Guia sobre Hormônio do Crescimento – Growth Hormone (GH)

O hormônio do crescimento é um hormônio formado por um peptídeo de cadeia simples e secretado por uma glândula, pequena como um grão de feijão localizada na parte inferior do cérebro, chamada hipófise.

Como o nome diz, esse hormônio é absolutamente essencial para proporcionar o crescimento físico e a deficiência em sua produção é responsável pelos casos de nanismo, isto é, pela estatura muito baixa de algumas pessoas

O hormônio do crescimento continua sendo secretado na idade adulta após a parada do crescimento, implicando em importantes funções metabólicas do GH nesta fase da vida. Entre os 18 e 25 anos há uma queda exponencial na média de secreção de GH, com queda nos níveis de IGF -1.

Aos 60 anos, quase todas as pessoas tem taxa de secreção diária de GH baixíssimas.

Sua liberação no organismo ocorre principalmente à noite, em pulsos, nas primeiras horas de sono, desta forma não é difícil entender porque uma noite bem dormida liberaria uma descarga de GH no organismo.

 

SOMATOPAUSA:

Ocorre por um declínio exponencial na secreção de GH, o qual leva à deterioração da composição corporal ao longo do envelhecimento já que além de nos fazer crescer ao fim da adolescência, este hormônio tem a importante função de renovação, reparação de tecidos corpóreos e produção de colágeno.

Idealmente o diagnóstico deve ser realizado através da dosagem de IGF1 e e  teste de estímulo de Gh com INSULINA.

Consequências da deficiência de GH em adultos

Embora os sintomas sejam inespecíficos,os sinais são relevantes e podem levar a problemas que que resultem na redução do tempo de vida. Independente da época de início da deficiência os indivíduos sofrem uma gama de anormalidades metabólicas, de composição corporal e funcionais.

Sintomas:

  • Diminuição da vitalidade e energia
  • Diminuição da mobilidade física
  • Humor deprimido
  • Labilidade emocional
  • Ansiedade
  • Distúrbios da função sexual
  • Isolamento social

Sinais:

1- Alterações da composição corporal:

  • Redução da massa magra
  • Aumento da massa gorda
  • Aumento de gordura visceral
  • Redução da água corporal
  • Redução da densidade óssea

2- Diminuição da força

3- Aumento do IMC

4- Aumento da relação cintura quadril

5- Perfil lipídico anormal:

  • Aumento do colesterol total
  • Aumento do LDL
  • Redução do HDL

6- Aumento do fibrinogênio – fator de coagulação envolvido em eventos tromboembólicos

Resultado de imagem para growth HORMONE

GH: Hormônio do Crescimento, IGF-1: fator de crescimento da insulina 1. NO: óxido nítrico. Setas azuis indicam os efeitos produzidos pela diminuição da secreção de GH, enquanto 
setas vermelhas indicam como a aterosclerose é desenvolvida. Setas pretas indicam aumento ou diminuição, dependendo do endereço da seta. A seta verde indica que a falta de GH leva à diminuição da secreção de IGF-I.

 

Nas pessoas adultas com deficiência de GH, a reposição desse hormônio induz :

  • Aumento da energia
  • Melhora do bem-estar físico
  • Aumento da massa muscular de forma gradual e sem exageros, caso se use doses fisiológicas
  • Reduz o peso corporal com redistribuição da gordura abdominal
  • Melhora o raciocínio, a concentração e a memória
  • Melhora a qualidade do sono
  • Melhora os parâmetros cardiovasculares
  • Melhora o perfil lipídico
  • Melhora a qualidade de vide
  • Aumenta a densidade mineral óssea

Fonte: Livro Fisiologia e Fisiopatologia do Hormônio do Crescimento

Indicações:

  • A administração de GH a adultos deve obedecer a uma indicação clínica precisa, somada ao déficit laboratorial e físico.
  • Além disto outros parâmetros laboratoriais e de imagem devem ser analisados para ser usado com segurança.
  • Somente sob orientação médica o uso terapêutico do GH pode ser benéfico e seguro.
  • Os riscos do tratamento são bastante raros quando o GH é prescrito em doses fisiológicas e se bem indicado.

Contra indicações:

  • Doença maligna ativa
  • Hipertensão intracraniana
  • Insuficiência cardíaca severa
  • Retinopatia diabética
  • Gravidez

Efeitos colaterais: em geral visto em doses supra fisiológicas .

  • Edema e dor articular
  • Intolerância a glicose e resistência a insulina
  • Síndrome do túnel do carpo
  • Crescimento de extremidades

A relação do   GH  –  IGF 1  –  IGFBP3

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é robertofrancodoamaral.com.br-guia-sobre-hormonio-do-crescimento-growth-hormone-gh-diade-hipot-hipof-igfbp3.jpg

 

Hormônio do Crescimento (GH) e Sistema Imune

De maneira inversa, no mesmo tempo que recebíamos o alento quanto ao poderoso aliado, foi iniciada a especulação de que o GH deflagraria o aparecimento de cânceres, ou ainda favoreceria o aumento na velocidade daqueles pré-existentes, porém, em doses fisiológicas o que ocorre é provavelmente o contrário. Durante toda a nossa vida ocorre um constante embate entre o nosso sistema imunológico e células que perdem o senso proliferativo normal, assumindo postura cancerígena ou mais exatamente, iniciando um processo de replicação celular sem controle. Há algum tempo temos conhecimento da existência de células do sistema imunológico, matadoras naturais (Natural Killer-NK), as quais eliminam células iniciantes do processo tumoral e alguns trabalhos científicos demonstram que o GH tem relação com a boa performance das células NK como visto nos artigos abaixo:

  • Exogenous growth hormone treatment alters body composition and increases natural killer cell activity in women with impaired endogenous growth hormone secretion. Douglas M. Crist, Glenn T.
  • Lymphocyte subset distribution and natural killer activity in growth hormone deficiency before and during short-term treatment with growth hormone releasing hormone. W. Kiess, S. Malozowski, M. Gelato, O. Butenand, H. Doerr, B. Crisp, E. Eisl, A. Maluish, B.H Belohradsky.
  • Growth hormone, lymphocytes and macrophages. Keith W. Kelley.

 

Hormônio do crescimento ( GH) e colesterol.

Três estudos relacionados abaixo indicam que o tratamento com o hormônio de crescimento melhora o perfil lipídico sérico, reduzindo o colesterol total e LDL, o mau colesterol. Dois dos estudos também indicam que o perfil do HDL melhora após alguns meses de tratamento. Um dos estudos, realizado pelos pesquisadores do Departamento de Endocrinologia da University Hospital, em Malmo, Suécia e publicado no Clinical Endocrinology (Oxford), concluiu que o perfil lipídico dos 31 pacientes tratados melhorou, com a redução do LDL-colesterol no soro acompanhado de uma melhoria significativa da razão LDL/HDL e do HDL-colesterol após 12 meses de tratamento.

Veja os estudos:

  • “Effects of recombinant human growth hormone on serum lipid in aged male patients with chronic heart failure.” De um grupo chinês que usou GH humano recombinante no tratamento de pacientes com insuficiência cardíaca crônica (ICC), e concluiu que o GH influencia o metabolismo dos lipídeos, reduz o nível de LDL-Colesterol, e Colesterol Total (TC). No entanto GH não tem efeitos sobre o HDL-Colesterol e nível de triglicerídeos (TG).

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25244793

  • “The effects of GH replacement therapy on cardiac morphology and function, exercise capacity and serum lipids in elderly patients with GH deficiency”. Dos pesquisadores do Departamento de Endocrinologia da University Hospital, Malmo, Suécia.

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15212653

  • “The effect of recombinant human GH replacement therapy on lipoprotein(a) and other lipid parameters in adults with acquired GH deficiency: results of a double-blind and placebo-controlled trial.” Este estudo publicado por pesquisadores alemães do Departmento de Gastroenterologia e Endocrinologia, da Georg-August-University, em Göttingen, Alemanha, mostra um efeito desfavorável da terapia de substituição com GH humano recombinante nos níveis séricos da Lp(a), que é, contrabalanceada por um efeito favorável do GH no colesterol total (CT), LDL-C e nas razões CT/LDL-C e LDL-C/HDL-C.

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/9405024

 

Um estudo indica a terapia com hormônio de crescimento (GH) para Doença de Crohn

A doença de Crohn é uma desordem inflamatória crônica do intestino. Em um estudo realizado por pesquisadores do Departamento de Pediatria do Hospital da North Shore University e da Escola de Medicina da Universidade de Nova York, avaliou-se a administração do hormônio de crescimento (somatropina), bem como uma dieta rica em proteínas na melhora dos sintomas da doença.

Para isto, foram distribuídos aleatoriamente a 37 adultos com Doença de Crohn ativa moderada a grave, quatro meses de injeções de hormônio de crescimento auto-administráveis (dose de ataque de 5 mg por dia, por via subcutânea durante uma semana, seguido por uma dose de manutenção de 1,5 mg por dia) ou placebo. Todos os pacientes foram instruídos a aumentar a sua ingestão de proteínas em pelo menos 2 g por quilograma de peso do corpo por dia. Os pacientes continuaram a ser tratados pelos seus médicos habituais e receber outros medicamentos para a doença de Crohn. A meta primária dos cientistas foi a redução na pontuação do Índice de Atividade da Doença de Crohn ao término dos quatro meses do experimento. Os escores podem variar de 0 a 600, com escores mais altos indicando maior atividade da doença.

No início do experimento, a média de pontuação do Índice de Atividade da Doença de Crohn foi um pouco maior entre os 19 pacientes do grupo que tomou o hormônio de crescimento do que entre os 18 pacientes do grupo placebo. Ao final dos quatro meses, a pontuação do Índice de Atividade da Doença de Crohn havia diminuído em média de 143 pontos no grupo tratado com o hormônio de crescimento, em comparação com uma diminuição de apenas 19 pontos no grupo tratado com placebo. Este estudo sugere que o hormônio do crescimento pode ser um tratamento benéfico para pacientes com a Doença de Crohn.

Fonte:

A PRELIMINARY STUDY OF GROWTH HORMONE THERAPY FOR CROHN’S DISEASE

http://www.nejm.org/doi/pdf/10.1056/NEJM200006013422203

 

Hormônio do crescimento e  Cognição ( capacidade intelectual)

Dados recentes indicam que a terapia com hormônio do crescimento pode ter um papel na melhoria da função cognitiva. Terapia de substituição de GH em animais experimentais e humanos neutraliza disfunções relacionadas com a aprendizagem e a memória. Esta hormônio poderia interagir com receptores específicos localizados em áreas do sistema nervoso central que são associados a memória e aprendizagem. Acredita-se que o GH esteja envolvido na plasticidade sináptica, o que altera a capacidade cognitiva. GH também tem um efeito protetor no sistema nervoso central, tal como visto em em doentes com lesão medular. Os dados coletados a partir de modelos animais demonstram que o GH pode também estimular a neurogênese.
Fonte: Nature Reviews Endocrinology 9, 357-365 (June 2013) | doi:10.1038/nrendo.2013.78 Growth hormone and cognitive function Fred Nyberg & Mathias Hallberg

 

Hormônio do crescimento (GH) e Obesidade.

A obesidade tornou-se um dos problemas médicos mais comuns em países desenvolvidos, e esta doença está associada a alta incidência de hipertensão arterial, dislipidemia, doenças cardiovasculares, diabetes mellitus tipo 2 e câncer específicos. O GH estimula a produção do fator de crescimento semelhante à insulina 1 (IgF1) na maioria dos tecidos, e em conjunto GH e IgF1 exercem potentes ações coletivas em gorduras, proteínas e o metabolismo da glicose. Os ensaios clínicos para avaliar os efeitos de tratamento com GH em pacientes com obesidade mostraram reduções consistentes na massa total do tecido adiposo, em particular abdominal e viscerais . Além disso, os estudos em pacientes com obesidade abdominal demonstraram um efeito marcante da terapia GH sobre a composição corporal e em lipídios e glicemia. Portanto, a administração de GH humano recombinante ou a ativação da produção de GH endógeno tem um grande potencial para tratamento de obesidade e suas disfunções metabólicas No entanto, o uso clínico de GH tem controvérsias , por conta de dados conflitantes sobre os seus efeitos sobre a glicemia. Esta revisão fornece uma introdução ao papel do GH na obesidade e resume os dados clínicos e pré que descrevem como GH pode influenciar o estado obeso.

Nature Reviews Endocrinology 9, 346-356 (June 2013) | doi:10.1038/nrendo.2013.64 The GH/IGF-1 axis in obesity: pathophysiology and therapeutic considerations Darlene E. Berryman, Camilla A. M. Glad, Edward O. List & Gudmundur Johannsson

 

Efeitos do hormônio do crescimento (GH) no metabolismo da glicose e resistência à insulina em seres humanos

O hormônio do crescimento (GH) é importante para promover o crescimento somático e a regulação do metabolismo do substrato. A ação metabólica da GH ocorre em vários tecidos, incluindo o fígado, músculo, tecido adiposo e pâncreas, direta ou indiretamente, através do fator de crescimento semelhante a insulina 1. A ação diabetogênica da GH foi bem descrita em estudos anteriores in vivo. A terapia com GH antagoniza a ação da insulina nos tecidos periféricos, como o músculo esquelético, fígado e tecido adiposo, aumentando assim a produção de glicose a partir do músculo esquelético e do fígado e diminui a absorção de glicose a partir do tecido adiposo.

A produção de insulina é aumentada para compensar o aumento da glicose circulante após administração de GH. Em um artigo de revisão publicado em 2017 na Annals of Pediatric Endocrinology & Metabolism, pesquisadores coreanos analisaram os efeitos metabólicos do GH nos tecidos periféricos com foco no metabolismo da glicose e resistência à insulina e discutiram os resultados de estudos humanos, sobre os efeitos a longo prazo da administração de GH na resistência à insulina e na hiperglicemia.

“Diversos estudos em seres humanos sugeriram que a administração de GH em adultos deficientes em GH pode reduzir a adiposidade visceral e melhorar os distúrbio cardio-metabólicos”

Diversos estudos em seres humanos sugeriram que a administração de GH em adultos deficientes em GH pode reduzir a adiposidade visceral e melhorar os distúrbio cardio-metabólicos. No entanto, alguns estudos suscitaram preocupações com o aumento da resistência à insulina e diminuição da glicemia em jejum durante o tratamento com GH, especialmente em pacientes com obesidade e pacientes idosos. Estudos em crianças e adolescentes também sugeriram que a administração de GH pode induzir resistência à insulina em tratamento de curto prazo, mas suas consequências a longo prazo ainda não foram totalmente determinadas. Portanto, é prudente monitorar possíveis consequências negativas sobre o metabolismo da glicose durante e após a administração de GH.

 

O  hormônio do crescimento (GH) causa câncer?

A capacidade do GH, através do seu peptídeo mediador IGF-1, para influenciar regulação do crescimento celular tem sido o foco de muito interesse nos últimos anos. Nesta revisão, vamos explorar a associação entre GH e câncer. Dados experimentais disponíveis apoiam a sugestão de que o status do GH/IGF-1 pode influenciar o crescimento de tecidos neoplásicos. Extensos dados epidemiológicos existentes também suportam uma ligação entre o status do GH/IGF-1 e risco de câncer. Estudos epidemiológicos de pacientes com acromegalia indicam um risco aumentado de câncer colorretal, embora o risco de outros cânceres não esteja provado e um estudo de longo prazo no acompanhamento de crianças deficientes em GH, tratadas com GH hipofisário indicou um risco aumentado de câncer colorretal. Por outro lado, estudos extensivos dos resultados da reposição de GH em sobreviventes de câncer infantil não mostram evidências de novos cânceres e estudos de vigilância mais recentes de crianças e adultos tratados com GH revelaram nenhum aumento observado no risco de câncer. No entanto, dada a evidência experimental que indica que o GH/IGF-1 fornece um ambiente anti-apoptótico que possam favorecer a sobrevivência de células geneticamente danificadas, em observação de longo prazo é necessária; ao longo de muitos anos, até mesmo uma sutil alteração no meio ambiente nessa direção, apesar de não induzir o câncer, pode resultar na aceleração da carcinogênese.

Finalmente, mesmo que a terapia GH/IGF-1 não resultar em um pequeno aumento no risco de câncer em comparação com pacientes não tratados com deficiência de GH, é provável que o risco eventual será o mesmo que a população em geral. Esta restauração à normalidade terá de ser equilibrado com a morbidade conhecido de deficiência de GH não tratada

Fonte:

Does growth hormone cause cancer?

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16430706

O  hormônio do crescimento (GH) e o Mito do Câncer

Quando se fala em hormônio de crescimento (GH) sempre o associamos, de forma quase automática, ao aparecimento de cânceres. Apesar de haver um certo respaldo neste medo, que culturalmente vem se propagando, a literatura atual nos tranquiliza sobre este risco. Sobre o polêmico tema, a revista Oncotarget, na sua edição de novembro, publicou um artigo. O trabalho compilou diversos estudos em que foi usado GH. Obviamente que a prescrição do hormônio obedeceu os critérios diagnósticos vigentes e apenas aqueles com deficiência comprovada receberam o hormônio, totalizando mais de 11 mil pessoas. Surpreendentemente (ou não) os resultados foram no sentido oposto ao senso comum e ao que é veiculado pela mídia leiga. O uso de GH em pessoas com deficiência, reduziu de forma significativa o surgimento de cânceres.
Conclusão: “Our study suggests that growth hormone replacement therapy could reduce risk of cancer in adult with growth hormone deficiency.”
TEXTO: Dr Sávio Cardoso
Referência:
Li Z, et al. Growth Hormone replacement therapy reduces risk of cancer in adult with growth hormone deficiency: A meta-analysis. Oncotarget. (2016)

 

Segurança a longo prazo do hormônio do crescimento (gh)

Os dados preliminares de um estudo (SAGhE) sobre a segurança e adequação dos hormônios de crescimento levaram a preocupações com a segurança do GH recombinante humano, sugerindo que o GH pode aumentar a mortalidade e a incidência de AVC em pacientes tratados durante a infância para deficiência de GH ou baixa estatura. Em um artigo de revisão publicado em 2017 na Clinical Endocrinology, pesquisadores dinamarqueses e alemães revisaram os dados de segurança publicados, com foco em mortalidade, neoplasias, eventos cerebrovasculares e diabetes em uma série de registros de GH de grandes empresas farmacêuticas .

Esta revisão da literatura foi realizada usando o PubMed, o EMBASE e o Google Scholar para identificar todos os dados de segurança relevantes dos registros GH dos fabricantes publicados entre 1988 e abril de 2016. Os resultados foram selecionados manualmente para excluir publicações não relevantes; referências bibliográficas de artigos recuperados foram avaliadas para quaisquer referências adicionais.

Os dados publicados não suportam um risco aumentado de mortalidade em crianças ou adultos tratados com GH. Não houve evidência de aumento do risco de acidente vascular cerebral, novas doenças malignas, leucemia, tumores extracranianos não leucêmicos ou recorrência de malignidade intracraniana em pacientes sem fatores de risco. O risco de uma segunda neoplasia é aumentado, particularmente se os pacientes receberam radioterapia para um tumor do sistema nervoso central. Pode haver um risco aumentado de diabetes tipo 2 em pacientes tratados com GH, mas isso parece estar limitado a aqueles com fatores de risco pré-existentes.

“Os dados publicados não suportam um risco aumentado de mortalidade em crianças ou adultos tratados com GH”

CONCLUSÃO: Os pesquisadores concluíram que pacientes com fatores de risco para malignidade ou diabetes tipo 2 devem ser tratados com cautela e monitorados durante o seguimento, mas os dados publicados atuais fornecem segurança no perfil de segurança a longo prazo do GH em pacientes que recebem tratamento com GH.

 

O  hormônio do crescimento (GH) , produção de colágeno  e cicatrização de feridas

Green e col. (1985) afirmaram que o hormônio de crescimento estimula a formação de tecido por 2 mecanismos: um direto que leva a diferenciação de células precursoras e um mecanismo indireto, mediado pelo aumento do IGF-I, que estimula a proliferação celular por mecanismos autócrinos e parácrinos. Segundo estes autores o GH é capaz de influenciar o metabolismo dos fibroblastos levando a aumento da síntese da matriz, incluíndo os colágenos tipo I e III. Hollander e col. (1984) e Skottner e col. (1990)concluíram que o GH atua na fase inflamatória do processo cicatricial, por aumentar a produção dos fatores de crescimento ou sinergicamente sobre os fatores que atuam nessa fase. Rasmussen e col. (1992) observaram que em pacientes portadores de úlcera venosa crônica de perna, o hormônio do crescimento estimulou a cicatrização, demonstrado pela elevação do propeptídeo do colágeno tipo I e do colágeno tipo III12. Segundo Haukipuro e col. (1990) os propeptídeos dos colágenos I e III refletem a produção local dos colágenos tipo I e III. Vance (1990) sugeriu que o GH atuaria no fígado e em outros tecidos estimulando a produção do fator de crescimento “like”insulina (IGF-I) o qual é responsável por promover os efeitos de crescimento do GH

REFERÊNCIA: O HORMÔNIO DE CRESCIMENTO E A CONCENTRAÇÃO DE COLÁGENO NA CICATRIZAÇÃO DE FERIDAS CUTÂNEAS DE RATOS.  Maria de Lourdes Pessole

Tratamento com hormônio do crescimento (GH) para redução contínua da dor e melhora na qualidade de vida na FIBROMIALGIA severa.

O hormônio do crescimento pode ser um tratamento complementar efetivo para o manejo da dor e da fadiga em pacientes com fibromialgia, particularmente em um subconjunto com valores baixos de fator de crescimento insulina-like 1. Foram sugeridos defeitos funcionais na secreção de hormônio do crescimento (GH ou Growth Hormone, em inglês) e sua eficácia como tratamento complementar para a fibromialgia. Um estudo realizado por pesquisadores espanhóis investigou a eficácia e a segurança do GH em baixas doses como terapia complementar em pacientes com fibromialgia grave e níveis baixos de insulina tipo 1.

Um total de 120 pacientes foram matriculados em um estudo multicêntrico controlado por placebo durante 18 meses. Eles foram aleatoriamente designados para receber 0,006 mg/kg/dia de GH S.C. (grupo A, n = 60) ou placebo (grupo B, n = 60) durante 6 meses (fase cega). O grupo tratado com placebo foi trocado para o tratamento com GH do mês 6 até o mês 12 (fase aberta) e um período de seguimento após a descontinuação de GH foi realizado até o mês 18. Tratamento padrão para fibromialgia (inibidores seletivos de reabsorção de serotonina, opioides e amitriptilina) foi mantido ao longo do estudo.

No final do estudo, os pacientes do Grupo A apresentaram pontuações de Questionário de Impacto da Fibromialgia (FIQ) significativamente melhoradas (P = 0,01) em comparação com o grupo B. Embora a descontinuação de GH tenha agravado todas as pontuações em ambos os grupos durante o seguimento, o comprometimento da percepção da dor foi menos pronunciado no grupo tratado com GH (P = 0,05). Baseados nos resultados obtidos, os pesquisadores concluíram, neste maior e mais longo estudo controlado por placebo realizado em fibromialgia, que a adição de GH ao tratamento padrão foi eficaz na redução da dor.

Efeitos da terapia hormonal de crescimento (GH) na densidade óssea e risco de fratura em osteoporose relacionada à idade na ausência de deficiência de hormônio do crescimento: uma revisão sistemática e meta-análise .

O hormônio do crescimento (GH) é um hormônio peptídico que desempenha um papel central no metabolismo ósseo, tanto direta quanto indiretamente, através da produção local e sistêmica de fator de crescimento semelhante à insulina-1 (IGF-1). A importância do GH na fisiologia óssea é ilustrada em pacientes com deficiência de hormônio do crescimento, os quais apresentam baixa densidade mineral óssea (DMO) e aumento do risco de fraturas. Em adultos, a deficiência do hormônio do crescimento (GHD) tem sido associada à baixa densidade mineral óssea (DMO), efeito contrabalançado pela reposição do hormônio do crescimento (GH). Se GH é benéfico em adultos com perda de massa óssea relacionada à idade e sem hipopituitarismo, não está claro.

Para avaliar esta questão, uma equipe pesquisadores norte-americanos e libaneses realizaram uma pesquisa sistemática da literatura usando Medline, Embase e o Registro Cochrane de Ensaios Controlados. Os pesquisadores extraíram e analisaram os dados de acordo com os resultados ósseos incluídos (conteúdo mineral ósseo, densidade mineral óssea, biomarcadores ósseos e risco de fratura). Os resultados foram analisados por meio de uma meta-análise quando possível. Foram incluídos oito estudos. Sete estudos randomizados com 272 mulheres na pós-menopausa, de 61-69 anos, com o GH ou controle, por 6-24 meses, e o oitavo foi um julgamento de extensão.

Com exceção de um estudo, todas as mulheres receberam terapias concorrentes para osteoporose. Não houve efeito significativo do GH, em comparação com o controle, na DMO, da mesma forma, nenhum efeito foi observado no BMC. O GH resultou em uma tendência para o aumento da osteocalcina e nos marcadores de reabsorção óssea. Os pacientes que receberam GH tiveram uma diminuição significativa no risco de fratura em comparação com o controle. Os eventos adversos relatados não foram importantes, principalmente relacionados à retenção de líquidos.

Os pesquisadores concluíram, baseados nos resultados obtidos, que o GH pode não melhorar a densidade mineral óssea em mulheres com perda óssea relacionada à idade, mas pode diminuir o risco de fraturas. Estudos maiores de longa duração são necessários para explorar esses achados em ambos os sexos e investigar o efeito do GH na qualidade dos ossos.


 

 

1⃣  GH causa câncer??? NÃO! Porém devemos ter muito cuidado. ???????? O GH é um hormônio anabolizante – causa hipertrofia; e hiperplasia – aumento no número de células. O que isso quer dizer Dr?? Meu querido, se por algum motivo você já tenha algumas células cancerígenas, estas poderao se multiplicar com o uso do GH

. 2⃣  GH pode ser tomado em pó ou cápsulas??? Não!! GH é um peptídeo, assim como outros hormônios (a insulina e o glucagon) e com a administração oral/sublingual esta substância é degradada! Portanto, GH = Subcutâneo

! 3⃣  GH pode causar diabetes?! Sim! O GH é um hormônio contra-regulador da insulina. Ou seja, promove hiperglicemia. O uso INADVERTIDO pode aumentar a resistência do nosso corpo à insulina, e isto pode levar a um quadro de diabetes sim

! 4⃣  GH vai fazer eu emagrecer e ficar definido igual o AB-TONER?????????? Apesar das características citadas acima, os estudos científicos provam que há a necessidade da associação com atividade física e claro, alimentação adequada (formando o TRIPÉ da SAÚDE: nutrição, otimização hormonal e atividade física) a fim de otimizarmos a lipólise.

5⃣  GH faz crescer o meu queixo e meu nariz?? Se você não tiver indicação para o uso, sem dúvidas! O GH quando usado em doses supra-fisiológicas pode causar crescimento das extremidades ósseas.

6⃣  GH engrossa a voz?? Não!! GH é um anabolizante, não um esteroide! Não possui efeito androgênico (masculinizante).

7⃣  Tenho deficiência de GH, mas não tenho dinheiro! O que posso fazer Dr? Treine!!! Diversos estudos provam que o Agachamento Livre é um dos exercícios que mais promovem aumento na secreção de GH! Durma bem!!! O GH tem seu pico durante o sono. Desligue a TV, apague todas as luzes, desligue esse celular e durma bem!!

Otimize o consumo de Arginina, Zinco e Magnésio! Procure um médico capacitado que irá investigar e lhe orientar sobre a melhor forma de cuidar de toda sua orquestra hormonal!!

PERGUNTAS E RESPOSTAS :  retirado do blog do colega Dr Thiago Alcântara  http://drthiagoalcantara.com.br/Blog/gh-hormonio-do-crescimento/

 


Outras Referências:

The GH/IGF1 axis and signaling pathways in the muscle and bone: mechanisms underlying age-related skeletal muscle wasting and osteoporosis.

http://joe.endocrinology-journals.org/content/205/3/201.long

Circulating levels of IGF1 are associated with muscle strength in middle-aged- and oldest-old women.

http://www.eje-online.org/content/164/2/189.long

The Association of Serum Insulin-Like Growth Factor-I with Mortality, Cardiovascular Disease, and Cancer in the Elderly: A Population-Based Study.

http://press.endocrine.org/doi/10.1210/jc.2010-0940?url_ver=Z39.88-2003&rfr_id=ori:rid: crossref.org &rfr_dat=cr_pub%3dpubmed

The Prospective Association of Serum Insulin-Like Growth Factor I (IGF-I) and IGF-Binding Protein-1 Levels with All Cause and Cardiovascular Disease Mortality in Older Adults: The Rancho Bernardo Study.

http://press.endocrine.org/doi/10.1210/jc.2003-030967?url_ver=Z39.88-2003&rfr_id=ori:rid:crossref.org &rfr_dat=cr_pub%3dpubmed

Effects of human GH in men over 60 years old.

http://www.nejm.org/doi/pdf/10.1056/NEJM199007053230101

Growth hormone treatment for sustained pain reduction and improvement in quality of life in severe fibromyalgia

https://insights.ovid.com/pubmed?pmid=22465047

Effects of growth hormone therapy on bone density and fracture risk in age-related osteoporosis in the absence of growth hormone deficiency: a systematic review and meta-analysis

https://link.springer.com/article/10.1007%2Fs12020-017-1440-0

Effects of growth hormone on glucose metabolism and insulin resistance in human

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5642081/

Long-term safety of growth hormone-A combined registry analysis.

http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/cen.13502/abstract;jsessionid=CC83201D19C2DC51F2DDC9FE8DAE8F4A.f02t03

Para saber mais:

  1. “No evidence that GH replacement therapy affects the risk of cancer or cardiovascular disease”. Vance M, CJ. et al., “GH Therapy in Adults and Children. The New England Journal of Medicine. October 14, 2000.
  2. Although there has been concerns about an increased risk of cancer, reviews of existing well-maintained databases of treated patients have shown this theoretical risk to be nonexistent. M0olitch ME. et al., “Diagnosis of GH deficiency in adults – how good the criteria need to be? J Clin Endocrinol Metab 2002 Feb; 87(2):473-6
  3. No increase in cancer in children on GH replacement. No evidence of an increase risk of malignancy, recurrent or de novo. Shalet SM, Brennand BM, Reddingius RE. “Growth hormone therapy and malignancy Horm Res.” 1997;48 Suppl 4:29-32.
  4. There is no data to suggest that IGF-1 and IGFBP 3 modulate cancer risk in GH treated patients. There is no data to support that active malignancy is a contraindication for GH supplementation. No evidence that GH increases cancer recurrence or de novo cancer or leukemia. Hypopituitary patients have increased risk of cancer. Growth Hormone Research Society. J Clin Endo Metab, May 2001
  5. Growth hormone in obesityM Scacchi1, AI Pincelli1 and F Cavagnini*1 Second Chair of Endocrinology, University of Milan, IRCCS Ospedale San Luca, Istituto Auxologico Italiano, Milan, Italy
  6. Therapy: Growth hormone supplementation: a silver lining for the aged? Paul Lee & Ken K. Y. Ho
  7. Growth hormone treatment of obese women for 5 wk: effect on body composition and adipose tissue LPL activity B. Richelsen, S. B. Pedersen, J. D. Borglum, T. Moller-Pedersen, J. Jorgensen, J. O. Jorgensen. American Journal of Physiology .
  8. The Effects of Treatment with Recombinant Human Growth Hormone on Body Composition and Metabolism in Adults with Growth Hormone Deficiency. Franco Salomon, M.D., Ross C. Cuneo, F.R.A.C.P., Richard Hesp, B.Sc., M.Inst.P., and Peter H. Sönksen, M.D., F.R.C.P. N Engl J Med 1989; 321:1797-1803December 28, 1989DOI: 10.1056/NEJM198912283212605
  9. The Prospective Association of Serum Insulin-Like Growth Factor I (IGF-I) and IGF-Binding Protein-1 Levels with All Cause and Cardiovascular Disease Mortality in Older Adults: The Rancho Bernardo Study.
  10. Effect of Growth Hormone Treatment on Fractures and Quality of Life in Postmenopausal Osteoporosis: A 10-Year Follow-Up Study. Emily Krantz, Penelope Trimpou, Kerstin Landin-Wilhelmsen. The Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism, 2015; jc.2015-1757 DOI: 10.1210/jc.2015-1757
  11. Considering GH replacement for GH-deficient adults with a previous history of cancer: a conundrum for the clinician.Yuen KC1, Heaney AP2, Popovic V3..

     

     

     

 

Dr. Roberto Franco do Amaral Neto

Dr. Roberto Franco do Amaral Neto

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhe

18 respostas

  1. Boa tarde Dr Roberto.
    Tenho 23 anos e já medi meu GH 4 vezes. Dessas 4 vezes o meu GH sempre dá acima de 550 NG/ML. O último exame o resultado foi 581,0 ng/mL. É um valor muito alto? Porque o endocrino me encaminhou para o nível 3 e a endocrino do nível 3 me pediu mais exames. O que pode ser?

  2. Dr. Roberto , boa tarde!

    Fiquei internada no final do ano passado com forte dor na cabeça vômitos incontrolados ,tonteiras , tive alguns desmaios ,e apos vários exames foi possível observar um GH extremamente elevado ,PCR Alterado , repeti e ainda faço exames do GH de 15 em 15 dias e simplesmente vive alto , fiz ressonâncias do cranio , cela túrcica , abdômen total e nada , fui encaminhada pra oncologista , vários endócrinos, fiz varias TC e continuo tendo crises de tonteira ..mal estar , porem continuo somente com o GH muito elevado ,IGF1 e prolactina no limite do normal. Os médicos não conseguiram um diagnostico , tive crescimento do osso da face e dos pés, mais nada tão deformante , vivo a base de remédios pra náuseas receitados pelos médicos porem nem sempre funciona ,o primeiro medico falou de câncer encaminhou pro oncologista o segundo de acromegalia porem IGF1 dentro da normalidade( sem diagnostico) encaminhou pra outro profissional , e outro falou pra esperar que a qualquer momento aparecera um tumor na hipófise.
    Sinceramente estou sem direção , já passou por um diagnostico parecido? existe uma forma de diminuir essa produção descontrolada?

  3. Bom dia Dr.
    Me chamo Anderson e tenho 45 anos
    Por favor me oriente, aqui na região de Toledo/Cascavel em um urologista e uma endocrinoligsta que fui, um me mandou fazer reposição hormonal e outro disse que eu deveria procurar um psicólogo, no ultimo exame laboratorial deu:
    Terstosterona Total 927,30 ng/dl
    SHBG 72,50 nmol/l
    Testosterona livre 12,54 ng/dl
    Testosterona biodisponível 293,76 ng/dl
    Estradiol 58,16 pg/ml

    Não sei o que fazer
    As duas opções não achei interessantes, acredito que tenho testosterona total o suficiente, só o SHBG e o estradiol que estão altos.

  4. Também ficarei muito grato se o sr. puder indicar um bom profissional, pode ser Cascavel, Maringá ou próximo à essas cidades. Preciso resolver isso pra seguir minha vida adiante.

  5. Olá Dr. Quero saber se o GH equino tem finalidade para uso em humanos com o fim de ser visto como potente anabólico, ou ele não se liga aos receptores e não tem serventia alguma para seres humanos,pois muitos amigos me perguntam, e fiquei sem saber o que falar para eles, obrigado.

      1. Hola doctor. Pudo probar el mk677? Yo lo utilizo desde junio. Podría responderle preguntas. Aunque no he hecho análisis de sangre. Pero tengo en claro los síntomas y beneficios vividos.

  6. Olá, gostaria de saber se existe algum pré-requisito para parar de tomar o hormônio do crescimento. Isto porquê existem medicamentos que a gente não pode parar de uma vez só. É o caso da somatropina?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ARTIGOS RELACIONADOS

Mais lidAs

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Posts recentes

Me siga

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp