol em homens, chegando a acomete-los numa possível ginecosmatia.
    Isso é verdade?
    Outra dúvida seria, qual o período em média que uma pessoa pode fazer uso do DHEA, se ele é um hormônio .
    Obrigado

    • Sim, é verdade, por isso que precisa de acompanhamento médico para o devido uso. Quanto ao período,é indeterminado e pode variar conforme o motivo do uso mas se for para fins anti aging, é a longo prazo.

      • Reginaldo disse:

        Dr. Roberto, o uso concomitante de Indol 3 Carbinol com o DHEA evitaria a aromatização da testosterona, evitando que ela seja convertida em estradiol?

  60. Roberto disse:

    Meu Sulfato de DHEA e DHEA e Testo total estao baixo tenho 44 anos sexo masculino , devo fazer uso de DHEA para repor ? Esse uso de DHEA corrige o Sulfato e a TEsto ? venho ganhajndo peso nos ultimos meses !

  61. selma disse:

    Olá Dr. Roberto.
    Tomo Dhea 25mg, há 6 meses 5 vezes por semana e desde de então surgiram espinhas, pele,cabelo mais oleoso e com queda. Se eu mudar o dhea para o 7 keto 50mg terei alguma melhora?

  62. Sebastião disse:

    Ola Dr, saberia me dizer, em média, qual seria a taxa de absorção pelo organismo do DHEA via oral ? Ouvi dizer que é baixa, se caso for, justifica tomar uma dose maior por causa dessa possível má absorção ?

  63. Ellen disse:

    Boa Noite Dr Roberto! Gostaria de uma ajuda sua, vou tentar resumir, tenho 30 nos. não tomo pilula tem dois anos, e em 07/2015 eu fiz alguns exames de rotina, e o TSH, T4, T3 etc estavam normais!
    Pois bem, recentemente tomei lugol por um tempo, uns três, quatro meses, tomava 6 gotas por dia do Iodo a 5%, todos os dias, e em setembro refis os exames e deu uma alteração em alguns valores, em 07/2015 o T3 deu 2.9 agra deu 1.28 o T4 deu 1.1 e agra deu 0.80 GB, o TSH deu 2.03 e agra deu 6.99, o LH deu 5.4 agra deu 10.85 o FSH deu 3.6 e agra deu 9.91, acido fólico antes deu 11.2 e agra 12.78, estradiol deu 128.6 agra deu 56.00 o meu DHEA está 183,50 e o ultrassom da tireoide revelou um nódulo, enfim eu levei os exames ao endocrinologista e ele me informou que o nódulo era pequeno e normal, mta gente tem, que não tem problema nenhum ter nódulos na tireoide e me receitou o levoid 50, disse que terei que tomar pra sempre pois estou com hipotireoidismo subclínico, e pediu exames para anticorpos, anti tpo e anti tireoglobulina, porém para que eu realizasse daqui 40 dias, já usando o medicamento, a pergunta é, o lugol pode ter causado essa alteração no TSH????? Eu posso não ter Hipo??? Fiz os exames hj, de anticorpos, contrariando o médico, e farei dnvo daqui 40 dias, mas segundo ele, não terei como escapar do remédio. Estou mto assustada pois minha mãe tem hipo, e é horrível, e vi que causa dificuldades para engravidar, e eu ainda não tenho filhos mas pretendo te-los. Sei que o Senhor não dá consulta online, e ñ é este o meu objetivo também, mas marquei mais de um Endócrino e eles não sabem me explicar, apenas dizem que não tem problema nenhum e mandam tomar remédio. Ficarei muitoooooo grata se o Dr. me ajudar! Pois não confio muito em médicos de convênio! Obrigada desde já!!!

  64. Ellen disse:

    Boa tarde Dr. Meu exame de SULFATO DE DEHIDROEPIANDROSTERONA (SDHEA) deu 183,50, está baixo? tenho 30 anos.

  65. Claudia disse:

    Boa tarde Dr Roberto, Gostaria de saber o porquê da discrepância no parâmetro usado? de 51 até 321, de 18 até 391, etc.
    Fica muito difícil saber se está baixo ou normal.
    O meu deu 4,0 eu estou na faixa dos 50 anos.

    IDADE/ANOS – HOMEM ———— MULHER
    18 – 20 —–> 24 – 537 mcg/dL —- 51 – 321 mcg/dL
    21 – 30 —–> 85 – 690 mcg/dL —- 18 – 391 mcg/dL
    31 – 40 —–> 106 – 464 mcg/dL — 23 – 266 mcg/dL
    41 – 50 —–> 70 – 495 mcg/dL — 19 – 231 mcg/dL
    51 – 60 —–> 38 – 313 mcg/dL —- 8 – 188 mcg/dL
    61 – 70 —–> 24 – 244 mcg/dL — 12 – 133 mcg/dL
    Maior 71 —> 5 – 253 mcg/dL —- 7 – 177 mcg/dL

    Dehidroepiandrosterona
    Masculino: 3,0 a 11,0 ng/mL

    Feminino: 1,0 a 12,0 ng/mL

  66. Reginaldo disse:

    O uso de DHEA pode interferir na produção natural de testosterona pelos testículos? Se o indivíduo tiver niveis de DHEA abaixo do limite e testosterona dentro do limite, o uso do DHEA pode fazer com que os testísculos diminuam a produção normal?

  67. edmara disse:

    o dhea ajuda a aumentar a testosterona?

  68. Edmara disse:

    Meu dhea deu 1.3 tenho 40 anos e não consigo perder peso , unha fraca ,libido baixo muito sono,cansada minha testosterona deu 13 tenho q fazer reposição hormonal?

  69. roosevelt gama disse:

    muito bom!!!

  70. fernanda disse:

    meu tsh deu 4.47 colesterol ldl 131.54 t4 1.04 testosterona total 13 dhea 13
    tenho unha fraca baixa libido cansaço ansiedade mudanca de humor meu endocrino disse que estou com hipotireoidismo me passou levoid de 25mg eu devo pedir uma outra opiniao ou o diagnostico é esse mesmo,pois um diz que é hipotireoidismo e outro disse que nao.

  71. Israel disse:

    OLA ME CHAMO ISRAEL. DR ROBERTO, PARABÉNS PELO MAGNÍFICO TRABALHO QUE O SR REALIZA.
    SE POSSIVEL GOSTARIA DE LHE FAZER UMA PEEGUNTA: SERIA PREJUDICIAL DAR
    A SOLUCAO DE LUGOL A 2% 1 GOTA DIA SIM DIA NAO, A UMA CRIANCA MENOR
    QUE 6 ANOS DE IDADE? .
    O CLORETO NE MAGNESIO TRANSDERMICO EM PASSADO EM CRIANCAS PREVINE MESMO A CONVULSAO?

  72. Kyra disse:

    Ola dr !
    Estou tomando Dhea 5mg indicado pelo meu médico, para melhorar libido , cabelo e massa magra. Tenho 38 anos e estou tomando a 15 dias.
    O que me me preocupa é que deu um shedding no meu cabelo e fiquei com uma tpm horrivel.
    Issoé normal até que o organismo se adapta ao hormonio? Isso deve passar?
    Obrigada

  73. A. Miranda disse:

    Olá Dr. Roberto
    Gostaria de saber qual tipo é indicado para uso em mulheres o 7-keto ou o DHEA ?
    Quais formas e vias de suplementação existente no mercado e se encontra aqui no Brasil outra forma que não seja a via oral ?
    Ouvir dizer que existe uma dosagem máxima para a prescrição em mulheres e que elas não devem utilizar todos os dia é verdade ?
    No aguardo…

  74. Poliana Amaro disse:

    Doutor me chamou Poliana estou com uma dúvida minha menstruação e desregulada só desce com medicamentos meu exame de sulfato de dehidroepiandrosterona deu alto 781,7 estou tentando engravidar a 6 anos e não consigo será que o resultado desse exame e a causa?

  75. luiz eugenio gama da silva disse:

    edmara disse:
    11/10/2016 às 3:48 AM

    o dhea ajuda a aumentar a testosterona?
    Responder

    Dr. Roberto Franco do Amaral Neto Dr. Roberto Franco do Amaral Neto disse:
    11/10/2016 às 3:37 PM

    Em mulheres sim!

    – See more at: http://www.robertofrancodoamaral.com.br/blog/envelhecimento/dhea-saiba-mais-sobre-a-precursora-de-varios-hormonios-importantes-do-corpo#sthash.N7EvtrrI.dpuf

    Boa noite,
    Dr, o Sr. disse que em mulheres sim, e em homens como ficaria.
    Um abraço fraterno.

  76. Eudoxia F. disse:

    Caro Dr. Roberto
    Tenho 53 anos. Meu DHEA esta 1.5ng/mL e meu SDHEA esta 7.0 ng/mL. Os dois muito baixos. Tenho asma controlada com Singulair , Fluir, Oximax mas sempre tenho tosse. e secrecao. Faco exercicios diariamente como: musculacao, aerobicos variados, corro na areia mas fico muito cansada, e as vezes muitas caimbras a noite. Sinto os musculos fracos mesmo pegando peso. Sou magra e como bem saudavel. Tambem uso medicacao para hipertensao desde 26 anos e nunca tive problemas de coracao . Tomo tambem remedio para ansiedade. Minha cardiologista recomendou tomar o DHEA, mas a ginecologista disse que nao devo tomar. Fiquei com medo e como ja temo muitos remedios nao comprei. Gostaria de uma opiniao sua. Muito obrigasda.

  77. pablo disse:

    BOA TARDE
    O DEAH SE TOMAR TODOS OS DIAS PELO UM PERIODO DE 1 ANO TEM PROBLEMA??? A PESSOA FICA DEPEDENTE?????

  78. Joao disse:

    Bom dia Dr. , o senhor atende pela unimed ?

    Tenho 26 anos cansaço excessivo já fui no endócrino ele só passou exames de testosterona total, cortizol, tsh e mais uns 2 hormonais deu tudo normal e ele disse pra mim descansar e fazer atividades físicas que ia melhorar, só que isso eu sempre fiz, acho que ele deveria ter solicitado mais exames pois não custa nada.

    Obs: já fiz o uso de anabolizante indiscriminado há mais de 5 anos, relatei ao médico, na minha opinião mais um motivo para ter investigado melhor.

  79. Martha disse:

    Tenho 50 anos, uso DIU mirena, exforge 360 para pressão e tenho o colesterol alto. Me sinto muito cansada e sonolenta. Gostaria de melhorar o cognitivo. Teria alguma contraindicação tomar polivitaminico que contenha DHEA em sua composição?

  80. Janine Galvao disse:

    Dr. Roberto
    Tenho 39 anos e fiz o exame sdhea e deu 57 mcg/dl, gostaria de saber se deu normal.

  81. Erica Siqueira disse:

    Olá Dr. Fiz exames hormonais pq ano passado fiquei 3 meses sem menstruar, porém em Janeiro voltou e está bem regular. Todos os exames deram ótimos menos o sdhea, esse deu 550, fui pesquisar e vi que pode ser um tumor nas glândulas adrenais, estou desesperada. Gostaria de saber se pode ter outros motivos para estar alto, e a única coisa q sinto é queda de cabelo, o q já tive no passado e parou soZinho. Obrigada pela atenção.

  82. Rodrigo disse:

    Doutor, fiz exame de testo livre e deu x, biodisponível deu x, livre deu x, shbg deu x. Tenho 36 anos (homem), pratico atividades físicas diárias (2 x/dia – musculação e arte marcial). Me disseram que suplementando DHEA, diminuiria o SHBG e consequentemente aumentaria a testo livre, que, apesar de dentro dos parâmetros normais, está baixo. Disseram ainda, que se tomar Sal Palmetto, evitaria problemas na conversão em DHT (pela interação com a enzima 5HalfaRedu…). Isso é verdade? existe algum fitoterápico conhecido para evitar a aromatização (evitar ginecomastia)? Grato pelos esclarecimentos.

  83. Rodrigo disse:

    Exame citado acima: Testo total: 656,41 ng/dl; Livre: 5,30 ng/dl; Biodisponível: 124,35 ng/dl; SHBG: 119,32 nmol/l.

  84. Alciane disse:

    Olá Dr. Roberto
    Gostaria de saber qual tipo é indicado para uso em mulheres o 7-keto ou o DHEA ?
    Quais formas e vias de suplementação existente no mercado e se encontra aqui no Brasil outra forma que não seja a via oral ?
    Ouvir dizer que existe uma dosagem máxima para a prescrição em mulheres e que elas não devem utilizar todos os dia é verdade ?
    No aguardo…

  85. JOSE ROBERTO DE SOUZA disse:

    DR. Meu urologista pediu um exame de sangue por nome DEHI e o resultado deu 1,2 ng/ml
    está normal ?? tenho 64 anos e sou praticamente sedentário, pois não corro, não ando e muito
    menos faço qualquer atividade física que me impede por ter artrose de quadril.

    agradeço sua atenção em uma resposta o mais breve possível.

    att

    Jose Roberto de Souza

  86. Sebastião Carvalho disse:

    Dr. Roberto, estava usando DHEA de 50 mg. Ussei por duas semanas. Sofri um AVC isquêmico. Você acha que o uso pode ter tido influência no ocorrido? Obrigado!!

  87. Martins disse:

    Boa noite. Após uso de dhea nem 10 comprimidos de 25mg reparei grande queda de cabelo e pequena falha frontal sou mulher e tenho 41 anos parei de tomar tem como reverter?
    Solicito contato urgente pois não consigo contato com médico que indicou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *