Melhores suplementos para melhorar a disposição otimizando as mitocôndrias

As mitocôndrias são responsáveis pela geração de mais de 90% da energia necessária para o corpo estimular o crescimento e manter a vidaa estando presentes em todas as células do corpo humano, exceto as células vermelhas do sangue .

As mitocondrias convertem proteínas, gorduras e carboidrato em ATP, nossa principal forma de energia celular .

Quando mais velho ficamos menos mitocôndrias e menos produção de energia ( ATP).

 

300px-Animal_mitochondrion_diagram

 

Quando elas começam a falhar, menos energia é gerada dentro da célula, podendo causar lesão e até mesmo morte celular.

Se este processo for repetido por todo o organismo, sistemas inteiros começam a falhar e a qualidade de vida deste indivíduo fica severamente comprometida.,

A perda de função na mitocôndria, organela chave responsável pela produção de energia celular, pode resultar em EXCESSO DE FADIGA,  queixas frequente em quase toda doença crônica e ao longo do envelhecimento 

Favorecer  a biogênese mitocondrial pode ser um estratégia para nos mantermos ativos e com energia ao longo do envelhecimento

 


“FADIGA MITOCONDRIAL”;

Esta  FADIGA é muitas vezes descrita pelos pacientes como uma falta de energia, cansaço mental ou físico, resistência diminuída e recuperação prolongada após a atividade física, coisa bem comum de se ouvir de pessoas doentes e mais velhas

Mecanismos etiológicos subjacentes à fadiga não são bem compreendidos, no entanto, a fadiga é um sintoma característico da doença mitocondrial.

Por isso, uma revisão realizada por Filler et al.1 analisou estudos que investigaram a associação de marcadores de disfunção mitocondrial com fadiga e propôs possíveis direções de pesquisa para melhorar a compreensão do papel da disfunção mitocondrial na fadiga.

A busca minuciosa usando PubMed, Scopus, Web of Science, e Embase localizou 1.220 artigos.

A carnitina foi o marcador da função mitocondrial mais investigado.

A coenzima Q10 foi a segunda enzima mitocondrial mais comumente investigada.   Os baixos níveis de coenzima Q10 estiveram consistentemente associados à fadiga.

Os ensaios clínicos têm demonstrado a utilidade do uso de suplementos orais de reposição, tais como:

Combinações destes suplementos podem reduzir significativamente a fadiga e outros sintomas associados com a doença crônica e podem naturalmente restaurar a função mitocondrial, mesmo em pacientes de longo prazo com fadiga intratável.

doencas-mitocondriais

 


L Carnitina:

A L-carnitina é um aminoácido produzido no corpo. A L-carnitina ajuda o corpo a transformar gordura em energia levando os triglicérides que vem da dieta ou ou queima de gordura que foi quimada para  ser  transformada em energia (ATP) pela mitocondrias 

Pode ser usada nas seguintes  situações

Doença renal grave. A maioria das pesquisas sugere que tomar L-carnitina por via oral ou intravenosa (por via intravenosa) pode melhorar a contagem de glóbulos vermelhos durante a hemodiálise. A Food and Drug Administration (FDA) dos EUA aprovou a L-carnitina para o tratamento e prevenção da deficiência de L-carnitina em pessoas com doença renal grave que estão fazendo hemodiálise.

Deficiência de L-carnitina. O FDA aprovou a L-carnitina para o tratamento da deficiência de L-carnitina causada por certas doenças genéticas.

Dor no peito (angina). Tomar L-carnitina por via oral ou intravenosa (por via intravenosa) parece melhorar a tolerância ao exercício em pessoas com dor no peito. Tomar L-carnitina junto com o tratamento padrão também parece reduzir a dor no peito e melhorar a capacidade de exercícios em pessoas com síndrome cardíaca X. Pessoas com essa condição têm dor no peito, mas não bloqueiam as artérias.

Insuficiência cardíaca e acúmulo de fluidos no corpo (insuficiência cardíaca congestiva ou ICC). Tomar L-carnitina por via oral ou intravenosa (por via intravenosa) parece melhorar os sintomas e aumentar a capacidade de exercício em pessoas com insuficiência cardíaca. Tomar um produto específico contendo L-carnitina e coenzima Q10 também parece melhorar os sintomas de insuficiência cardíaca.

Doença renal grave (doença renal em estágio terminal ou ESRD). Pessoas no último estágio de doença renal grave de longo prazo precisam ser submetidas à hemodiálise, que pode reduzir os níveis de L-carnitina. A Food and Drug Administration (FDA) dos EUA aprovou a administração de L-carnitina por via intravenosa (por via intravenosa), mas não por via oral, para tratar e prevenir a deficiência de L-carnitina nesses pacientes. Existem evidências mistas sobre os efeitos da L-carnitina no tratamento de distúrbios causados ​​por baixos níveis de carnitina em pessoas com doença renal grave submetidas à hemodiálise. Tomar L-carnitina por via oral ou administrar L-carnitina por via intravenosa pode melhorar os marcadores de anemia e inflamação em pessoas com essa condição. Mas a L-carnitina não parece melhorar a qualidade de vida, as cãibras musculares, a pressão arterial baixa, a função respiratória ou o desempenho nos exercícios.

Tireóide hiperativa (hipertireoidismo). Tomar L-carnitina parece melhorar os sintomas, como batimento cardíaco acelerado ou acelerado, nervosismo e fraqueza em pessoas com níveis elevados de hormônio tireoidiano.

Condições em um homem que o impedem de engravidar uma mulher um ano depois de tentar engravidar (infertilidade masculina). A maioria das pesquisas mostra que tomar L-carnitina, sozinha ou em combinação com acetil-L-carnitina, aumenta a contagem e a movimentação dos espermatozóides em homens com problemas de fertilidade.

Inchaço (inflamação) do coração (miocardite). Tomar D, L-carnitina por via oral parece reduzir o risco de morte por miocardite.

Distúrbio hormonal que causa ovários aumentados com cistos (síndrome dos ovários policísticos ou SOP). O clomifeno é um medicamento usado para ajudar na ovulação. No entanto, não funciona bem em algumas mulheres com SOP. Nessas mulheres, tomar L-carnitina aumenta a ovulação e a chance de engravidar. Além disso, tomar L-carnitina pode ajudar na perda de peso e melhorar os níveis de açúcar no sangue nessas mulheres.

Efeitos colaterais tóxicos causados ​​pela droga ácido valpróico. A toxicidade causada pelo ácido valpróico parece estar associada à deficiência de L-carnitina. A administração de L-carnitina por via intravenosa (por via intravenosa) pode prevenir a toxicidade hepática grave em pessoas que ingeriram acidentalmente ou tomaram ácido valpróico em excesso.

 


 Coenzima Q10:

A coenzima Q10 é uma substância semelhante a uma vitamina encontrada em todo o corpo, mas especialmente no coração , fígado , rim e pâncreas . É consumido em pequenas quantidades em carnes e frutos do mar. A coenzima Q10 também pode ser feita em laboratório.

A coenzima Q10 é mais comumente usada para doenças que afetam o coração , como insuficiência cardíaca e acúmulo de fluido no corpo ( insuficiência cardíaca congestiva ou ICC), dor no peito ( angina ) e pressão alta 

Os sintomas de sua deficiência incluem:

  • insuficiência cardíaca, pressão arterial elevada 
  • dor no peito
  • dor muscular
  • baixo poder de concentração
  • usuário de remédio de colesterol possivelmente terá baixos níveis de coenzima Q10

 

 

REMÉDIOS PARA BAIXAR O COLESTEROL E DEFICIÊNCIA DE COENZIMA Q10:

Ao inibir a enzima HMG-CoA redutase, as estatinas bloqueiam não só a produção endógena de colesterol no fígado como também (de forma secundária) a síntese de coenzima Q10, o que explica a queda observada nos níveis deste antioxidante endógeno lipossolúvel em determinadas pessoas tratadas com estes medicamentos e maior chance de dor muscular, fraqueza, fadiga e rabdomiólise.

Ensaios controlados evidenciaram que o uso de estatinas causa uma redução significativa (de 19 a 54%) do nível plasmático de CoQ10  bem como a uma disfunção das mitocôndrias.

Num estudo realizado no hospital universitário de Praga em 2012, o uso de conzima Q10 durante 6 meses permitiu reduzir as dores musculares (mialgias) em cerca de 54% e a fraqueza muscular em 44%, ambas induzidas pela toma de estatinas.

 

cholesterol

 

 

 

A COENZIMA Q10 é provavelmente eficaz para:

  • Deficiência de coenzima Q10. Tomar a coenzima Q10 por via oral parece melhorar os sintomas da deficiência da coenzima Q10. Esta é uma condição muito rara. Os sintomas incluem fraqueza, fadiga e convulsões.
  • Grupo de doenças que mais frequentemente causam fraqueza muscular (miopatias mitocondriais). Tomar a coenzima Q10 por via oral parece reduzir os sintomas das miopatias mitocondriais. No entanto, a melhora dos sintomas é lenta. Algumas pessoas precisam tomar a coenzima Q10 por 6 meses para obter o máximo benefício.

A COENZIMA Q10 é possivelmente eficaz para:

  • Insuficiência cardíaca e acúmulo de fluidos no corpo (insuficiência cardíaca congestiva ou ICC). As primeiras pesquisas descobriram que a insuficiência cardíaca pode estar associada a baixos níveis de coenzima Q10. Algumas pesquisas mostram que tomar a coenzima Q10 pode ajudar a reduzir alguns sintomas de insuficiência cardíaca. A coenzima Q10 também pode reduzir as chances de morte ou hospitalização relacionadas à insuficiência cardíaca.
  • Dor nos nervos em pessoas com diabetes (neuropatia diabética). A pesquisa mostra que tomar a coenzima Q10 melhora os danos e dores nos nervos em pessoas com danos nos nervos causados ​​por diabetes.
  • Fibromialgia. Algumas pesquisas mostram que tomar a coenzima Q10 por via oral reduz a dor, a sensibilidade, a fadiga e os problemas de sono em pessoas com fibromialgia.
  • HIV / AIDS. Tomar a coenzima Q10 por via oral parece melhorar a função imunológica em pessoas com HIV / AIDS.
  • Dano tecidual causado quando há fluxo sanguíneo limitado e então o fluxo sanguíneo é restaurado (lesão de isquemia-reperfusão). A redução do suprimento sangüíneo durante a cirurgia cardíaca ou vascular pode privar o tecido de oxigênio. Quando o suprimento de sangue retorna a este tecido, o tecido pode ser danificado. Há algumas evidências de que tomar a coenzima Q10 por via oral por pelo menos uma semana antes da cirurgia de ponte de safena ou cirurgia dos vasos sanguíneos pode ajudar a reduzir os danos aos tecidos. No entanto, nem todas as pesquisas concordam com esse achado.
  • Enxaqueca. Tomar a coenzima Q10 por via oral parece ajudar a prevenir a enxaqueca. A pesquisa mostra que pode diminuir a frequência dessas dores de cabeça em cerca de 30% e o número de dias com náuseas relacionadas com a dor de cabeça em cerca de 45% em adultos. Mais da metade dos pacientes que tomam a coenzima Q10 experimentam uma redução de 50% no número de dias de dor de cabeça por mês. Tomar a coenzima Q10 também parece reduzir a frequência da enxaqueca em crianças com baixos níveis de coenzima Q10. Pode levar até 3 meses para ver qualquer benefício.
  • Esclerose múltipla (EM). Tomar a coenzima Q10 por via oral parece reduzir o cansaço e o mau humor em pessoas com EM.
  • Grupo de doenças hereditárias que causam fraqueza e perda muscular (distrofia muscular). A ingestão da coenzima Q10 por via oral parece melhorar o desempenho físico em algumas pessoas com distrofia muscular.
  • Ataque cardíaco. Quando iniciada dentro de 72 horas de um ataque cardíaco e tomada por um ano, a coenzima Q10 parece reduzir o risco de eventos relacionados ao coração, incluindo outro ataque cardíaco.
  • Doença que causa ereções curvas e dolorosas (doença de Peyronie). A pesquisa mostra que tomar a coenzima Q10 melhora a função erétil em homens com ereções dolorosas.

 

Contém além da coenzima Q10, vitamina E e ômega 3

 

 

 


Pirroloquinolina quinona – PQQ:

Em 2010, pesquisadores da Universidade da Califórnia na cidade de Davis, lançaram um artigo de revisão mostrando que o papel fundamental da Pirroloquinolina quinona – PQQ (uma vitamina do complexo B) no crescimento e desenvolvimento, decorre de sua capacidade única para ativar vias de sinalização diretamente envolvidas no desenvolvimento, funções e metabolismo energético celular.

O estudo demonstrou de modo muito significativo que a PQQ não só protege a mitocôndria do estresse oxidativo, mas promove a geração espontânea de novas mitocôndrias (biogênese mitocondrial) nas células em processo de envelhecimento.

Trata-se de um antioxidante extremamente potente, até cinco mil vezes mais eficaz que a vitamina C (veja meu post Déficit de Memória, Envelhecimento e a Importância da PQQ).

 

Contém além da PQQ,  PQQ , ácido alfa lipóico e taurina


Ácido Alfa Lipóico:

leia mais

Ácido Lipóico (ALA) e suas Inúmeras Funções


D-Ribose:

A ribose é um tipo de açúcar produzido pelo corpo responsável pela geração de energia

Ribose é usado para doenças cardíacas, função mental, desempenho atlético, síndrome da fadiga crônica (SFC), fibromialgia e muitas outras condições, mas não há boas evidências científicas para apoiar esses usos.

Como funciona?

A ribose é uma fonte de energia que o corpo produz a partir dos alimentos. Há algumas evidências de que a ribose suplementar pode prevenir a fadiga muscular em pessoas com doenças genéticas que impedem a produção de energia suficiente pelo corpo. Pode fornecer energia extra ao coração durante os exercícios em pessoas com doenças cardíacas .

Possivelmente eficaz para:

  • Doença cardíaca. A administração de ribose por via intravenosa (por via intravenosa) parece melhorar a capacidade do coração de se contrair em pessoas com doenças cardíacas. Tomar ribose por via oral parece ser benéfico para diminuir a dor no peito e melhorar a capacidade do coração de controlar o fluxo sanguíneo baixo em pessoas com doenças cardíacas.
  • Insuficiência cardíaca congestiva (CHF). A administração de ribose por via oral parece melhorar a qualidade de vida e algumas medidas da função cardíaca em pessoas com ICC.

Dosagem

As seguintes doses foram estudadas em pesquisas científicas:

Via oral:

  • Para doenças cardíacas : 60 gramas por dia durante 3 dias foram administrados sob a orientação de um médico.
  • Insuficiência cardíaca congestiva (ICC) : foram tomados 5 gramas três vezes ao dia por até 8 semanas.

Intravenosa:

  • Para doenças cardíacas : Uma solução de ribose a 10% pode ser administrada em uma dose determinada por um profissional de saúde.

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 


Referências

 

Types of Mitochondrial DiseaseURL do Mídia incorporadaCole um link para o conteúdo que você deseja exibir no seu site.IncorporarSaiba mais sobre códigos incorporados(abrir em uma nova aba)Este conteúdo não pode ser incorporado.Tentar novamente Converter para link

Luft, R. The development of mitochondrial medicine. [Review]

Síndrome de BarthURL do Mídia incorporadaCole um link para o conteúdo que você deseja exibir no seu site.IncorporarSaiba mais sobre códigos incorporados(abrir em uma nova aba)Este conteúdo não pode ser incorporado.Tentar novamente Converter para link

Christodoulou, J. Barth syndrome: clinical observations and genetic linkage studies.URL do Mídia incorporadaCole um link para o conteúdo que você deseja exibir no seu site.IncorporarSaiba mais sobre códigos incorporados(abrir em uma nova aba)Este conteúdo não pode ser incorporado.Tentar novamente Converter para link

Atrofia ótica, tipo LeberURL do Mídia incorporadaCole um link para o conteúdo que você deseja exibir no seu site.IncorporarSaiba mais sobre códigos incorporados(abrir em uma nova aba)Este conteúdo não pode ser incorporado.Tentar novamente Converter para link

Síndrome de LeighURL do Mídia incorporadaCole um link para o conteúdo que você deseja exibir no seu site.IncorporarSaiba mais sobre códigos incorporados(abrir em uma nova aba)Este conteúdo não pode ser incorporado.Tentar novamente Converter para link

Cerebral creatine deficiency syndromes: clinical aspects, treatment and pathophysiology.URL do Mídia incorporadaCole um link para o conteúdo que você deseja exibir no seu site.IncorporarSaiba mais sobre códigos incorporados(abrir em uma nova aba)Este conteúdo não pode ser incorporado.Tentar novamente Converter para link

Human Coenzyme Q10 DeficiencyURL do Mídia incorporadaCole um link para o conteúdo que você deseja exibir no seu site.IncorporarSaiba mais sobre códigos incorporados(abrir em uma nova aba)Este conteúdo não pode ser incorporado.Tentar novamente Converter para link

Doenças mitocondriaisURL do Mídia incorporadaCole um link para o conteúdo que você deseja exibir no seu site.IncorporarSaiba mais sobre códigos incorporados(abrir em uma nova aba)Este conteúdo não pode ser incorporado.Tentar novamente Converter para link

Energizing sick mitochondria with vitamin B3: Effective treatment for mitochondrial diseaseURL do Mídia incorporadaCole um link para o conteúdo que você deseja exibir no seu site.IncorporarSaiba mais sobre códigos incorporados(abrir em uma nova aba)Este conteúdo não pode ser incorporado.Tentar novamente Converter para link

Déficit de Memória, Envelhecimento e a Importância da PQQURL do Mídia incorporadaCole um link para o conteúdo que você deseja exibir no seu site.IncorporarSaiba mais sobre códigos incorporados(abrir em uma nova aba)Este conteúdo não pode ser incorporado.Tentar novamente Converter para link

Mitochondrial dysfunction and chronic disease: treatment with natural supplements.URL do Mídia incorporadaCole um link para o conteúdo que você deseja exibir no seu site.IncorporarSaiba mais sobre códigos incorporados(abrir em uma nova aba)Este conteúdo não pode ser incorporado.Tentar novamente Converter para link

Association of Mitochondrial Dysfunction and Fatigue: A Review of the Literature.

Nutrientes e Mitocondria

Metabolismo mitocondrial, radicais livres e envelhecimento URL do Mídia incorporadaCole um link para o conteúdo que você deseja exibir no seu site.IncorporarSaiba mais sobre códigos incorporados(abrir em uma nova aba)Este conteúdo não pode ser incorporado.Tentar novamente Converter para link

Beyond Resveratrol: The Anti-Aging NAD FadURL do Mídia incorporadaCole um link para o conteúdo que você deseja exibir no seu site.IncorporarSaiba mais sobre códigos incorporados(abrir em uma nova aba)Este conteúdo não pode ser incorporado.Tentar novamente Converter para link

Role for a water-soluble form of CoQ10 in female subjects affected by fibromyalgia. A preliminary study.URL do Mídia incorporadaCole um link para o conteúdo que você deseja exibir no seu site.IncorporarSaiba mais sobre códigos incorporados(abrir em uma nova aba)Este conteúdo não pode ser incorporado.Tentar novamente Converter para link

Ubiquinol-10 supplementation improves autonomic nervous function and cognitive function in chronic fatigue syndrome.URL do Mídia incorporadaCole um link para o conteúdo que você deseja exibir no seu site.IncorporarSaiba mais sobre códigos incorporados(abrir em uma nova aba)Este conteúdo não pode ser incorporado.Tentar novamente Converter para link

Can coenzyme Q10 improve clinical and molecular parameters in fibromyalgia?URL do Mídia incorporadaCole um link para o conteúdo que você deseja exibir no seu site.IncorporarSaiba mais sobre códigos incorporados(abrir em uma nova aba)Este conteúdo não pode ser incorporado.Tentar novamente Converter para link

Oxidative stress correlates with headache symptoms in fibromyalgia: coenzyme Q₁₀ effect on clinical improvement.URL do Mídia incorporadaCole um link para o conteúdo que você deseja exibir no seu site.IncorporarSaiba mais sobre códigos incorporados(abrir em uma nova aba)Este conteúdo não pode ser incorporado.Tentar novamente Converter para link

Dr. Roberto Franco do Amaral Neto

Dr. Roberto Franco do Amaral Neto

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Compartilhe
Compartilhar no whatsapp
Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ARTIGOS RELACIONADOS

Mais lidAs

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Posts recentes

Me siga

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp