dopamine2

 

A dopamina é um neurotransmissor fundamental para a motivação, foco e produtividade. Conheça os sintomas da deficiência de dopamina e formas naturais para aumentar os seus níveis.

Existem cerca de 100 bilhões de neurônios no cérebro humano – tantos quanto as estrelas da Via Láctea. Estas células se comunicam entre si através de substâncias químicas do cérebro chamadas neurotransmissores.

A dopamina é o neurotransmissor responsável pela motivação, impulso e foco. Ela desempenha um papel em vários distúrbios mentais, incluindo depressão, dependências, transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) e esquizofrenia.

Vamos dar uma olhada na dopamina – o que faz, sintomas da deficiência e como aumentá-la naturalmente.

Dopamina: A molécula da motivação

A dopamina tem sido chamada de nossa “molécula da motivação.” Ele aumenta o nosso direcionamento, foco e concentração. Ela nos permite planejar com antecedência e resistir aos impulsos, para que possamos alcançar nossos objetivos. Nos dá a sensação do “Eu fiz isso!” quando realizamos o que nos propusemos a fazer. Faz-nos competitivos e proporciona a emoção da “caçada” em todos os aspectos da vida – negócios, esportes, amor…

A dopamina é responsável pelo nosso sistema de prazer e recompensa. (1) Ela nos permite ter sentimentos de prazer, felicidade e até mesmo euforia. Mas pouca dopamina pode deixar-nos fora de foco, desmotivados, apáticos e até mesmo deprimidos.

Molécula da Dopamina

 

Os sintomas de deficiência de dopamina

Pessoas com baixas concentrações de dopamina carecem de entusiasmo pela vida. Elas apresentam baixo consumo de energia e motivação e muitas vezes dependem de cafeína, açúcar, ou outros estimulantes para passar o dia.

Muitos dos sintomas comuns da deficiência de dopamina são semelhantes aos da depressão:

  • Falta de motivação
  • Fadiga
  • Apatia
  • Procrastinação
  • Incapacidade de sentir prazer
  • Baixa libido
  • Problemas de sono
  • Mudanças de humor
  • Desespero
  • Perda de memória
  • Incapacidade de se concentrar

Ratos de laboratório deficientes em dopamina tornaram-se tão apáticos e letárgicos que faltou motivação para comer e morreram de fome. (2) Por outro lado, algumas pessoas com baixa concentração de dopamina compensam isto com comportamentos auto-destrutivos, para conseguir um aumento na dopamina. Isso pode incluir o uso e abuso de cafeína, álcool, açúcar, drogas, compras, jogos de vídeo, sexo, poder, ou jogos de azar.

Como aumentar a dopamina naturalmente

Há uma abundância de formas não saudáveis para aumentar a dopamina. Mas você não tem que recorrer ao “sexo, drogas e rock’n’roll”, para aumentar seus níveis de dopamina. Aqui estão algumas maneiras saudáveis e comprovadas para aumentar os níveis de dopamina naturalmente.

Alimentos que aumentam a Dopamina

A dopamina é feita a partir do aminoácido tirosina que vem a partir da fenilalanina . Comer uma dieta rica em tirosina irá garantir que você tenha os blocos básicos de construção, necessários para a produção da dopamina.

fenil

dopa

Alimentos ricos em tirosina: (3, 4, 5, 6)

  • Todos os produtos de origem animal
  • Amêndoas
  • Maçãs
  • Abacate
  • Bananas
  • Beterrabas
  • Cacau
  • Café
  • Favas
  • Vegetais de folhas verdes
  • Chá verde
  • Feijão
  • Farinha de aveia
  • Vegetais marinhos
  • Gergelim
  • Sementes de abóbora
  • Cúrcuma
  • Melancia
  • Gérmen de trigo

Alimentos ricos em probióticos naturais, como iogurte natural , kefir, e chucrute cru também podem aumentar a produção da dopamina natural. De forma peculiar, a saúde de sua flora intestinal afeta sua produção de neurotransmissores. Uma superabundância de bactérias nocivas deixa subprodutos tóxicos chamados lipopolisacarídeos que reduzem os níveis de dopamina. (7) . Leia mais sobre isso no post sobre Desbiose Intestinal.

O açúcar foi relacionado com o aumento da dopamina, mas este é um aumento temporário, mais do tipo eliciado pela droga do que pela comida. (8)

Suplementos de Dopamina

Existem suplementos que podem aumentar os níveis de dopamina naturalmente.

  • A curcumina é o ingrediente ativo na especiaria cúrcuma. Ela está disponível de forma isolada como um suplemento podendo er menipulada ou encontrada facilmento em lojas de suplementos nos Estados Unidos.A curcumina foi relacionada ao alívio das ações obsessivas e melhora da perda de memória associada, ao aumentar a dopamina. (12, 13)
  • Ginkgo biloba é tradicionalmente usado para uma variedade de problemas relacionados ao cérebro – falta de concentração, esquecimento, dores de cabeça, fadiga, confusão mental, depressão e ansiedade. (14) Um dos mecanismos pelos quais a ginkgo funciona é através do aumento de dopamina. (15, 16)
  • L-teanina é um componente encontrado no chá verde. Ele aumenta os níveis de dopamina, juntamente com outros neurotransmissores serotonina e GABA. (17, 18) A L-teanina melhora memória, aprendizagem e humor. (19, 20) Você pode obter o seu incremento de dopamina, tomando suplementos de L-teanina ou bebendo três xícaras de chá verde por dia. (21)
  • Fosfatidilserina atua como “porteiro” do seu cérebro, regulando nutrientes e resíduos que entram e saem de seu cérebro. Pode aumentar os níveis de dopamina e melhorar a memória, a concentração, aprendizagem e TDAH. (23, 24, 25)
  • L-tirosina/ l Fenilalanina: aminoácido precursores da dopamina que também podem ser manipulados e usados diariamente se necessário . Recomenda-se tomar acetil-L-tirosina – uma forma mais absorvível que atravessa facilmente a barreira hemato-encefálica. (22)
  • Mucuna: Seus componentes de princípio são L-DOPA e os alcalóides bioativos mucunine, mucunadina, mucuadinina, prurienina e nicotina como também b-sitosterol, glutationa, lecina, óleos, ácidos venólico e gálico. O L-Dopa é um precursor neurotransmissor, uma droga efetiva para alívio na doença de Parkinson. A semente é um profilático contra oligosperma e é útil no aumento da contagem de esperma, ovulação em mulheres, etc. É uma planta proveniente da Índia, reconhecida pelas suas propriedades afrodisíacas. Estimula também a deposição de proteínas nos músculos e aumenta a força e a massa muscular. Aumenta os níveis de L-Dopa, um inibidor da somatostatina. O seu extrato é também conhecido por estimular o estado de alerta e melhorar a coordenação. Pode ser usada nas seguintes situações:

1. Para doença de Parkinson (contém L-dopa natural).

2. Para impotência e disfunção erétil.

3. Como afrodisíaco e para aumentar a testosterona.

4. Como anabólico e androgênio, fortalecendo os músculos e ajudando a estimular o hormônio do crescimento.

5. Ajudando na perda de peso.

Aumente a Dopamina com Exercícios

O exercício físico é uma das melhores coisas que você pode fazer para o seu cérebro. Ele aumenta a produção de novas células cerebrais, retarda o seu envelhecimento e melhora o fluxo de nutrientes para o cérebro. Ele também pode aumentar seus níveis de dopamina e os neurotransmissores do “bem-estar”, serotonina e noradrenalina. (26)

Dr. John Ratey, psiquiatra renomado e autor de “Centelha: A Revolucionária Nova Ciência do Exercício e do Cérebro”, estudou extensivamente os efeitos do exercício físico sobre o cérebro. Ele descobriu que o exercício aumenta os níveis basais de dopamina, promovendo o crescimento de novos receptores nas células cerebrais.

A dopamina é responsável, em parte, pela elevada experiência dos corredores profissionais. (27) Mas você não precisa se exercitar vigorosamente para aprimorar seu cérebro. Fazer caminhadas ou exercícios suaves, sem impacto como yoga, tai chi, ou qi gong produzem poderosos benefícios para a mente e o corpo. (28, 29, 30)

Aumente a Dopamina com Meditação

Os benefícios da meditação têm sido comprovados em mais de 1.000 estudos. (31) Meditadores regulares experimentam elevada capacidade de aprender, aumento da criatividade, e relaxamento profundo. Tem sido demonstrado que a meditação aumenta a dopamina, melhorando o foco e a concentração. (32)

Passatempos manuais de todos os tipos – tricô, costura, desenho, fotografia e reparos domésticos concentram o cérebro de forma semelhante à meditação. Essas atividades aumentam a dopamina, afastam a depressão e protegem contra o envelhecimento do cérebro. (33)

Ouvir música pode causar de liberação de dopamina. Estranhamente, você não tem sequer que ouvir a ouvir música para obter este neurotransmissor, que flui apenas pela antecipação da escuta. (34)

Usando o sistema de recompensa do seu cérebro para equilibrar a Dopamina

A dopamina funciona como um mecanismo de sobrevivência, liberando energia quando uma grande oportunidade está na frente de você. A dopamina nos recompensa quando estiverem satisfeitas as nossas necessidades. Nós adoramos as ondas de dopamina devido à forma como elas nos fazem sentir. Mas de acordo com a Dra. Loretta Graziano Breuning, autora do livro “Conheça seus produtos químicos da felicidade: dopamina, endorfina, ocitocina, a serotonina”, nós não somos projetados para experimentar um frisson de dopamina incessante. A caça constante por aumento de dopamina pode transformá-lo em um “Lobo de Wall Street” – movido por vícios, ganância e luxúria.

Aqui estão algumas maneiras saudáveis para equilibrar sua dopamina, trabalhando com o sistema de recompensa embutido no seu cérebro.

Desfrute a busca

Nossos ancestrais estavam em uma busca constante pela sobrevivência. Eles conseguiam uma onda de dopamina cada vez que achavam um novo pé de frutas ou um melhor ponto de pesca, porque isso significava que viveriam para procurar outro dia. Embora você ainda possa pegar frutas e peixes, há outras infinitas maneiras saudáveis pelas quais você pode desfrutar a busca na vida moderna.

Você pode procurar uma nova música para download, ingredientes especiais para cozinhar, barganhar um pacote de viagem, um item de colecionador difícil de encontrar ou um presente para um ente querido. Você pode participar de passatempos especificamente orientados para missões como geocaching (atividade recreativa para encontrar um objeto escondido, por meio de coordenadas de GPS publicadas em um site), observação de aves, geologia amadora, arqueologia amadora, e coleta de todos os tipos.

O ato de procurar e encontrar ativa seus circuitos de recompensa – sem arrependimentos posteriores.

Criar metas de curto e longo prazos

A dopamina é liberada quando se atinge um objetivo. Ter apenas metas de longo prazo é frustrante, então defina tanto metas de longo quanto de curto prazo. Metas a curto prazo não tem que ser algo grande. Eles podem ser tão simples como tentar uma nova receita, esvaziar sua pasta de e-mails, a limpeza de um armário, ou, finalmente, aprender a usar um novo aplicativo para o seu celular.

Transforme as metas de longo prazo em pequenas metas de curto prazo para dar a si mesmo aumento de dopamina ao longo do caminho.

Aceite novos desafios

Conseguir uma promoção é um grande impulso de dopamina, mas isso não acontece muito frequentemente! Mas você pode criar suas próprias recompensas de dopamina, definindo uma meta e em seguida, dar pequenos passos em direção a ela todos os dias. Isso pode ser começar um novo programa de exercícios, aprender francês, ou desafiar a si mesmo a ir para casa do trabalho de forma diferente a cada dia, de preferência sem o uso de seu GPS.

De acordo com a Dra. Breuning, trabalhando com metas, sem falhar por 45 dias, você estará treinando o seu cérebro para estimular a produção de dopamina de uma nova maneira.

Dopamina e condições mentais

A dopamina desempenha um papel muito importante na forma como vivemos nossas vidas, não sendo nenhuma surpresa, que quando o sistema de dopamina está fora de equilíbrio pode contribuir para muitas condições mentais. (35)

Aqui estão três das condições mais comuns que têm uma ligação da dopamina.

1- Dopamina e TDAH

A causa subjacente do TDAH ainda é desconhecida. Até recentemente era amplamente aceito que a causa do TDAH seria, provavelmente, uma anormalidade na função da dopamina. Isso parece lógico já que a dopamina é essencial para manter o foco. A maioria dos medicamentos TDAH são baseados nesta teoria da “deficiência de dopamina”. Acredita-se que os medicamentos usados para tratar o TDAH aumentam a liberação de dopamina e noradrenalina, enquanto a reduzem a sua taxa de recaptação. (36) No entanto, as pesquisas mais recentes sugerem que a principal causa de TDAH encontra-se em uma diferença estrutural na matéria cinzenta no cérebro e não dopamina. (37)

f3web

2- Dopamina e Depressão

A serotonina é a substância química do cérebro mais associada à depressão. Os inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRS), como Paxil, Prozac, Zoloft, Celexa e Lexapro são prescritos para a depressão e atuam aumentando os níveis cerebrais de serotonina. Mas isso só funciona em cerca de 40% dos pacientes que os utilizam. (38)

E os outros 60%?

Há um crescente corpo de evidência que mostra que o baixo nível de dopamina e não de serotonina é a causa da depressão para muitos. Bupropiona (nome comercial Wellbutrin) provou ser eficaz para os pacientes que não foram ajudados pelos ISRSs, abordando a deficiência de dopamina. (39)

Como determinar se a sua depressão ocorre mais provavelmente devido à deficiência de serotonina do que deficiência de dopamina? A depressão pela falta de serotonina é acompanhada de ansiedade e irritabilidade, enquanto a depressão pela falta de dopamina se expressa como letargia e falta de alegria de viver. (40)

3- Dopamina e esquizofrenia

A causa da esquizofrenia é desconhecida, mas acredita-se que a genética e fatores ambientais desempenham importantes papéis. (41) Uma teoria que prevalece é que ela é causada por um sistema de dopamina superativo. (42, 43) As provas de apoio para essa teoria é que os melhores medicamentos para tratar os sintomas da esquizofrenia se assemelham à dopamina e bloqueiam os receptores de dopamina. (44) No entanto, estes medicamentos podem levar dias para funcionar o que é indicativo de que o mecanismo exato ainda não é compreendido. (45)

Dopamina, Libido e Ereção em homens

De forma bastante simplificada, o comportamento sexual masculino pode ser dividido em três etapas principais. O primeiro estágio, a libido, está relacionado ao desejo sexual. O segundo estágio é o da excitação, quando são ativados os mecanismos pró-eréteis, preparando a genitália para a relação sexual. O terceiro e último estágio é o orgasmo acompanhado da ejaculação.

O estágio da libido é extremamente relacionado ao desejo por sexo e é considerado um fenômeno mediado pelas vias dopaminérgicas centrais ligadas aos mecanismos de recompensa. Acredita-se que esta via, denominada via mesolímbica, media não somente os mecanismos do desejo sexual, mas também o orgasmo. Uma influência negativa à libido é exercida pela prolactina, um hormônio secretado pela hipófise, cuja liberação é tonicamente inibida pela neurotransmissão dopaminérgica. Apesar dos relatos de diversos casos de DE diretamente ligada à hiperprolactinemia, a relação entre a prolactina e a função sexual masculina é pouco compreendida.

Os primeiros relatos do efeito de agentes dopaminérgicos na atividade sexual datam da década de 60, quando foi observado que a utilização da apomorfina no tratamento de alguns sintomas de Parkinson apresentava como efeito colateral a indução de ereções em alguns pacientes. Sintetizada pela primeira vez no final do século XIX, a apomorfina apresenta um longo histórico de segurança em humanos. Este fato e dados pré-clínicos anteriormente descritos aqui, que demonstram um mecanismo de ação apropriado ao tratamento da DE, levaram à introdução da apomorfina sublingual (Uprima®) no mercado farmacêutico, em 2001.

dopamina

Outros agentes dopaminérgicos que podem ajudar na ereção

Poucos estudos clínicos existem sobre o efeito de outros agentes dopaminérgicos nos mecanismos eréteis e no tratamento da disfunção erétil

  • É relatado que a administração de L-DOPA (22), um precursor da biossíntese de dopamina (10)
  • O quinorelano é um agonista seletivo de receptores do subtipo D2, eficaz na indução de ereções em modelos animais.
  • A bromocriptina é um alcalóide do ergot com ação agonista de receptores D2-like. Alguns relatos apontam para a potencial utilização deste fármaco no tratamento da DE causada por hiperprolactinemia
  • A possibilidade de utilização da bupropiona tratamento da DE também vem sendo discutida. A bupropiona é um fármaco antidepressivo inibidor da recaptação de aminas bioativas, com uma afinidade muito maior pelo transportador de dopamina que de noradrenalina e serotonina

 

O papel da Dopamina na libido feminina

A cada dia aumenta a autonomia das mulheres, que cada vez mais se tornam figuras centrais de suas próprias vidas e de quem as cercam. O paradigma social onde era exclusivo aos homens proverem suas famílias, ruiu e estes papéis são atualmente exercidos também pelas mulheres em diversas culturas. As mulheres estão disputando cada vez mais vagas e postos antes ocupados somente pelos homens, portanto, precisam ser tão competitivas como os homens, além de também quererem ter prazer, como os homens.

Décadas atrás o prazer feminino era considerado totalmente desnecessário tento em vista que a mulher não precisaria dele para reproduzir. O macho da casa dominava a relação como um todo, tanto do ponto de vista sexual como em outros âmbitos. A mulher era uma serva do homem em afazeres domésticos e sexuais, de modo a apenas dar prazer ao seu homem e continuidade à espécie.

Para a mulher chegar ao clímax é necessário primeiro ter o desejo sexual (libido), o qual por muitos anos foi pouco valorizado na mulher ao longo da história da medicina, muito provavelmente em função do machismo que sempre imperou. Apenas nos últimos 10 anos é que a libido feminina passou a ser alvo de estudos por cientistas do mundo todo e os estudos sobre o assunto se multiplicaram desde então, em função da crescente ascenção das mulheres na sociedade.

A dopamina é sintetizada em uma região do cérebro chamada substantia nigra e áreas subjacentes. Suas moléculas têm uma ação estimulante causando euforia, fluidez da fala e excitação. Vários estudos têm demonstrado a íntima relação da dopamina com o desejo sexual. Níveis baixos de dopamina tipicamente resultam em diminuição de libido. Alguns medicamentos que bloqueiam a dopamina acabam também reduzindo a libido e a recíproca é verdadeira, medicamentos que aumentam a dopamina podem aumentar o desejo sexual. O medicamento Flinabaserina , que recentemente foi aprovado pelo FDA, atua regulando os níveis de dopamina, porém, não podemos esquecer que desejo sexual feminino vai muito além de um neurotransmissor.

Estudos realizados nos últimos anos indicam que 65% das mulheres podem ter alterações da libido ao longo da vida. Infelizmente apesar de um número tão alto, poucas mulheres são tratadas de maneira correta e muitas vezes seus relacionamentos desmoronam em função disso. A diminuição ou ausência da libido na mulher não deve ser encarada como normal e nem a mulher pode se conformar com isso, achando que foi menos ”agraciada” pela natureza, como alguns profissionais insistem em dizer. Independentemente da idade, a função sexual preservada é importantíssima, já que o grande motivo de nossa existência é a reprodução. A partir do momento em que não sentimos mais vontade de nos reproduzir, podem ter certeza, algo está errado. E por favor, não aceite mais como resposta à esta situação: “- Você está estressada querida, precisa de umas férias”!

 

Selegilina, Parkinson e Depressão por deficiência de dopamina

A Selegilina retarda o metabolismo e não apenas de dopamina, mas também de feniletilamina , uma amina também encontrado em chocolates e liberada quando estamos apaixonados. Selegilina protege os receptores celulares de dopamina a do stress oxidativo. O cérebro tem apenas cerca de 30-40.000 neurônios dopaminérgicos . Nós tendemos a perder, talvez, 13% uma década na vida adulta. Uma eventual perda de 70% -80% leva à desordem por deficiência de dopamina como doença de Parkinson e Depressão . A selegilina na forma de pílula foi aprovado pela FDA como um adjuvante no tratamento da doença de Parkinson em 1989

Dopamina e Autismo

A dopamina é uma catecolamina sintetizada a partir da tirosina. O interesse no papel da dopamina, no autismo, surgiu com a observação que alguns bloqueadores dopaminérgico (antipsicóticos) são eficazes no tratamento de certos aspectos do transtorno, como hiperatividade, estereotipias e auto agressão e os estudos em animais confirmaram que as estereotipias e hiperatividade podem ser induzidas a partir de uma aumento no funcionamento dopaminérgico.

Novos achado indicam que as reações neuroimunes ( inflamatórias) desempenham um papel patogênico em uma proporção de pacientes com autismo, e é provável que as anormalidades metabólicas de inflamação e estresse oxidativo estejam relacionadas às alterações de estrutura e função encontradas nestes pacientes.

Dopamina e Epilepsia

Recentemente tem havido um maior interesse pelo papel da dopamina também na patofisiologia das epilepsias com vários relatos de alterações na neurotransmissão dopaminérgica em modelos animais de epilepsia principalmente àquelas relacionadas a densidade de receptores da dopamina no hipocampo. Enquanto se acredita que o desequilíbrio no sistema glutamato-GABA (ácido gamaaminobutírico) seja a base da epilepsia, a dopamina influenciaria a expressão das crises. Apesar disso, o impacto da dopamina no início das crises, progressão da doença e sobre o desenvolvimento ainda é pouco compreendido e alguns estudos sugerem que as alterações no sistema dopaminérgico, encontradas em pacientes com epilepsia, seriam o resultado da atividade epiléptica recorrente e poderiam explicar a fisiopatologia das epilepsias e suas comorbidades (autismo, ansiedade e depressão).

 

Assista ao vídeo para mais informações sobre o assunto:

 

 

RESUMO:

Como aumentar a dopamina em poucas palavras

A dopamina é nossa “molécula de motivação.” É também responsável pelo nosso sistema de prazer e recompensa. Há maneiras saudáveis e insalubres para aumentar a dopamina. Formas insalubres para aumentar a dopamina podem ser portas de entrada para a autodestruição e vícios. Maneiras saudáveis incluem comer os alimentos certos, suplementos para aumentar a dopamina, exercício físico, e meditação. Saiba como aproveitar o seu sistema de recompensa para uma produção saudável de dopamina. Aproveite a busca, defina objetivos tanto de longo quanto de curto prazo e aceite novos desafios. Você vai se sentir mais vivo, focado, produtivo e motivado.

REFERÊNCIAS

1. How to Increase Dopamine, the Motivation Molecule

http://www.healthy-holistic-living.com/increase-dopamine-motivation-molecule.html

2.A Molecule of Motivation, Dopamine Excels at Its Task

http://www.nytimes.com/2009/10/27/science/27angier.html?_r=2&

3.What is Dopamine?

https://www.psychologytoday.com/basics/dopamine

4.Foods That Increase Dopamine Naturally

http://www.medhelp.org/user_journals/show/14818/Foods-That-Increase-Dopamine-Naturally

5.Lipopolysaccharide (LPS)-induced dopamine cell loss in culture: roles of tumor necrosis factor-alpha, interleukin-1beta, and nitric oxide.

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11850061

6.Daily bingeing on sugar repeatedly releases dopamine in the accumbens shell.

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15987666

7.Antidepressant activity of curcumin: involvement of serotonin and dopamine system

http://link.springer.com/article/10.1007/s00213-008-1300-y

8. Ginkgo biloba

http://umm.edu/health/medical/altmed/herb/ginkgo-biloba

9 .The neuropharmacology of L-theanine(N-ethyl-L-glutamine): a possible neuroprotective and cognitive enhancing agent.

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17182482

10.The effects of IQPLUS Focus on cognitive function, mood and endocrine response before and following acute exercise.

11. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22017963

12. Exercise fuels the brain’s stress buffers

http://www.apa.org/helpcenter/exercise-stress.aspx

13. Walking Is Good Brain Exercise

http://psychcentral.com/news/2010/08/27/walking-is-good-brain-exercise/17326.html

Building the evidence for meditation

http://evidencebasedliving.human.cornell.edu/2011/07/14/building-the-evidence-for-meditation/

14.Anatomically distinct dopamine release during anticipation and experience of peak emotion to music

http://www.nature.com/neuro/journal/v14/n2/full/nn.2726.html

15.Dopamine, hippocampus and psychiatric diseases: Clarifying their relationships

http://www.sciencedaily.com/releases/2014/04/140403132337.htm

16.Imaging study shows dopamine dysfunction is not the main cause of Attention Deficit Hyperactivity Disorder (ADHD)

http://www.cam.ac.uk/research/news/imaging-study-shows-dopamine-dysfunction-is-not-the-main-cause-of-attention-deficit-hyperactivity

17.[The relevance of dopamine agonists in the treatment of depression].

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19272288

18.The Dopamine Connection Between Schizophrenia and Creativity

http://psychcentral.com/lib/the-dopamine-connection-between-schizophrenia-and-creativity/0003505

19.The Dopamine Hypothesis of Schizophrenia: Version III—The Final Common Pathway

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2669582/

20. Selegina

http://www.selegiline.com/

21. Quím. Nova vol.27 no.6 São Paulo Nov./Dec. 2004
REVISÃO: Agentes dopaminérgicos e o tratamento da disfunção erétilDopaminergic agents and erectile dysfunction treatmentGilda NevesI; Stela M. K. RatesI, *; Carlos A. M. FragaII; Eliezer J. BarreiroI

22.Site da Nutricionista Renata Dia http://www.renatadias.com.br/mucuna-pruriens.html

23.Mucuna e depressão

24.Mucuna e Perkinson

25.Mucuna e Fertilidade em homens

26.Mucuna e libido em ratos

27.Mucuna e disfunção erétil

28 Journal of Epilepsy and Clinical Neurophysiology Autismo e epilepsia: modelos e mecanismos Alessandra PereiraI; Luiz Fernando Longuim PegoraroII; Fernando CendesI

 

Dr. Roberto no Instagram

Visualize as dicas e informações para uma vida mais saudável direto no Instagram


Acessar

Dr. Roberto no Facebook

Dr. Roberto Franco do Amaral Neto
Dr. Roberto Franco do Amaral Neto
Médico CRM: 111370

215 Comentários

  1. Excelente contribuição de inegável relevancia… com não só esclarecimentos fundamentais mas também com portas de saída !!! Nossa maravilha de leitura e reflexão direcionando para sugestões resolutivas com embasamento científico Luzzzzzz para o povo !!!!!! Parabéns Dr.

  2. Paulo Albuquerque disse:

    Excelente seu artigo
    Parabéns.

  3. Por favor, veja o nosso site da Sociedade Brasileira de Wellness Coaching e, caso lhe agrade, vamos conversar.

    Abraços,

    Carlos Alecrim
    Presidente
    SBWCoaching

  4. Carla Tieppo disse:

    O aumento da ingesta de tirosina faz com que os níveis de dopamina aumentem? E a atividade regulada da enzima que é etapa limitante da síntese, a tirosina hidroxilase? Se eu ingerir tirosina em excesso terei alucinações? Se a tirosina também é precursora das outras catecolaminas, como adrenalina? Devo me preocupar com os efeitos cardíacos dos alimentos recomendados? Faça-me o favor, doutor. Não envergonhe os médicos com este post. Grata!

    • Este tipo de suplementação orientada por médico já é utilizada na prática ortomolecular há décadas com excelente resultados. A Sra sendo uma neuro cientista poderia ser mais educada e apenas exibir sua opinião contrária, alias dependemos de divergências para que o conhecimento evolua.

  5. Zuila Sena Bonfim disse:

    Sou portadora do Mal de Parkinson , a creio que será interessante informar que o que sentia antes de ser diagnosticada era depressão falta de estímulo para qualquer atividade , deixei de cuidar de minha casa , no trabalho sendo eu professora de Inglês e Português sentia-me incapaz de controlar a turma , e uma fadiga sem limite . Senti estes sintomas durante 13 anos até ser diagnosticada com Mal de Parkinson . Todo estes sintomas fizeram parte de minha vida e fui por todo este tempo discriminada no trabalho. Muito importante estas informações , cada inf. como estas sinto aumentar minha s expectativas de demora e redução da doença > Como também melhor qualidade de vida para o doente e a família.

  6. José Lucas Gomes disse:

    Muito didático o texto, bem redigido e explicativo. Eu como estudante de Farmácia acredito que minha principal função não é apenas o tratamento e sim a prevenção. Sabemos que a depressão é a doença do século, e essas “receitas” de como aumentar os níveis de dopamina podem evitar e cortar pela raiz esse mal que assola a humanidade. Parabéns! Texto compartilhado.

  7. Nelson Bolonhini Junior disse:

    Muito boa a abordagem do autor: profunda e leve. Gostei!

  8. Natal de Siqueira disse:

    Excelente o artigo! Bastante detalhado tanto da parte química quanto da parte prática do dia a dia. Metas curtas são as palavras de ordem! Obrigado Doutor Roberto!

  9. Rosana Nigriello disse:

    gostei muito do texto, por sua clareza e de apresentar uma saída. Como trabalho com o tema motivação nas organizações e em cursos de pós graduação, eu peço sua autorização para reproduzir seu texto como fonte de informação mais abrangente com todos os créditos a sua pessoa.
    Aguardo sua autorização. Grata pelo belo texto esclarecedor.

  10. Barbara Abreu Farias Vestman. disse:

    Gratidão profunda por receber esta importante contribuição para nós que estudamos agora NEUROCIÊNCIAS no curso de graduação em Psicologia da Faculdade Castro Alves em Salvador /Bahia.
    Que Deus ou seja lá que(m) acredite, o proteja sempre e livre de todos os males. Amém. Que assim seja. Namastê. AXÉ DA BAHIA, meu rei!!! Thank you!!!

  11. Graça Souza disse:

    Boa tarde, dr. Gostei muito do seu artigo, que de forma tão clara e quase como uma conversa entre amigos, o sr. esclareceu um ponto delicado na vida de muitos inclusive a minha. Tô sem energia e preciso recompor. Já estou com 54 anos e busco melhoras para meu ânimo, criatividade e demais funções, valeu a pena! Grande abraço.

  12. Pedro Mata disse:

    É uma tradução. Um belo artigo esclarecedor. Não é um artigo do médico. Senti após a leitura que faltou esta informação. Mesmo assim vale ler.

  13. Elisabete disse:

    OLHA…. fiquei um pouco com esperança, pois sinto muito desanimo, colocando em “risco” m,inhas relações familiares. Mas a gente pesquisando na internet, fiquei com um pouco demedo….pois as reações adversas são assustadoras. Tenho vontade de sair e comprar algo que me ajude, mas o cérebro é o chefe.Se ele não se der bem…. sabe-se lá… SÓ SEI QUE É DIFICIL VIVER EM FAMILIA DESSE JEITO.

  14. sueli Baldasso disse:

    Gostei muito do artigo, pois é bem assim que estou me sentindo, desânimo e falta de energia. Obrigada pela.

  15. Maurício disse:

    Não esqueçam do fantástica SELEGILINA para regular e estimular a dopamina em nosso organismo. Leiam o livro Longevidade do Cérebro do Dr. Dharma Singh

  16. Maristela Matos disse:

    Dr. Roberto execelente informação sobre a dopamina . Parabéns! Gostaria que o Dr. desse uma informação. Tenho um sobrinho de 6 anos, o médico disse que ele esta com falta de dopamina depois de alguns exames e comportamento na escola. O mèdico passou o seguinte remédio: D_Amphetamine Salt com xr 5MG , ao ler os efeitos colateraes minha irmã esta preoculpada e não quer dar o remédio inclusive um dos efeitos colateres é mudança de sexo o que o Dr.acha .? Ao ler sua materias vou informar para ela que pode ser feito o tratamento natural como esta relatado na seu texto. Aguardo sua resposta obrigada . MARISTELA

    R

  17. Rafael disse:

    Gostei do artigo mas discordo quanto a sexo e Rock ‘n roll não serem saudáveis :p

  18. Antônio Márcio disse:

    Essa material é perfeito! Muito obrigado e parabéns! A sociedade precisa de médicos dedicados assim como o senhor.

  19. Edilene da Silva disse:

    Dr. Tenho deficiência de vitamina b12 no organismo, tenho esses sintomas de desânimo, esquecimento ,vontade de não fazer nada, pode ser também a falta desse neurotransmissor, há 3 anos passo com a hematologista. Achei muito interessante essas informações. Obrigada

  20. Edgar Ferretti disse:

    Li integralmente e gostei. Mas senti falta de uma explanação neurológica. que incluisse o tremor essencial. Li no google que tem a ver com deficiência de dopamina no cerebelo, o departamento cerebral que comanda os membros. Ele seria um precursor da doença de Parkinson ?

    • Teoricamente sim mas não necessariamente uma coisa leva a outra, tendo em vista que outras situações como depressão por falta de dopamina não aumenta a chance de Parkinson

  21. Marilene Bregantin Bertotti disse:

    Tenho 56 anos e estou com todos os sintomas de depressão, stress e estafa. Sempre trabalhando muito e Ha alguns meses comecei perceber que fiquei muito desatenta, esqueço coisas imediatas como: fazer com alguém, prometer providencias e esquecer totalmente do compromisso ao desligar o telefone. Para não prejudicar a empresa, pedi demissão faltando três meses para me aposentar. Tenho vergonha das falhas percebidas pelos colegas de trabalho, pois ocupava um cargo de muita responsabilidade. Estou confusa e insegura em tudo que faço. Não tenho vontade de fazer nada, sinto que não tenho motivação para absolutamente nada. Estou tomando clonazepan 2mg, Stilnox 10g, porém não durmo, me sinto muito cansada e para ajudar muitas dores no corpo. Estou com acompanhamento de psiquiatra, mas tenho mito medo de não recuperar minha memoria que sempre foi a minha maior aliada na via, principalmente profissional.Começo algo e não termino. O que fazer Dr.

  22. Incrível seu texto!!! E ainda tudo com artigos!! Parabéns, acompanho suas postagens mas nunca apareci no site, amei!

  23. maria penha cavalcante disse:

    Bem importante este comentário. Sempre soube das suas vantagens! Porém, agora, está bem elaborado o texto, de fácil compreensão. Temos que elogia-la pela iniciativa.

  24. Cristiane dias disse:

    Excelente texto , fácil de entender .
    Parabéns !

  25. Ilde disse:

    Muito obrigada pelas informações! Sobre a l teanina, qual a dosagem diária mínima para se ter o efeito indicado?

  26. Sandra vilas boas disse:

    Olá dr,sou paciente de drAdolfo Duarte e com ele eu venci a fadiga ,parabéns aos alunos médicos de dr Lair Ribeiro que estão devolvendo a dignidade das pessoas .Somos o que comemos !!!! Esse é meu lema,que hoje sou mãe de cinco meninas e em minha casa não entra glúten ,nem açúcar e ninguém diz que tenho 41anos quanto mais 5filhas!!! Minha saúde está boa e minha aparência muito jovem !!!! Parabéns aos seguidores de dr Lair Ribeiro e ao senhor dr Roberto Amaral que divide seis conhecimentos

  27. Nelson Moreira disse:

    Excelente texto de facil entendimento para todos.
    Te desejo tudo de bom.

  28. lucia helena campello teixeira disse:

    Adorei a reportagem sobre a Dopamina. Reportagens como essa que ilustram nosso saber.

  29. Alcides Santos disse:

    Parabéns Dr. Robrerto, um dos melhores e mais completos textos sobre dopamina que já tive a oportunidade de ler.

  30. João Luís disse:

    Dr. Roberto, seu artigo sobre Dopamina, tem grande valia para nós. Passei no médico, ele prescreveu Fenilalanina 500mg para tratar de depressão leve. Confere ? Terei efeitos colaterais ? Abraço

  31. Felipe disse:

    Quero parabenizar pela matéria!
    realmente muito boa e com um a linguagem super acessível.
    Conheci o site pela busca pelo assunto, porém com certeza vai para minha lista de favoritos.

  32. João Luís disse:

    Dr. Roberto, seu site é de grande valia para nós. Passei no médico clínico geral e foi receitado L-fenilalanina 500 mg para cansaço e depressão leve, essa medicação irá aumentar minha dopamina? Tem efeitos colaterais ?

  33. Karla Queiroz disse:

    Gostei do artigo, Dr. Tenho uma suspeita de que meu nível de dopamina está baixo, de acordo com vários sintomas aqui apresentados. Qual especialidade devo procurar para que sejam realizados os exames específicos? Obrigada!

  34. Renato Tartarini disse:

    Muito obrigado. Pelo trabalho!
    Tive uma encefalite há mais de 10 anos que atingiu a substância negra do cérebro causando um quadro de parkinsonismo. Fui tratado com Biperideno e Mantidam porém interrompi os mesmos devidos aos efeitos colaterais. Isso me tornou um deficiente físico pois tenho dificuldades na marcha sem contar o desconforto. Sem que esse quadro gerou a insuficiência de dopamina. Será que algum dia vou voltar a caminhar normalmente? O que devo fazer além de desistir de viver?

  35. Renato Tartarini disse:

    Detalhe: como a lesão atingiu o lado direito do cérebro a sequela produzida foi no lado esquerdo do porco. Causando dificuldades na fala devido à rigidez na musculatura. Portanto não tenho tremores, só essa rigidez muscular que é muito desconfortável e me faz caminhar “torto”. O estranho é que seu eu andar de costas, a marcha se dá de maneira natural. Fico muito grato se puder me ajudar!

  36. liliani disse:

    oi dr. realmente estou falta de libido feminino muito, gostei muito da materia, preciso muito da sua ajuda,mas vou começar com alimentaçao e pesquisar sobre os suplementos tbm, agradeço e aguardo resposta ,

  37. Arnaldo Peres disse:

    Achei a matéria muito legal, faço tratamento com cloridrato de clomipramina e estou tentando parar, mas minha ansiedade tem voltado. Muitos dos sintomas da falta de dopamina se encaixam no meu quadro. Será q esse tratamento serve também para falta de dopamina? Agradeço desde já, por esclarecer minhas dúvidas. Abraço.

    • Pelo que vi este medicamento inibe a recaptaçao de noradreanalina e serotonina ,mas não teria tanta ação direta na dopamina. Tente estimular a dopamina de formas naturais como mencionado no post que sairá ganhando. Grande abraço

  38. Ana disse:

    Boa tarde Dr! Gostaria de agradecer profundamente por essa matéria, que me esclareceu diversas dúvidas que sempre tive.
    Desde criança, sou extremamente ansiosa. Já tive períodos de depressão, síndrome do pânico e TOC. Melhorei muito com o tempo e hoje sou mais feliz, porém, percebo que não levo a vida de forma normal, como todas as pessoas. Vivo ansiosa, preocupada, não consigo amar profundamente, entre outros. Meu pai tem a personalidade muito parecida com a minha e tem Parkinson há +- 8 anos, tenho medo de desenvolver a mesma doença. Depois de todas as pesquisas que fiz, tenho certeza que meu problema é a falta de dopamina. O Sr pode me indicar algum suplemento ou remédio que aumente os níveis desse hormônio de forma significativa? Moro no ABC Paulista.

  39. Adir Brasil disse:

    Graças à este maravilhoso esclarecimento estou montando meu próprio diagnóstico desta “anomalia” que posso estar sendo acometido! Fundamentais relatos estão me causando motivação para promover meu bem estar saudável, que, naturalmente já vinha realizando, mas, agora, mais atento, farei adapta-ções substanciais necessárias. Muito agradecido, Dr. Roberto Franco do Amaral Neto. Pessoas como o sr. dignificam e engrandecem nossa condição humana de seres “encarnados”, de passagem por este estágio!
    Parabéns por sua dedicação à sua grandiosa tarefa. Grande abraço, que, almejo algum dia fazê-lo pessoalmente, se algum dia a felicidade me proporcionar !!!

  40. Arnaldo Peres disse:

    Dr. Estou esperando alguma resposta, ou alguma dica da sua parte.obrigado.

  41. Arnaldo Peres disse:

    23 de agosto de 2015 – 17:44
    “Achei a matéria muito legal, faço tratamento com cloridrato de clomipramina e estou tentando parar, mas minha ansiedade tem voltado. Muitos dos sintomas da falta de dopamina se encaixam no meu quadro. Será q esse tratamento serve também para falta de dopamina? Agradeço desde já, por esclarecer minhas dúvidas. Abraço.”

  42. Katia Albuquerque disse:

    Excelente publicação!!!!
    Me ajudou bastante, tenho fibromialgia e consequentemente depressão, Falta de motivação, Fadiga
    Apatia, Incapacidade de sentir prazer, Baixa libido, Problemas de sono, Mudanças de humor, Perda de memória, Incapacidade de se concentrar entre outras. Me causava muita angustia em saber pouco sobre tal doença para mim devastadora e essa publicação me abriu um leque de informações principalmente no que se diz respeito a alimentação. o que me deixa mais apreensiva é a falta de serotonina, pois o fato de não sentir prazer em nada me deixa arrasada.

  43. adriano stelo disse:

    Um artigo diferenciado, muito claro e com as devidas referências , atuo na terapia ortomolecular e concordo plenamente com suas colocações , seria completo e perfeito com a leitura das suplementações que corrigem fadiga mitocondrial , PQQ , CQ10 , Acetil-l-carnitina , ácido málico , embora não tenha dado este enfoque seu artigo sobre eles foi ótimo . Parabéns !!!

  44. Ivana Pantarotto disse:

    Simplesmente maravilhoso!!! Artigo exemplar e muito bem escrito. Muito obrigada por transmitir toda esta sabedoria!
    Abraços!

  45. Luzeni Lemos Vieira disse:

    Muito boa a matéria sobre a dopamina e como conhecer o que envolve e o que pode ocasionar em nosso organismo a falta de alguns suplementos ou vitaminas. Estava procurando sobre depressão, insônia e encontrei este artigo maravilhoso, que nos traz conhecimento sobre nossas dificuldades que as vezes os médicos não identificam em nossas queixas. Muito obrigada Doutor.

  46. sil disse:

    boa tarde!
    tem como usar suplementos onde encontrar? todas as pessoas podem usar?

  47. Manuel M Lima disse:

    O primeiro crime no mundo foi cometido por Caim(matou seu irmão Abel por inveja). Esse desequilíbrio abriu as portas para a entrada de sentimentos maus(inveja e outros), que levaram Caim a praticar tão grande pecado. Então, se não tivermos cuidado, a falta de Dopamina nos levará à Depressão e à loucura. Tristeza profunda pode levar às drogas e estas ao crime e a pessoa não sai mais desse ciclo vicioso. Casamentos com mulheres insaciáveis, em geral acabam rapidinho, pois o marido não consegue(não tem energia) para satisfazê-la a todo o momento. Pelo que sei essas mulheres são muito infelizes(coitadas). Fico imaginando que forças negativas provocam desequilíbrios mentais(hormonais) e em seguida empurram as pessoas para um abismo que os remédios aliviam, mas somente Deus liberta. Abraço. EXCELENTE ARTIGO.

  48. valdeci gabriel disse:

    DOUTOR,COMO FAZER PARA EU TER PRAZER,NAS PEQUENAS COISAS AS VEZES TENHO PREGUIÇA ATÉ DE BRINCAR COM MINHA FILHA DE 7 ANOS FICO SEM MOTIVAÇÃO MAS VEJO QUE TENHO QUE SER MAIS PRESENTE,
    ISTO ME DEIXA ANCIOSO.PODE ME AJUDAR
    MUITO OBRIGADO

  49. Marco disse:

    Bom dia Dr. Roberto, qual o mais indicado para aumentar o neuro adrenalina que tenho deficiência, seria tirosina ou fenilanina, qual deles age melhor nesse neuro especificamente?

  50. Irene Abbruzzini disse:

    Obrigada por compartilhar o excelente artigo.

  51. Flávia Freire Maciel disse:

    Olá Dr.Roberto.Excelente explicação sobre a dopamina.Tenho uma filha autista de 28 anos. Existe algum estudo específico sobre o aumento ou equilibrio dos níveis de dopamina para estes pacientes?

    • Fala- se em excesso de dopamina nestes pacientes Atualizei o post depois da sua pergunta sobre o assunto. Fala – se também em neuro inflamação e estresse oxidativo. Busque em paralelo um bom ortomolecular que investigue estas duas situações

  52. antonio arnot queiroz crespo disse:

    O seu artigo foi extremamente elucidativo. Fui diagnosticado com TDHA e medicado com o uso de Ritalina, o que de certa forma auxilia a focalização e a concentração, entretanto, somente com essa explicação sobre a Dopamina eu entendi um processo interior de buscar feedbacks no decorrer de toda minha vida. Uma coisa louca que eu nunca consegui compreender e que resultaram em comportamentos obsessivos do tipo adicção… eu estou tão impressionado que acredito ter encontrado um veio de tesouro para ser explorado. Tendo em vista que moro no interior do estado de SP ( Araçatuba) eu percebi que vc recomenda medicina ortomolecular… nessa região vc tem algum colega que possa estar me orientando ou eu teria que ir até vc? Atenciosamente… continue contribuindo com o crescimento de outros como tem feito. Parabéns e obrigado. Arnot

  53. giles disse:

    Prezado Dr. Roberto, realmente extraordinário seu conteúdo, muito objetivo e cheio de informações.

    Eu gostaria de abordar um tópico aqui, e por favor que o Senhor indicasse a melhor solução possível.

    Recentemente no site : http://yourbrainonporn.com/, nesse site relata o perigo devastador de quems e vicia em filmes pornográficos, a ponto de afetar partes do sistema neural e inundar o cérebro de dopamina e serotonina.

    Centenas de Jovens e Maduros dos 20 aos 60 anos relatam como procastinação, debilidade de raciocínio, frustação, anti sociabilidade, centenas de casos de DISFUNÇÃO ERÉTIL induzida pela pornografia, milhares de pessoas no mundo ou mesmo milhões sendo acometidos de baixa de testosterona, baixa de imunidade, nervoso, agitação, palpitação, taquecardia, alteração da pressão sanguínea.

    Tudo isso ocasionado, pelo enorme quantidade de Dopamina que o cérebro pede.

    Os Neurotransmissores não conseguem funcionar em sinergia com outras partes e atividades cerebrais, tudo ocasionado pelo esseço de assistir constantemente PORNOGRAFIA.

    Gostaria de saber uma coisa do Senhor, como NEUROCIENTISTA RENOMEADO NOS E.U,A, pelo site que enviei ao Senhor, este grande profissional diz que tem que se fazer UM REBOOT, UM RESTART DO CÉREBRO POR 90 DIAS, OU SEJA NADA DE PORNOGRAFIA, MASTURBAÇÃO.

    Isso por um período de 90 dias , até que as funcões neurais do cérebro funcionem corretamente.

    Existe um período chamado chamado FLAT LINE.

    Seria como uma crise de abstinência , Milhares de pessoas dos 20 aos 65 anos relatam dificuldades enormes de concetração, depressão, tristeza. raiva, ódio, falta total ou parcial de concentração, angústia e até mesmo mente zonza e dificuldade enorme de ereção.

    Existe algum aminoácido que se possa a tomar para ajudar as funcões cognitivas cerebrais a ajudar a voltar ao normal, enquanto se faz o reboot cerebral?

    L-TIROSINA.
    ACETYL CARNITINA
    GINKO BILOBA
    TRIBULUS TERRETRIS
    YOHIMBE
    NADH
    ou Epidemium sagittatum

    Qual desses seria o mais aconselhavel para este problema tão violento que as pessoas passam.

    Muito obrigado pelas respostas e grande informação nesta matéria.

    Giles

    • Muito obrigado pelas palavras e sua informação é de grande valor, nunca tinha em atentado a isso mas com certeza muita gente deve estar passando por esse problemas.A ideia do restart é muito plausível para mim, funcionaria como tirar um drogado dos amigos que usam drogas. Para evitar recaídas, sugiro também buscar outras metas de curto prazo como por exemplo contar os dias que esta sem o contato com objeto viciante. A ideia disso é estimular a produção de dopamina e serotonina. Quanto ao suplementos, os citados são interessantes como por exemplo a tirosina que se transforma em dopamina e acetil la carnitina e Nadh que são nutriente mitocondriais e podem ajudar na disposição, concentração e foco. Usaria algo para aumentar serotonina como L teanina, kawa kawa e 5HTP também, sempre com acompanhamento profissional.

    • Miller Bernardes disse:

      Gostei do seu comentário. Só tenho uma dúvida. Ficar 90 dias sem fazer relação sexual também ou somente masturbação/pornografia?

  54. Ana Beatriz Aguirra disse:

    Bom dia ,ao procurar informações sobre a dopamina e o medicamento Prolopa DP receitado devido a um problema de tremor nas mãos encontrei essa página que me chamou atenção. Trabalho com mecânica de pequenos objetos e concertos que exigem força ,tive uma lesão no ombro direito que o faz formigar de tensão e dor levando, após um tempo, o quadro de tremor nas mãos quando executo meu trabalho(e não no repouso).Tenho tbem do mesmo lado um problema na articulação do joelho que me faz mancar levemente.Um ortopedista me indicou musculação e fortalecimento e tbem uma ressonância na cabeça para verificar possivel lesão no cérebro,ja que meu trabalho me expõe a liquidos quimicos podendo gerar um quadro de Parkinson.Estava tomando um calmante que ajudava no relaxamento muscular e me aliviava muito.Minha pergunta é a respeito do procedimento em tomar o medicamento para Parkinson para descartar essa possibilidade e se poderia ser positivo esse procedimento. Seria o caso de tensão ou lesão muscular levando a essa atrofia?Muito grata. Ana Aguirra.

  55. josie miranda disse:

    Parabéns pela generosidade de compartilhar conosco tantos conhecimentos, de uma forma muito clara e objetiva.

  56. Rafael Mosso disse:

    Muito obrigado mesmo pelo artigo, deu para os leigos entenderem. Tenho 22 anos, e antes não praticava exercícios, nem bola, sedentarismo puro, minha mente flutuava de forma pesada (contraditório?), parecia inflamada, parecia uma digressão de pensamentos lentos, filosóficos e surreais, e meu corpo seguia o mesmo ritmo, eu sequer o sentia, sentia que estava carregando um corpo que não me pertencia, grande demais, como sou muito alto, sentia a falta de domínio sobre o meu próprio corpo ao andar. Enfim, comecei a correr no início deste ano de 2015, após compreender que mente e corpo são uma coisa só, comecei correndo 1 km, menos de um mês depois passei para 2km, quatro meses depois eu atingi 5km, mantive essa média até o meio do ano, passei pra 7km e ainda lembro do meu grau de concentração quando cheguei em casa todo suado e vermelho com um novo recorde: 8km. É incrível a sensação, daí estabeleci que minha meta para este ano seria atingir 10 km, a meta mostrou-se fácil demais, há mais de um mês eu consegui correr 10km, mas não mantive esse ritmo porque furei o pé num espinho de cacto e passei duas semanas sarando… como o pé infeccionou, ao andar eu me apoiava somente na perna direita, a saudável, daí quando o pé sarou do espinho eu tive um novo problema, devido ao esforço de ter que andar com o apoio de somente uma perna, esta perna foi forçada demais, resultando em lesão interna, quando voltei a correr, parava em 2,3 km porque a perna doida por dentro, me impossibilitando de continuar. E ainda está doendo, mas voltando ao normal, hoje eu corri 5km, a quantidade que eu determinei, antes de me machucar, como mínima, 8km era a média e 10km o máximo. Agora eu só corro 5km no máximo, espero me recuperar por completo logo para voltar às postas. Eu compreendi uma coisa: O CORPO HUMANO FOI FEITO PARA ESTAR EM MOVIMENTO, ELE QUER, NECESSITA DE MOVIMENTO, EU NÃO CORRO POR VAIDADE, QUANDO ME PERGUNTAM POR QUE EU CORRO, EU DIGO: EU CORRO PARA MANTER MINHA MENTE SÃ. PARECE ENGRAÇADO, MAS NÃO É A PURA VERDADE. Sem MOVIMENTO nós morremos por dentro.

  57. Rafael Mosso disse:

    Dr. Roberto Amaral, olá, como meu comentário anterior foi apenas um testemunho, neste eu gostaria de saber se o que o/a Giles disse procede? Quais seriam os benefícios desse reboot cerebral? Noventa dias sem masturbação e pornografia. Porque, no meu caso existe o vício, (não tenho namorada, rsss), mas apenas a motivação moral não me bastaria para entrar nessa empreitada, ou seja, por pudor e decência pararei de ver pornografia e me masturbar? Não. Porque entendo que na minha idade o instinto sexual é muito forte para ser contido, o que quer dizer que o problema de saúde viria se eu contivesse. Daí a razão de eu nunca ter procurado parar com esses hábitos viciosos. TODAVIA, eu gostaria de saber se isso FAZ MAL????? E se parar trará benefícios para o cérebro? Agradecerei muito pela sua resposta. A ideia é bem interessante.

    • Vc que me deu a notícia que ver filme pornô em excesso é prejudicial.Já imaginava algo do tipo mas nunca me aprofundei sobre o assunto. Qq tipo de vício pode prejudicar a vida social de alguém. Se isso esta te incomodando, então te fará mal.

  58. Alessandra disse:

    Caro doutor,

    Fiquei com uma dúvida neste ponto do artigo: “As provas de apoio para essa teoria é que os melhores medicamentos para tratar os sintomas da esquizofrenia se assemelham à dopamina e bloqueiam os receptores de dopamina.” Minha dúvida é: isso quer dizer que esses medicamentos aumentam ou diminuem o nível de dopamina no cérebro? Esse ponto do artigo me chamou bastante a atenção porque tenho depressão e todos os sintomas citados de deficiência de dopamina, e o psiquiatra que me trata atualmente prescreveu Quetiapina, que, a princípio, é um medicamento para tratar a esquizofrenia, porém não sou esquizofrênica. Ele me disse que a quetiapina tinha bons resultados também em pacientes com depressão, especialmente para tratar a dificuldade de dormir, que é um dos meus principais problemas. De fato, tenho dormido melhor, mas todos os demais sintomas como apatia e uma absoluta falta de vontade de viver e dificuldade em sentir prazer continuam presentes, após uns 5 meses de tratamento. Sei que não se discutem casos particulares aqui, mas caso o doutor possa me ajudar com algum esclarecimento sobre a relação entre o uso de medicamentos para esquizofrenia e o nível de dopamina no cérebro, já ficaria muito grata. Até então, a partir das minhas leituras, eu só conhecia a serotonina, mas lendo este artigo, me identifiquei muito com os sintomas de baixa dopamina. Agradeço a imensa generosidade em compartilhar seus conhecimentos conosco.

    • Que eu saiba esquizofrenia pode ser causada por dopamina em excesso portanto seus medicamentos PODEM influenciar na sua produção.
      http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1516-44462001000500014&script=sci_arttext
      Atividade dopaminérgica :Cinco diferentes estudos avaliaram pacientes com esquizofrenia utilizando [18F]-fluorodopa ou [11C]-dopa.6 Esses traçadores avaliam a atividade da enzima dopa-descarboxilase, que está envolvida na síntese de dopamina. Quatro desses estudos acharam aumento de ligação dos radiotraçadores em pacientes com esquizofrenia, quando comparados com indivíduos normais. A elevada captação desses radiotraçadores está associada a maior atividade da enzima dopa-descarboxilase. Este achado sugere aumento da atividade dopaminérgica em pacientes com esquizofrenia. Entretanto, a reação catalisada pela dopa-descarboxilase não é determinante da taxa de síntese de dopamina. Portanto, o aumento da atividade da dopa-descarboxilase sugere aumento da liberação de dopamina na fenda sináptica, mas esta relação não é direta.

      Laruelle et al desenvolveram um sofisticado paradigma para avaliar a atividade dopaminérgica utilizando [123I-IBZM e SPET.7 O paradigma avalia a quantidade de receptores D2 de dopamina disponíveis antes e depois da administração de anfetamina. A administração de anfetamina induz uma liberação da dopamina, que vai se ligar aos receptores D2, diminuindo o número de receptores disponíveis para a ligação do traçador. A quantidade de dopamina liberada é estimada a partir da subtração do scan pré-anfetamina e outro scan pós-anfetamina. Os autores descobriram maior liberação de dopamina em pacientes com esquizofrenia, quando comparados aos controles normais. O aumento na liberação de dopamina correlacionou-se com a emergência de sintomas psicóticos. Este achado foi replicado por mais dois estudos, tanto em SPET8 como PET.9 Com as replicações, notou-se que o aumento da responsividade do sistema dopaminérgico à anfetamina é particularmente importante nas fases de exacerbação dos sintomas psicóticos.

  59. NEIDE DE MELLO disse:

    Parabéns !
    Ótima matéria, linguagem acessível.
    Curso psicologia, ajudou muito.
    Abraço

  60. Roberto disse:

    Excelente artigo, aponta o problema e sugere caminhos com uma linguagem adequada.

  61. Mario disse:

    Muito bom esse artigo.

  62. Muito bom e interessante seu texto. Parabéns pela pesquisa! disse:

    É gostoso ligar o computador e ler textos saudáveis e instrutivos, principalmente que tenham fundamentação de pesquisa.

  63. Demetrio Lima disse:

    Nossa, excelente material muito enriquecedor!

  64. ELZIRA BARROS disse:

    Olá , através de umas buscas por medicamentos para melhorar a concentração, acabei chegando aqui.Parabéns por estas informações . Vou melhorar a alimentação aqui em casa e levar mais a sério a prática de caminhadas.

  65. Elzie disse:

    Gostei principalmente da linguagem usada de modo simples e se fazendo entender, me sinto sempre estressada e quando vou ler um artigo que parece complicado pra compreender já vou logo parando nem chego ao final.Obrigada

  66. Kary disse:

    Artigo excelente, obrigada pela disseminação do bem, doutor! 🙂
    Tenho 32 anos, estou com obesidade leve e luto contra a depressão desde meus 12 anos. É uma luta diária e sofrida. Trato com psiquiatras há 4 anos, e já usei fluoxetina, sertralina, venlafaxina, carbamazepina, donarem e topiramato, mas tive muitos efeitos colaterais e pouca melhora efetiva.

    Atualmente, faço terapia e tomo oxalato de escitalopram 5 mg há mais de 8 meses e, apesar das crises de choro e da hipersonia terem diminuído bastante, o exercício físico, o açúcar, café e, esporadicamente, outras substâncias químicas ilícitas ou nada saudáveis (álcool, anfetaminas e similares) é que me dão genuíno alívio, bem estar e força como nunca senti para movimentar no dia a dia.

    A bupropiona foi ótima, me senti incrivelmente bem, sem desânimo e zero compulsão alimentar, fiquei plena mas a dor de cabeça ficou insuportável e tive que parar.

    Ao seu ver, Dr., a suplementaçao para dopamina pode melhorar minha apatia, tristeza, angústia, baixa estima e memória?

    Posso utilizá-la juntamente ao escitalopram?

    O senhor sugere algum médico em Belo Horizonte para me acompanhar e receitar os suplementos?

    Um grande abraço e feliz 2016!

  67. Lucy disse:

    Artigo excelente, obrigada pela disseminação do bem, doutor! 🙂
    Tenho 32 anos, estou com obesidade leve e luto contra a depressão desde meus 12 anos. É uma luta diária e sofrida. Trato com psiquiatras há 4 anos, e já usei fluoxetina, sertralina, venlafaxina, carbamazepina, donarem e topiramato, mas tive muitos efeitos colaterais e pouca melhora efetiva.

    Atualmente, faço terapia e tomo oxalato de escitalopram 5 mg há mais de 8 meses e, apesar das crises de choro e da hipersonia terem diminuído bastante, o exercício físico, o açúcar, café e, esporadicamente, outras substâncias químicas ilícitas ou nada saudáveis (álcool, anfetaminas e similares) é que me dão genuíno alívio, bem estar e força como nunca senti para movimentar no dia a dia.

    A bupropiona foi ótima, me senti incrivelmente bem, sem desânimo e zero compulsão alimentar, fiquei plena mas a dor de cabeça ficou insuportável e tive que parar.

    Ao seu ver, Dr., a suplementaçao para dopamina pode melhorar minha apatia, tristeza, angústia, baixa estima e memória?

    Posso utilizá-la juntamente ao escitalopram?

    O senhor sugere algum médico em Belo Horizonte para me acompanhar e receitar os suplementos?

    Um grande abraço e feliz 2016!

  68. Lucy disse:

    Só complementando, os quilos que emagreci com topiramato + venlafaxina eu recuperei com o escitalopram… 🙁

  69. pedro luiz ribeiro disse:

    agradeço e me encaminhem mais conhecimentos. grato. telefone: 15 9 97 95 27 99

  70. Renan disse:

    Ótimo texto, doutor!

  71. Felipe disse:

    Não sou muito de comentar artigos, mas me senti obrigado dessa vez, já tinha lido muitoooo sobre esse neurotransmissor e o seu artigo além de abordar tudo que li ainda tem muito mais, é um dos mais completos que já li, Parabéns! Ótimo trabalho!

  72. Taiany disse:

    Boa Tarde Dr. Roberto,

    Li vários textos no seu site e estou adorando a forma fácil com que você consegue passar as informações, obrigada!!

    Sinceramente ao ler essa reportagem me assustei, pois me identifiquei com 100% dos sintomas citados.
    Inclusive estou querendo mudar meus hábitos: sair do sedentarismo e fazer uma reeducação alimentar para consequentemente melhorar minha qualidade de vida e saúde é a minha principal meta para 2016.

    Só que como disse, eu sou uma pessoa extremamente sedentária. Não faço ideia de por onde começar, nem por qual profissional procurar…

    Que profissional devo procurar para iniciar essa saga? Hahaha ! Se puder responder agradeço!

    • Ola Tayani, algum médico que trabalhe de forma mais holística, que faça ortomolecular , modulação hormonal e que tenha uma equipe com nutri e avaliador físico de preferência. Fico feliz em saber que gostou, tomare que te ajude. abraços

  73. Kelly disse:

    Dr. seu texto e exposições bibliográficas e a forma prática de explicar temas são admiráveis. Parabéns!

  74. Adriana disse:

    Dr.Roberto, gostei muito do seu texto. Venho me tratando desde 2012 de depressão e ansiedade e atualmente me encontro na retirada dos remédios. Rimo lítio e antidepressivo. Faço exercícios, trato das dores na coluna, mas não sinto grandes melhoras.
    Atualmente acho que me encaixo perfeitamente no diagnóstico da falta de dopamina. Teria algum medico proporcionar para me indicar no RJ/Niterói?
    Obrigada
    Att.,
    Adriana

  75. Adriana disse:

    Dr. Roberto, me desculpe pelos erros das palavras colocadas no comentário.O meu corretor está horrível.

  76. […] 1-Dopamina: gera prazer, alegria, força, êxtase, euforia, poder, sexualidade, confiança, sentimento de poder enfrentar qualquer desafio. Estimula o amor de pai e mãe. É estimulante para algumas partes e inibidor para outras. Indispensável para ação motora, força de vontade, alegria e bem-estar. Toda vez que a pessoa recebe um estímulo positivo, forte, agradável, etc., seu cérebro gera esta substância, que dá a sensação de felicidade, de estar de bem com a vida, em fluxo com o universo e todos os sentimentos decorrentes disso. A falta do nível adequado gera insegurança, inferioridade, etc. Veja a relação entre falta de dopamina e doença de Parkinson, no site “Saúde Geriátrica”. A dopamina é um neurotransmissor extremamente potente. Sua falta é arrasadora para o estado geral de felicidade e força pessoal. Sua presença traz um sentido de controle total da situação, de poder enfrentar qualquer desafio, qualquer inimigo, qualquer problema. É o neurotransmissor básico do Macho Alpha ou da Fêmea Dominante. A edição de maio/2004 da revista Harvard Business Review América Latina, trás um artigo sobre os altos executivos, ressaltando que 70% deles são Alpha.Portanto, caso um empresário ou executivo, queira ter sucesso ele precisa desesperadamente de dopamina, caso não a produza na quantidade exata para vencer os outros machos Alpha. Não se esqueçam de que na planície do Seringueti, na África, existem muitos candidatos à Macho Alpha. (Ver relação entre libido e dopamina) […]

  77. Muito, mas muito obrigado mesmo em compartilhar este conhecimento valoroso. Pelo que me parece, você ama o que faz, coisa linda de se ver. Já fiquei fã de seu blog , e vou compartilhar com amigos interessados no tema.
    Abraço

  78. […] 1 – Dopamina: gera prazer, alegria, força, êxtase, euforia, poder, sexualidade, confiança, sentimento de poder enfrentar qualquer desafio. Estimula o amor de pai e mãe. É estimulante para algumas partes e inibidor para outras. Indispensável para ação motora, força de vontade, alegria e bem-estar. Toda vez que a pessoa recebe um estímulo positivo, forte, agradável, etc., seu cérebro gera esta substância, que dá a sensação de felicidade, de estar de bem com a vida, em fluxo com o universo e todos os sentimentos decorrentes disso. A falta do nível adequado gera insegurança, inferioridade, etc. Veja a relação entre falta de dopamina e doença de Parkinson, no site “Saúde Geriátrica”. A dopamina é um neurotransmissor extremamente potente. Sua falta é arrasadora para o estado geral de felicidade e força pessoal. Sua presença traz um sentido de controle total da situação, de poder enfrentar qualquer desafio, qualquer inimigo, qualquer problema. É o neurotransmissor básico do Macho Alpha ou da Fêmea Dominante. A edição de maio/2004 da revista Harvard Business Review América Latina, trás um artigo sobre os altos executivos, ressaltando que 70% deles são Alpha. Portanto, caso um empresário ou executivo, queira ter sucesso ele precisa desesperadamente de dopamina, caso não a produza na quantidade exata para vencer os outros machos Alpha. Não se esqueçam de que na planície do Seringueti, na África, existem muitos candidatos à Macho Alpha. (Ver relação entre libido e dopamina) […]

  79. Ivone disse:

    Meu filho de 4 anos vem apresentando esporadicamente distúrbios que indicam que ele sofre de Síndrome de Tourette. Li em alguns artigos que a Síndrome, assim como o TDAH e Esquizofrenia, tem os sintomas piorados com o aumento da producao de dopamina. Devo evitar dar a ele esses alimentos, como por exemplo o chocolate, quando em crise?

  80. Joao disse:

    Excelente conteúdo. Sem igual. É muito esclarecedor e enriquecedor. É a internet que tá trazendo esperança aos pacientes.

  81. Ana Letícia Limberger disse:

    Excelente artigo não tenho palavras para descrever o quanto me foi útil!! Muito agradecida!

  82. Asaf disse:

    Muito obrigado pelo tópico dr, parabéns, eu precisava de mais alguns esclarecimentos

  83. Muito obrigado mas dúvidas individuais apenas em consulta médica presencial

  84. aldevan disse:

    tenho tremor essencial tem haver com a dopanina.?

  85. Fabiana disse:

    tomo escitalopram para panico e depressao posso tomar junto a mucuna com escitalopram?

  86. Fabiana disse:

    Dr. o escitalopram tirou me completamente o libido a mucuna pode ajudar nisso tambem?
    Muito obrigada

  87. Evandro Gomes disse:

    procurei palavras mas não encontrei.
    Só vou dizer…
    Super…
    Parabens

  88. Maria Doria disse:

    Didático, prático e sério.
    Thanks!

  89. Ticio disse:

    Dr o meu caso é parecido com o amigo ai de cima do vício de pornografia. Estou fazendo o reboot com sucesso e estou no dia 45 hj. O meu sistema de recompensa foi modificado por causa do vicio, então quando eu para tudo vem a fase da flatine onde se tem uma baixa total da dopamina e depois vai se estabilizando. Em um reboot anterior eu tomei mucuna pruriens, vitamina D e fiz exercicios do musculo e eu senti minha libido aumentar e o reboot avançar mais rapido. Mas a minha dúvida é: o mucuna tem o L-DOPA que é precursor essencial para o neurotransmissor dopamina, porém eu tomando isso não seria uma fonte artificial ao meu cérebro, podendo prejudicar minha cura e propro reboot natural do cerebro?

  90. Vitor Marchesini disse:

    Publicação incrível! Altamente informativa e confiável, por conta da bibliografia. Agradeço por todo esse conhecimento gratuito, parabéns aos donos da página.

    Abraços,
    Vitor.

  91. Olá
    Tenho esquizofrenia, e pesquisando sobre o assunto vi que muitas pessoas defendem a tese de que esse transtorno seja apenas um alteração no cérebro que resulta no aumento da dopamina no organismo da pessoa. O que você acha disso?
    Já passei da fase dos sintomas positivos (alucinações) e agora creio que estou nos sintomas negativos(desânimo, apatia).
    Queria muito saber se esse desânimo não foi provocado pelos antipsicóticos.
    Obrigado

  92. so much wonderful info on here, : D.

  93. Jose Mario Sousa disse:

    Dr Roberto como posso saber se tenho defice de dopamina?
    pois tenho todos sintomas da de tal situacao..
    icapacidade de sentir prazer
    sonolencia
    mudancas de humor
    apatia
    perda de memoria
    incapacidade de concentracao
    ma coordenacao de movimentos
    recompensa agradável
    comportamento e cognição
    atenção

  94. Regis disse:

    Boa tarde Dr. tenhos pré requisitos da falta de dopamina, como a falta de libido e desmotivação, mudança de humor… Conhece algum especialista em SC, na região de Criciúma? Caso não saiba, qual tipo de especialista posso procurar?

  95. Daiane Cristina Cachiolo disse:

    Dr Roberto, boa noite!

    Meu nome é Daiane, tenho 27 anos e acredito que tenha distúrbio relacionados a produção da dopamina.
    Qual especialista eu procuro para diagnosticar o déficit?
    Sou de Campinas, interior de São Paulo.

    Obrigada e parabéns pelo artigo

    Abraços

  96. Arthur Mendes disse:

    Texto sensacional. Já tava pensando em começar a meditar e voltar a fazer exercícios e o texto me esclareceu muito algumas coisas a respeito. Muito dahora.
    Valeu, amigo. Vou continuar acompanhando o blog haha.
    Sucesso.

  97. clenilda cunha disse:

    muito boa reportaem

  98. TIAGO disse:

    Prezado Dr. Roberto, existe um nível ideal para a dopamina no ser humano? Fiz o exame e a minha deu 38 ng/dl, sendo os valores de referência de 10 a 150 ng/dl. Sou homem, tenho 36 anos e todos os sintomas da deficiência de dopamina.

  99. Mayara Olivato Milani disse:

    Olá Dr. Roberto, primeiramente adorei seu site e adorei saber que existem formas melhores para ajudar nossa saúde sem o uso das drogas(remédios). Tenho 27 anos e faz um ano que tomo Ritalina esporadicamente, porque todos os dias me dói a cabeça, mas quando a tomo, em seu pico, ela me proporciona sede de viver, o que normalmente não tenho.
    Identifiquei que ela age na Dopamina e gostaria de saber quais os suplementos que poderiam me ajudar a ter mais ânimo e disposição? Já faço terapia para me ajudar, mas gostaria de complementar entende, e vi sobre a L-Tirosina, Mucuna e L-Teanina, mas qual a quantidade de cada uma para começar?

  100. Thiago Tavares disse:

    Dr. Roberto, seu blog tem uma qualidade difícil de se encontrar pela internet. Parabéns pelo seu trabalho!

  101. Lilian Nunes disse:

    Olá DR.aonde encontro o acetil-L-tirosina???

  102. Test disse:

    Há casos q não tem solução. O q fazer quando não se tem motivação nem pra realizar nenhuma dessas tarefas recomendades, e pra piorar, quando nenhum dos tipos de medicamentos dá certo, mesmo experimentando todos por mais de 3 décadas, e pra piorar, quando a falta de motivação está relacuonada a uma diversidade incontável de problemas de saude, familiares e sociais?

  103. Marcia disse:

    Bom dia Dr. Muito bom artigo, um dos melhores que já li sobre o assunto. Tenho uma dúvida, serotonina e dopamina competem entre si por receptores. Estou certa ou errada? Tenho visto formulações com percursores tanto para dopamina quanto serotonina. Ambos não seriam antagonistas? Seria correto em uma formulação, exemplo, 5htp com l tirosina com l fenilamina ou com l triptifano. Isso é correto ou um anularia o efeito do outro? Sinergismo?

  104. Marcia disse:

    Dr muito obrigado pelo artigo. Gostaria de sua opinião sobre essa formulação para aumentar
    Dopamina em um quadro de depressão leve, com sintomas de apatia, desanimo, falta de motivação, e névoa. Tentei o 5HTP mas só aumentou a nevoa e inercia, indiferença, chegando a concluir que a falta não é serotonina, mas de dopamina. O que o Sr acha faria alguma alteração?
    l fenilalanina 100mg
    L tirosina 50mg
    Ashawaganda 150mg

  105. Albano Dala disse:

    Realmente pude tirar algum proveito quanto a Dopamina em função do que está espelhado na publicação do Dr Roberto Franco é de AGRADECER pela informação uma vez que estou a seguir Psicologia e dentro da mesmas tem a cedeira de Neurociência

  106. […] Fonte: robertofrancodoamaral/minhavida/psiquiatriageral/polbr/abcdasaude/minhavida   Imagens: libero/az […]

  107. ROBERTO WOOD disse:

    Dr.ROBERTO.sou portador do Mal de Parkinson,e pelo que entendi a TIROSINA e a MUCUMA,sao muito importantes no tratamente do Parkinson.E verdade?

  108. Gil Lourenço disse:

    Obrigada pelo ótimo artigo!

  109. Ronny Everson Medeiros de Siqueira disse:

    Dr. Roberto
    Tenho 43 anos de idade.
    Estou “dopaminantemente” agradecido por esta sua contribuição pois agora sei o que fazer daqui pra frente para melhorar em em todas as áreas da minha vida. Nos últimos 15 anos tenho sofrido por uma apatia destrutiva que me gerou depressão, irritabilidade, divórcio e relacionamentos complicados com outras pessoas. Fui consultado por especialista e remediado para tratamento e melhorei. Mas alguma coisa ainda estava errada e lendo essa sua matéria achei que a dopamina e/ou a serotonina seriam causadores desses problemas e em contrapartida serão as soluções. Sei que preciso novamente procurar um especialista. O que me diz?

  110. paulo alves disse:

    cada vez mais que leio sobre serotonina, endorfina, noradrenalina, dopamina, adrenalina me sinto mais confuso vejo que cada médico tem uma opinião própria dificil achar consenso na medicina principalmente numa area tão complexa como a psiquiatria…

  111. Angélica Vital disse:

    Excelente matéria! Que venham mais, amei!

  112. Maria Madalena de Souza Reis disse:

    Tenho 73 anos , li os comentários de dr Roberto e fiquei muito
    feliz , pois um médico neurologista disse-me que o tremor que comecei é exatamente a falta de dopamina , justo o que acabei de ler , agora vou completar com atividade física , como disse de Roberto. Muito obrigada pelas orientações . Amei !

  113. vitor disse:

    Tenho iscrizofenia já fez um ano estou tomando remédios tomo floxisetina e quetiapina ( quet xr) e nao vejo melhora nenhuma queria saber oque o meu celebro precisa para voltar como era ates de eu ouvir vozes . O meu celebro tá com falta de que?

  114. Melissa Ferreira Batituci disse:

    Adorei..era o que eu precisava ler para entender muitas questoes e ter um inicio para tentar solucionar alguns problemas.

  115. ROSANGELA DE PAULA disse:

    Sensacional. sou estudante de Psicopedagogia, amei esse texto principalmente pela linguagem, clara, simples e objetiva preciso ler mais artigos seu,Dr. Roberto Franco, MUITO OBRIGADA 😉

  116. Nice disse:

    Dr. Parabéns! Por muito tempo tomei bupropiona e percebi que aumentar a dopamina funcionou melhor porque fiquei mais enérgica e produtiva, diferente da serotonina..Ginko Biloba também é ótimo. Eu amei seu post!

  117. HDT disse:

    Didático fácil entendimento sensacional…

    Acho que o Dr. poderia ter comentado sobre pessoas viciadas em cocaina como eu estou querendo parar faz 16 dias… Eu estou formulando um tratamento eficaz para cocaina .
    Acompanhe minha linha de raciocínio e diga sua opinião pois agora tenho conhecimento de que muitos erros no passado poderiam ser evitados
    Dr. Sabe que uso prolongado e compulsivo da cocaina causa a falência no sistema que produz dopamina aí é que está numa situação complicada sem saber eu fui entender hoje pesquisando sobre vício compulsivo por cocaina pode causar esquizofrenia, tenho suspeita de afloramento pois quando sou contrariado pela minha ex eu saiu fora de si colocando em risco minha vida e de outros acelero o carro igual um lunatico roletando todos semáforos e Pare, ou eh um surto psicótico leve?
    Ando com pensamentos suicida porque minha ex não quer voltar comigo (Olha o que aconteceu eu trai minha esposa e sai com essa outra nos locais mais badalados na frente de todos cidade pequena) que tipo de reação eh essa e eu tenho problemas com minha personalidade às vezes eu sou um profissional do poker, outra Adv Criminalista, eu tenho um Q.I. De 137 Mensa.org existe algum nome para essas personalidades diferentes na outra maneira de suicida sem dor eu não aguento mais essa vida o fator genético eh real? Para mim não me parece raciocínio lógico pois a substância química enganando da cocaina está no cérebro meu irmão se suicidou-se tbm cocaina cid 31 todos temos meu pai 3 irmãos de 3 esposas 4 cmg

    Eu não tenho motivação, sentimentos como medo entre outros, a pergunta chave aqui seria se meu cérebro não produz mais dopamina como vou conseguir fazer processo da L-tirosina em dopamina se eu destrui essa área pois pelo que mais me aprofundei dopamina eh crucial para ser uma pessoa com medo e tbm eh como se fosse o sistema imunológico do cérebro evitam grandes doenças e erros de diagnóstico pois agr já não sei se sou 31.5 ou 31 e os meus surtos pela vulnerabilidade do cérebro.
    Existe uma substância 100% igual a processada no cérebro dopamina?
    Se a falência da produção de dopamina não adianta os reforços pois não vão virar dopamina correto?
    Eu já li sobre o estudo dos Rats minha ex quer que eu me interne 9 meses para me dar uma chance mas eu acho que determinação trabalhar e a zona de conforto eh o melhor tratamento lógico abrindo mão de noitadas, amigos q usam, álcool, etc
    Tbm sou viciado em clonazepam para ansiedade crônica e síndrome do pensamento acelerado 10mg por dia 5 por dia prescrito isso pode ser um problema para dopamina caso eu ache um jeito da mesma processada no cérebro eu preciso ser normal rir tudo para mim é cálculo estatística probabilidade eu vivo de acordo com a maior % nas escolhas.

    Eu quero sentir eu tenho 3 filhos pequenos não tenho motivação paciência (meu sonho é um dia) Todos meus erros são de conhecimento meu até antes de fazer eu sabia que estava saindo com outra mulher levando e o risco e mesmo assim não era nem pra ficar com ela (fico me culpando, lamentando, pensei em dar um Shock de MDMA para abarrotar de dopamina deve fazer anos que essa área está morta não adianta qual exame Dr. só para ver se deu falência?

    Segundo passo para desintoxicar o cérebro eu pensei no efeito inverso (se essa substância que matou a produção de dopamina acelerar vou anestesia efeito novo oposto até sair .
    Meu tratamento se constatado falência será vitalício por ter usado muita cocaina na vida para eu sentir a dose tem que ser maior que a normal correto?

    Estou trabalhando numa fórmula de combinações de medicamentos para sanar esse problema e tá quase acabado eu acho que não vou viver para ver mas para nossas crianças pois se vc destrui dopamina o futuro sem essa fórmula vai ser doloroso para nova geração.

    Uso faz 16 anos, tive 2 overdoses tenho CID 31.5
    19 e m42
    34 anos

    Obrigado pela atenção.

  118. Valter Cardone de Barros disse:

    O que mais me impressionou, além da sua capacidade didática, foi o seu desejo de ajudar. Parabéns dr.

  119. Olá Dr. Roberto Franco,

    Gostei muito do seu site e de como a informação está compilada e a disposição do público.

    Sou tabagista e vou fazer início da medicação Cloridrato de Bupropiona, indicada pela minha Pneumologista. Ao fazer meu exame de sangue acusou um aumento na Prolactina para 17.5. A minha pergunta, a medicação pode me prejudicar por causa da prolactina aumentada ou ao contrário tratar este aumento. Ando me sentindo cansado, com irritabilidade exacerbada e com desejo sexual diminuído e tenho visto que esta é uma causa associada ao aumento da prolactina em homens. Tenho 41 anos de idade.

    Muito obrigado pela a atenção!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *