Dopamina e outros hormônios cerebrais envolvidos na Libido Feminina

O papel da dopamina na libido feminina tem cada vez mais sido estudo e compreendido por neurocientistas e psiquiatras e psicólogos

A cada dia aumenta a autonomia das mulheres, que cada vez mais se tornam figuras centrais de suas próprias vidas e de quem as cercam.

O paradigma social onde era exclusivo aos homens proverem suas famílias, ruiu e estes papéis são atualmente exercidos também pelas mulheres em diversas culturas.

As mulheres estão disputando cada vez mais vagas e postos antes ocupados somente pelos homens, portanto, precisam ser tão competitivas como os homens, além de também quererem ter prazer, como os homens.

Décadas atrás o prazer feminino era considerado totalmente desnecessário tento em vista que a mulher não precisaria dele para reproduzir.

O macho da casa dominava a relação como um todo, tanto do ponto de vista sexual como em outros âmbitos. A mulher era uma serva do homem em afazeres domésticos e sexuais, de modo a apenas dar prazer ao seu homem e continuidade à espécie.

Para a mulher chegar ao clímax é necessário primeiro ter o desejo sexual (libido), o qual por muitos anos foi pouco valorizado na mulher ao longo da história da medicina, muito provavelmente em função do machismo que sempre imperou.

Apenas nas últimas décadas que a libido feminina  passou a ser alvo de estudos por cientistas do mundo todo e os estudos sobre o assunto se multiplicaram desde então, em função da crescente ascensão das mulheres na sociedade.

A dopamina é sintetizada em uma região do cérebro chamada substantia nigra e áreas subjacentes.

Suas moléculas têm uma ação estimulante causando euforia, fluidez da fala e excitação. Vários estudos têm demonstrado a íntima relação da dopamina com o desejo sexual. Níveis baixos de dopamina tipicamente resultam em diminuição de libido.

Alguns medicamentos que bloqueiam a dopamina acabam também reduzindo a libido e a recíproca é verdadeira: medicamentos que aumentam a dopamina podem aumentar o desejo sexual.

O medicamento bupropiona, atua regulando os níveis de dopamina e  mulheres que fazem uso deste medicamento percebem melhora da libido com certe frequência

Estudos realizados nos últimos anos indicam que 65% das mulheres podem ter alterações da libido ao longo da vida.

Infelizmente apesar de um número tão alto, poucas mulheres são tratadas de maneira correta e muitas vezes seus relacionamentos desmoronam em função disso.

A diminuição ou ausência da libido na mulher não deve ser encarada como normal e nem a mulher pode se conformar com isso, achando que foi menos ”agraciada” pela natureza, como alguns profissionais insistem em dizer.

Independentemente da idade, a função sexual preservada é importantíssima, já que o grande motivo de nossa existência é a reprodução. A partir do momento em que não sentimos mais vontade de nos reproduzir, podem ter certeza, algo está errado.

E por favor, não aceite mais como resposta à esta situação: “- Você está estressada querida, precisa de férias”!


OUTROS  NEUROTRANSMISSORES ENVOLVIDOS NA LIBIDO

O estágio da libido é extremamente relacionado ao desejo por sexo e é considerado um fenômeno mediado pelo neurotransmissor dopamina.Vários estudos têm demonstrado esta íntima relação da dopamina com o desejo sexual. Níveis baixos de dopamina tipicamente resultam em diminuição de libido. Alguns medicamentos que bloqueiam a dopamina acabam também reduzindo a libido e a recíproca é verdadeira, medicamentos que aumentam a dopamina podem aumentar o desejo

A acetilcolina liberada no cérebro é quem nos faz fixar a atenção, manter-nos em estado de alerta, é umas responsáveis pela memória e criatividade. Também é liberada em terminações nervosas periféricas, levando à ereção e à produção de suor durante o ato sexual. A excitabilidade é determinada também pela acetilcolina apesar de não ser um neurotransmissor tão potente quanto a dopamina em termo de regular o desejo sexual, a depleção de acetilcolina afeta diretamente a libido. Baixos níveis deste neurotransmissor podem afetar o volume de sêmen.

Orgasmo é dependente de adrenalina e noradrenalina, do neurotransmissor GABA e do bloqueio da serotonina. O GABA é sintetizado a partir de glutamina e inositol. O GABA ajuda controlar os neurotransmissores estimulantes que podem causar ansiedade, inquietação e diminuir o desejo. Precisamos de GABA para praticar o famoso “relaxa e goza”, sem GABA ficamos raivosos. Este neurotransmissor também ajuda a produzir dopamina e como já sabem esta é de fundamental importância

       cat2

 

VOCÊ TAMBÉM PODE GOSTAR:

Dopamina, como aumentar a molécula da motivação.

Dr. Roberto Franco do Amaral Neto

Dr. Roberto Franco do Amaral Neto

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhe

2 respostas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ARTIGOS RELACIONADOS

Mais lidAs