Progesterona – O que é e para que serve este importante hormônio?

progesterona

A progesterona junto com os estrogênios, são os principais hormônios na hora de regular o ciclo menstrual e a função reprodutiva nas mulheres.

O que é progesterona?

Progesterona é um hormônio  esteróide produzido a partir da puberdade na segunda fase do ciclo menstrual e pela placenta durante a gravidez . Sua principal função é favorecer e manter uma gestação saudável.

Onde é produzida a progesterona?

Pelos ovários quando inicia-se a puberdade até a menopausa e em grandes quantidades durante a gestação.

O que significa progesterona baixa?

Ela está baixa na menopausa e antes da puberdade. É normal estar baixa na primeira metade do ciclo menstrual . Não é normal estar baixa na segunda fase do ciclo menstrual podendo ser necessário sua reposição.

 


Para que serve a progesterona ?

  • Após a ovulação, ela se encarrega de preparar o útero para receber um embrião e garantir que a gestação seja bem-sucedida.
  • A queda  deste hormônio quando não ocorre a gravidez, determina a menstruação
  • Porém, quando ocorre a gravidez, ela aumenta para preparar o endométrio para o feto ( como um cama dentro do útero)
  • Prepara a mama para a amamentação
  • Foi provado que ela estimula a ação dos osteoblastos (células responsáveis pela formação dos ossos), dessa forma, sua ação na prevenção e controle da osteoporose é indiscutível.
  • Tem funções cerebrais como regulação do humor e controle de ansiedade por  ativar o neurotransmissor GABA
  • Alguns  autores defendem que a deficiência dela na segunda fase do ciclo menstrual , pode ser responsável pela TPM ( síndrome disfórica pré menstrual)

Como aumentar a progesterona?

Suspender pílula caso esteja usando ou através da reposição deste hormônio pela via oral, creme transdérmico ou via vaginal

 


HORMÔNIOS  E MAMA:

PROGESTERONA

 


CONCENTRAÇÃO DE PROGESTERONA EM MULHERES:

  • FASE FOLICULAR ( PRIMEIRA FASE DO CICLO  MENSTRUAL: 0.10 – 1.60 ng/mL
  • FASE LÚTEA ( SEGUNDA FASE DO CICLO MENSTRUAL : 2.50 – 32.0 ng/mL
  • PÓS-MENOPAUSA: 0.06 – 1.60 ng/mL
  • GRAVIDEZ: > 250 ng/mL

 


HORMÔNIOS ESTERÓIDES:

PROGESTERONA

 


CICLO MENSTRUAL:

Note que o pico de progesterona acontece depois da ovulação

progesterona

 


PROGESTERONA É DIFERENTE DE PROGESTOGÊNIOS ! 

Se  referir as pilulas anticoncepcionais como pílulas de progesterona causou uma ENORME confusão em todos!

Progesterona favorece a fertilidade , progestôgenios impede, ou seja , tem efeito contrário.

Mulheres que usam  anticoncepcionais, não usam progesterona e sim derivados de progesterona ( progestogênios) que tem efeito oposto ( ver abaixo)

Progesterona favorece a fertilidade e gravidez, sendo um tratamento para isso inclusive!

Progestogênios como é de se esperar, bloqueia a ovulação  e assim tem efeito anti -concepcional.

SINÔNIMOS:  Progestina, Progestógeno/progestágeno, progestagénio/progestogénio ou progestagênio/progestogênio, ou ainda gestágeno

progestererona


A progesterona isomolecular  ou biodêntica ( mesma estrutura molecular do hormônio produzido pelo organismo)  tem sido usada em várias situações como:

  • Hiperplasia endometrial
  • Síndrome pré-menstrual ( TPM)
  • Distúrbios da ovulação relacionados à deficiência de progesterona, como dor e outras alterações do ciclo menstrual,
  • Amenorréia secundária (ausência de menstruação)
  • Alterações benignas da mama;
  • Insuficiência lútea (diminuição de progesterona na segunda fase do ciclo);
  • Estados de deficiência de progesterona como na menopausa

Progesterona pela via vaginal  é indicada por médicos especialistas em fertilidade nas seguintes situações:

  • Suporte  durante a insuficiência ovariana ou carência ovariana completa de mulheres com diminuição da função ovariana (doação de oócitos);
  • Suplementação da fase lútea durante ciclos de fertilização in vitro ou ICSI (Injeção Intracitoplasmática de Espermatozóides);
  • Suplementação da fase lútea durante ciclos espontâneos ou induzidos (uso de indutores da ovulação), em caso de subfertilidade ou infertilidade (dificuldade de engravidar) primária ou secundária particularmente devido à anovulação (suspensão ou cessação da ovulação);
  • Ameaça de aborto precoce ou prevenção de aborto devido à insuficiência lútea (durante os primeiros três meses de gravidez).

Progesterona (natural , isomolecular ou biodêntica)  não aumenta a chance câncer de mama.

De acordo com Lieberman & Curtis (2017), há uma confusão na literatura médica mundial entre pesquisadores que confundem progesterona ( mesma estrutura química da encontrada no corpo humano ) com progestogênio ( com estrutura química bastante diferente daquela encontrada nas mulheres, resultando em diferentes ações no nível celular) .

São exemplos de progestogênios: acetato de medroxiprogesterona, levonorgestrel e noretisterona e outros como visto no quadro acima

Tas hormônios são usados em pílulas anticoncepcionais e em terapia de reposição hormonal na menopausa.

Lieberman& Curtis (2017) chegam a defender que a progesterona previne e protege contra o câncer de mama.

Estudos de peso mostram que a progesterona apresenta menor risco, e sugerem proteção contra o câncer de mama (Fournier et al, 2008; Cordina-Duverger, 2013; Asi et al, 2016; Stute et al,2018). Asi et al (2016), em estudo de revisão sistemática, incluindo 86.881 mulheres menopausadas, apresentaram resultados que sugerem maior risco de câncer de mama com uso de progestogênios quando comparados à Progesterona

Recentemente, outra revisão sistemática com Stute et al (2018) diz que há evidências de que: estrogênios combinados com uso oral ou vaginal da PROGESTERONA  não aumentam o risco de câncer de mama por até 5 anos de duração do tratamento e, após 6 anos, há evidências LIMITADA de que aumenta discretamente este risco.

Fonte: Dr Sérgio Cabral 


OUTRAS FUNÇÕES:

  • regula imunidade
  • reduz o inchaço
  • modula inflamações
  • estimula e regula a produção da glândula tireoide
  • mantém os níveis de coagulação do sangue em valores normais.
  • mantém os ossos fortes, produz colágeno, e ajuda a manter o sistema nervoso funcionando de forma adequada já que tem relação com a produção do neurotransmissor GABA.
  • Várias mulheres sofrem de depressão pós-parto, onde a supressão momentânea da produção de progesterona (responsável pela manutenção gravidez) provoca alterações no comportamento semelhante ao na TPM. Nesses casos a terapia à base de progesterona também se mostrou muito eficaz.

É um dos hormônio utilizados na terapia de reposição na menopausa, melhorando a qualidade do sono, trazendo mais calma e funcionando como antidepressivo, ao melhorar o humor das mulheres nesta fase de transição pois aumenta os níveis cerebrais de alopregnenolona e GABA

Além destas aplicações clínicas, atualmente também tem se utilizado a progesterona para o alívio de certos tipos de dor em mulheres.


Efeitos da progesterona intra-vaginal na dor e na contratilidade uterina em mulheres com ameaça de aborto.

Em mulheres que desejam engravidar, uma função adequada do corpo lúteo é importante tanto para melhorar a receptividade endometrial quanto para garantir a manutenção da gestação inicial.

Uma produção deste hormônio de forma  insuficiente pelo corpo lúteo poderia, então, levar tanto à infertilidade quanto a repetidas perdas gestacionais precoces.

Tendo em vista esta problemática, pesquisadores do Departamento de Obstetrícia, Ginecologia e Ciências Reprodutivas, da Universidade de Nápoles realizaram um estudo prospectivo, randomizado, duplo-cego, com cinquenta mulheres com diagnóstico prévio de fase lútea inadequada e ameaça de aborto, para estabelecer os efeitos do uso da progesterona intra-vaginal  na redução tanto da dor como das contrações uterinas.

progesterona

Os resultados demonstraram que o uso de progesterona foi eficaz tanto no alívio da dor quanto na frequência das contrações uterinas, ​​que diminuíram após 5 dias de administração de progesterona vaginal.

Concluindo, os autores afirmaram que as pacientes com ameaça de aborto podem se beneficiar do uso de progesterona intra-vaginal na redução das contrações uterinas e da dor.

O uso de progesterona vaginal também melhorou o resultado de gestações complicadas por ameaça de aborto e diagnóstico prévio de fase lútea inadequada.


Os efeitos do estradiol e da progesterona na sensibilidade à dor e nos receptores opioides cerebrais

Estudos anteriores realizados pelo laboratório da Dra. Gordon do College of Pharmacy, na Florida A&M University, mostraram que o estradiol e a progesterona afetam os níveis de β-endorfina e metencefalina em regiões cerebrais específicas.

Os resultados obtidos indicam que o tratamento com estradiol e progesterona isoladamente ou em combinação altera significativamente a latência da dor.

Estes achados sugerem que a diminuição da sensibilidade à dor induzida por estradiol ou progesterona não poderia ser explicada por seus efeitos sobre os receptores opioides.

Os efeitos previamente relatados de estradiol e progesterona nos níveis cerebrais de β-endorfina e metencefalina podem contribuir para os efeitos analgésicos desses esteroides.


Eficácia do estradiol transdérmico e da progesterona micronizada na prevenção de sintomas depressivos na transição da menopausa: um ensaio clínico randomizado

Estudo randomizado, duplo-cego, controlado por placebo, na Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill, de outubro de 2010 a fevereiro de 2016.

Os participantes incluíram mulheres perimenopausa  e pós-menopausa precoce da comunidade, com idades entre 45 e 60 anos.

Intervenções: Estradiol transdérmico (0,1 mg / d) ou placebo transdérmico por 12 meses. Progesterona micronizada oral (200 mg / d por 12 dias) também foi administrada a cada 3 meses p

Conclusões: Doze meses de   ESTRADIOL  + PROGESTERONA  foram mais eficazes que o placebo na prevenção do desenvolvimento de sintomas depressivos clinicamente significativos entre as mulheres perimenopausa inicialmente sem depressão e pós-menopausa precoce.


Você também podo gostar:

Menopausa – Por que não tratar?


PERGUNTAS E RESPOSTAS

Onde comprar progesterona?

Farmácias convencionais e de manipulação sempre com indicação médica

O que é progesterona biodêntica?

É a progesterona idêntica, com estrutura molecular idêntica à produzida pelo nosso organismo. Qualquer nome diferente deste, não é progesterona. Também é chamada de progesterona natural micronizada

Progesterona na gravidez?

Sim, é muito usada por médicos para manter viável a gestação e evitar aborto prematuro

Qual remédio contém progesterona?

O mais conhecido é o Utrogestan.

Progesterona engorda?

Negativo, pelo contrário, pode ajudar pois a mulher se sente bem e menos ansiosa com bons níveis de progesterona.

Usa-se progesterona na menopausa?

Sim, principalmente nas mulheres que tem útero pois ela protege o endométrio .Porém, tendo em vista os inúmeros benefícios dela, prescrevo para todas mulheres na menopausa que não tem contra indicações

Progesterona em homens?

Não vejo sentindo em dosar ou repor este hormônio em homens

Qual o sintoma de progesterona alta?

Sonolência é o mais comum quando se usa este hormônio mas também pode causar dor de cabeça, sensação de inchaço e alterações no ciclo menstrual.

Como utilizar progesterona pela vagina?

Cada cápsula gelatinosa deve ser introduzida profundamente na vagina.


 

 

REFERÊNCIAS

Modulation by progesterone of pain sensitivity to mechanical and ischemic stimuli in young and healthy women

http://www.repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/1/26

The effects of estradiol and progesterone on pain sensitivity and brain opioid receptors in ovariectomized rats.

https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0018506X9690029X

Progesterone metabolites, effective at the GABAA receptor complex, attenuate pain sensitivity in rats.

https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/0006899394900256

Estrogen and/or progesterone administered systemically or to the amygdala can have anxiety-, fear-, and pain-reducing effects in ovariectomized rats.

http://psycnet.apa.org/buy/2004-12681-006

Portal São Francisco: Progesterona

Luteal phase support

http://www.saudedireta.com.br/docsupload/1340105888Femina_v38n5p271-6.pdf

Effects of vaginal progesterone on pain and uterine contractility in patients with threatened abortion before twelve weeks of pregnancy

https://nyaspubs.onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1196/annals.1335.022

Função lútea em adolescentes normais com ciclos menstruais regulares  Luteal function in normal adolescents with regular menstrual cycles

Efeitos da terapia estrogênica transdérmica isolada ou associada à progesterona micronizada nos fatores de coagulação em mulheres menopausadas com e sem sobrepeso

HRT optimization, using transdermal estradiol plus micronized progesterone, a safer HRT M L’Hermite 1

The impact of micronized progesterone on breast cancer risk: a systematic review P Stute

Jama: Efficacy of Transdermal Estradiol and Micronized Progesterone in the Prevention of Depressive Symptoms in the Menopause Transition: A Randomized Clinical Trial
Jennifer L Gordon

 

Dr. Roberto Franco do Amaral Neto

Dr. Roberto Franco do Amaral Neto

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhe

2 respostas

  1. Nossa, eu estou simplesmente encantada com a forma como você trata esses assuntos. Já estou há um ano tratando SOP, e como sofro de enxaqueca crônica, não posso tomar contraceptivo oral para tratar, então, a gineco com quem me consulto receitou Glifage e Utrogestan, já que eu estava há mais de dois anos sem menstruar. Nos anos anteriores nunca havia sido diagnosticada com SOP, e há 1 ano, descobri que tenho. Estou prestes a completar 34 anos e fico preocupada de não conseguir engravidar por causa da ausência da ovulação, mas sigo tratando, na esperança que um dia conseguirei ter um bebê. Parabéns pelo trabalho que você faz, Dr. Roberto, me senti muito mais esclarecida a respeito do meu problema e do tratamento depois que li seus artigos, muito obrigada! Deus te abençoe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ARTIGOS RELACIONADOS

Mais lidAs