Glutamina e seus Benefícios na Imunidade e na Obesidade

 

Ela é considerada um aminoácido não essencial, uma vez que pode ser sintetizada pelo organismo a partir de outros aminoácidos.

A literatura científica cresceu bastante, evidenciando diversos benefícios que alguns suplementos, como a glutamina, podem nos oferecer.

Devemos compreender que a glutamina é o aminoácido mais abundante no plasma e no músculo esquelético

Este aminoácido é o combustível mais importante para certas células imunológicas e pode ter um efeito especial sobre a estimulação imune.

Efeitos sobre o sistema digestivo e imunidade:

Estudos recentes evidenciaram um papel crítico para a glutamina na mucosa intestinal.

Uma revisão feita por pesquisadores da Universidade de Pavia e da Universidade de Bari, na Itália, em 2019, constatou que este aminoácido é um grande aliado para a saúde da microbiota intestinal.

A mesma revisão mostra que os mecanismos dos efeitos potencialmente protetores da glutamina ajudam a manutenção da integridade da mucosa intestinal, modulação da resposta inflamatória, biossíntese de nucleotídeos, metabolismo energético e estímulo da imunidade.

Por essas razões, este suplemento tem sido usado para melhorar o reparo da mucosa intestinal em tratamentos de quimioterapia, infecções, trauma e inflamação.

Em outra pesquisa, autores de um estudo descobriram que a suplementação de glutamina diminuiu a proporção de Firmicutes para Bacteroidetes (de 0,85 para 0,57) em indivíduos obesos, em comparação com a suplementação de alanina. .

Estudos prévios já demostram que a proporção maior de firmicutes em relação a bacterioidetes está relacionada a obesidade. .

No que diz respeito a constipação um estudo recente feito em animais constipados e que foram suplementados com glutamina, foi observado um aumento da microbiota intestinal dos filos Bacteroidetes e Actinobacteria.

Sugerindo que a suplementação de glutamina pode melhorar a constipação e melhorar a função intestinal, regulando a microbiota endógena do intestino. .

Para finalizar, obesidade e a saúde da microbiota intestinal estão profundamente ligadas. Em um estudo recente foi demonstrado que a suplementação de glutamina induziu uma redução na circunferência da cintura e na concentração sérica de lipopolissacarídeos em voluntários com excesso de peso

 A barreira intestinal, quando normal, responde à invasão de bactérias principalmente através do anticorpo chamado IgA, secretado pelo tecido imunológico associado ao intestino.

O IgA é secretado no trato intestinal e possui a capacidade de impedir a aderência de bactérias na mucosa, que é a etapa inicial e pré-requisito para colonização e invasão de bactérias. 

Efeitos na performance esportiva:

Quando falamos de performance temos que levar em consideração desempenho aprimorado, recuperação acelerada e dano muscular reduzido.

Tem sido frequentemente sugerido por vários estudos que suplementos nutricionais podem aumentar o desempenho atlético e este está altamente relacionado à função muscular e síntese proteica muscular.

Alguns estudos excelentes têm mostrado que a suplementação de glutamina pode aumentar o glicogênio (reserva energética), ter efeitos anticatabólicos e aumentar a absorção de água e eletrólitos.

 

Glutamina e Obesidade:

A glutamina pode ajudar as pessoas com obesidade a reduzir a inflamação do tecido adiposo e reduzir a massa gorda, de acordo com um novo estudo do Karolinska Institutet, na Suécia, e da Universidade de Oxford, no Reino Unido. Os pesquisadores também mostram como os níveis de glutamina podem alterar a expressão gênica em vários tipos celulares.


Neste estudo, divulgado no final da semana passada, os investigadores recolheram tecido adiposo do abdómen de 52 mulheres obesas e 29 não-obesas, concluindo que «os processos metabólicos diferiam, tendo identificado a glutamina como «o aminoácido que apresentou as maiores diferenças ao comparar os dois grupos.

Segundo os resultados da investigação, «as mulheres obesas tinham, em média, níveis mais baixos de glutamina no tecido adiposo do que as que apresentavam um peso normal. Além disso, níveis mais baixos de glutamina também foram associados ao maior tamanho das células adiposas e ao maior percentual de gordura corporal, independentemente do índice de massa corporal».

Os nossos resultados sugerem que o tratamento com glutamina pode ser valioso contra a obesidade e a resistência à insulina», salienta um dos autores do estudo, Mikael Ryden 

 

 

 

 

GLUTAMINAS DISPONÍVEIS

 

 

 


REFERÊNCIAS

Dr. Roberto Franco do Amaral Neto

Dr. Roberto Franco do Amaral Neto

Compartilhar:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ARTIGOS RELACIONADOS

Mais lidAs

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Posts recentes

Me siga

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp