Fadiga Adrenal – O Mal do Século | Dr. Roberto Franco do Amaral Neto

Fadiga Adrenal – O Mal do Século

Hormônios

17 de janeiro de 2014

 mosaico

Este artigo tem como objetivo abordar alguns dos equívocos em torno da fadiga adrenal.  Apesar de excelentes livros terem sido escritos pelo Dr. James Wilson e diversos outros pesquisadores, muitos dentre os profissionais médicos ainda não reconhecem essa condição sub-diagnosticada.

A fadiga adrenal afeta de forma pandêmica a atual civilização, em razão de vários fatores como os  descritos  abaixo:

  • Medo
  • Estresse emocional
  • Perda em  emprego
  • Pressão no trabalho
  • Pressão na escola/ faculdade
  • Pressão financeira
  • Alergia
  • Cigarro
  • Cafeína
  • Exercicios demais ou  demenos
  • Toxinas
  • Relacionamentos amorosos em crise  ou rompimentos
  • Peras de entes queridos
  • Violência urbana
  • Caos Urbano
  • Bullyng
  • Preocupações familiares  principalmente  com filhos ou pais doentes
  • Infecções e internações

estressores

Tudo isso, dificulta a atividade humana, impedindo, inclusive, que as pessoas continuem produtivas sob o ponto de vista social e econômico. Com este artigo, espero fornecer um recurso informativo para todos os que sofrem de fadiga adrenal.

O que é fadiga adrenal? E por que provoca tantos sintomas e tantas queixas?

As glândulas adrenais são uma parte importante de seu sistema endócrino, responsável pela sua pressão arterial, ciclo do sono, imunidade, regula o metabolismo do sódio, do potássio, da água e dos carboidratos e também regula as reações do corpo humano ao estresse, o eixo HPA.

O Eixo HPA

O eixo HPA é um conjunto complexo de relações e sinais que existem entre o hipotálamo, a hipófise e as glândulas suprarrenais. Esta relação é uma parte absolutamente indispensável da nossa existência, mas é muito difícil de entender. É um assunto complicado, e a maneira que as glândulas suprarrenais, hipófise e hipotálamo interagem uns com os outros tem sido objeto de consideráveis investigações.

HPA

Estas glândulas se localizam uma sobre cada rim e são constituídas de duas porções, o córtex e a medula. A medula adrenal secreta as catecolaminas noradrenalina e adrenalina, sendo a principal fonte de adrenalina no corpo. O córtex adrenal secreta três tipos de hormônios: mineralocorticoides (aldosterona), glicocorticoides (cortisol e corticosterona) e androgênios (hormônios sexuais).

adrenal

Estas glândulas constituem a primeira parte do corpo a ser diretamente atingida pelos efeitos do estresse e, nessas situações, passam a funcionar de forma errada e não secretam os hormônios que deveriam. O estado de estresse crônico em sua fase mais avançada ocorre devido à falência parcial da glândula suprarrenal, o que provoca a diminuição gradativa do cortisol. Como o cortisol equilibra o sistema imunológico, na sua falta, a pessoa fica mais suscetível a inflamações, infecções, alergias, dermatites, dores musculares e articulares.

mulher fadiga

Sintomas de fadiga adrenal

Além do cansaço, outros sinais que denunciam esta condição clínica são: infecções e gripes frequentes, ganho de peso e dificuldade em emagrecer, ansiedade e irritabilidade, alterações do sono, baixa libido, tonturas, baixa concentração, apatia, compulsão por doces, salgados, cafeinados e frituras.

Sintomas mais comuns:

- Dificuldade de se levantar todas as manhãs, mesmo depois de um longo sono

- Altos níveis de fadiga ao longo do dia

- Incapacidade de lidar com o estresse  - irritação demasiada

- Desejos por alimentos salgados ou doces

- Níveis mais elevados de energia à noite

- Sistema imunológico enfraquecido

Sintomas menos comuns:

Há um grande número de outras queixas que estão associados com a fadiga adrenal. Muitos deles estão ligados diretamente a uma das queixas mais comuns listados acima. Dependendo do estágio de fadiga adrenal, podem ocorrer um pequeno  ou um grande número destes sintomas.

Asma, alergias ou problemas respiratórios; círculos escuros sob os olhos; tontura; pele seca; cansaço extremo de uma hora após o exercício; micção frequente; dor nas articulações; perda do tônus ​​muscular, pressão arterial baixa; glicemia alta; baixo desejo sexual, dor nas costas; dormência nos dedos / má circulação; ganho de peso.

Então, se você tem sentido dificuldades para acordar, come exageradamente durante a tarde, não demonstra o menor interesse por sexo e se irrita com facilidade, talvez seja a hora de procurar um especialista. Fadiga adrenal ocorre devido à exposição prolongada ao estresse do trabalho, estresse emocional ou doença crônica. Testes hormonais fornecem um diagnóstico preciso.

A fadiga adrenal é raramente diagnosticada por médicos, mesmo em face das evidências apresentadas pelos novos trabalhos. Há três razões pelas quais os médicos são tão relutantes:

- Os testes de laboratório são inconclusivos

- Os médicos são desencorajados a diagnosticar Fadiga Adrenal  pela principal responsável pelo conhecimento médico tradicional, a indústria  farmacêutica. Imaginem  quantos problemas de saúde poderiam ser evitados com o equilíbrio  desta glândula.

- Inércia nos protocolos  médicos

(Para saber mais: http://adrenalfatiguesolution.com/adrenal-fatigue-a-controversial-diagnosis/)

Os quatro estágios de fadiga adrenal

O termo fadiga adrenal pode em muitos aspectos ser enganoso, porque descreve uma variedade de diferentes estados no caminho que levam à exaustão adrenal. Na verdade, a maioria dos doentes de fadiga adrenal felizmente nunca alcançam os últimos estágios da doença, e muitas vezes se recuperam totalmente da fase 1 ou 2 da fadiga adrenal sem nunca ter sido diagnosticada corretamente.

Fases

Características

Sintomas

Primeira Fase:

Início da fase de ‘alarme’

 

Esta etapa descreve reação imediata do organismo a um estressor. Testes de laboratórios mostram níveis elevados de adrenalina, noradrenalina, cortisol, DHEA e insulina. Estado de maior excitação e atenção. No entanto os padrões de sono podem alterar e você pode sentir cansaço intermitente.

Segunda Fase:

Continuando a fase de ‘alarme’

Os níveis de DHEA e outros hormônios sexuais podem começar a cair. Isso ocorre porque os recursos necessários para produzir os hormônios sexuais estão sendo desviados para a produção de hormônios do estresse, como cortisol. Durante este estágio, você vai começar a sentir os efeitos do excesso de esforço das suas adrenais. Um sentimento comum é a de estar “inquieto, mas cansado”. Nesta fase, cuidado com o café.

Terceira Fase:

A fase de ‘Resistência’

Durante esta fase, o sistema endócrino continua a se concentrar na produção de hormônios do estresse, à custa de hormônios sexuais. Os níveis de DHEA e outros hormônios sexuais continuam a cair Neste ponto, o indivíduo ainda é capaz de funcionar, ter um emprego e continuar uma vida bastante normal. Os sintomas incluem cansaço, falta de entusiasmo, infecções regulares e um menor impulso sexual. Esta fase pode continuar por vários meses ou mesmo anos.

Quarta Fase:

A fase de ‘Burnout’

Depois de algum tempo o corpo esgota as maneiras de fabricar os hormônios do estresse, e os níveis de cortisol, finalmente, começam a cair. Agora, os níveis de ambos os hormônios sexuais e os hormônios do estresse estão baixos. Durante este estágio final de fadiga adrenal, o indivíduo pode sofrer de cansaço extremo, falta de desejo sexual, irritabilidade, depressão, ansiedade, perda de peso, apatia e desinteresse pelo mundo ao seu redor. A recuperação desta fase da fadiga adrenal requer um tempo significativo, paciência e muitas vezes e mudança completa no estilo de vida.

Cafeína realmente dá energia?

cafe

O que acontece cada vez que você bebe uma xícara de café? Seu cérebro envia uma mensagem para a glândula hipófise, que libera um hormônio que diz às suas adrenais para produzirem adrenalina e o hormônio do estresse cortisol. Em outras palavras, você está provocando exatamente o mesmo tipo de resposta ao estresse que seu corpo usa quando você está em perigo físico iminente.

Se você só toma o ocasional copo de café, suas glândulas adrenais será capaz de reagir rapidamente e eficazmente a este tipo de estimulação. Mas se você está bebendo várias xícaras de café por dia, você começa a notar uma reação enfraquecida. Algumas pessoas podem dizer que sua “tolerância” tem aumentado, ou se orgulhar de que seu corpo apenas processa-lo melhor, mas a verdade é um pouco diferente. Depois de longo prazo e repetidas doses de cafeína, suas glândulas supra-renais são simplesmente enfraquecido e menos capaz de responder adequadamente.

 Fadiga adrenal e Sistema Imunológico

 Os hormônios produzidos pelas glândulas adrenais e particularmente o cortisol, desempenham um papel importante na regulação do seu sistema imunológico. Uma das muitas funções do cortisol é reduzir a inflamação. Se os seus níveis de cortisol forem muito baixos ou muito altos, isso pode levar a infecções regulares, inflamação crônica, doenças autoimunes ou alergias. A manutenção de um nível equilibrado de cortisol é uma parte importante de se manter saudável.

Os níveis de cortisol podem tornar-se desequilibrados durante as diferentes fases da fadiga adrenal. Na verdade, os níveis de cortisol dependerão em grande parte de que fase da doença você atingiu. Se você ainda está nos estágios iniciais, seus níveis de cortisol tendem a ser elevados, junto com adrenalina e noradrenalina. Se você está nos estágios mais avançados da fadiga adrenal, seus níveis de cortisol serão muito menores. Nenhum dos casos é benéfico para o seu sistema imunológico.

Cortisol elevado

Durante os primeiros estágios da fadiga adrenal, o eixo HPA está produzindo grande quantidade de hormônios do estresse. Isto significa que o nível de cortisol é elevado, o que suprime o sistema imunológico e reduz a inflamação. O sistema imunológico suprimido nos deixa vulneráveis ​​a doenças. E aqueles de nós que estão sob estresse de longo prazo tendem a sofrer desproporcionalmente com vírus de gripes e resfriados, além de infecções bacterianas.

Cortisol diminuído

Se o cortisol cai muito abaixo do nível ótimo, remove-se completamente a válvula de segurança que impede que o sistema imunológico de reagir em excesso a ameaças. Durante os últimos estágios da fadiga adrenal, as glândulas adrenais tornam-se cansadas, esgotadas e incapazes de produzir os hormônios que seu corpo precisa. Os níveis de cortisol começam a cair rapidamente e o indivíduo passa rapidamente do “status” de ter muito cortisol para o de ter muito pouco mesmo.

Isto significa que a regulação do efeito anti-inflamatório pelo cortisol está ausente. Sem cortisol suficiente, não há nada para prevenir a inflamação grave, crônica. Com efeito, o sistema imunológico está funcionando fora de controle. Baixo cortisol leva ao aumento da produção de citocinas pró-inflamatórias, que levam a um excesso de ativação do sistema imunológico e inflamação.

De acordo com Dr. Thomas Guilliams, imunologista, “O resultado é a amplificação de inúmeras vias inflamatórias e aumento da susceptibilidade para o desenvolvimento de doenças inflamatórias, incluindo doenças auto-imunes, transtornos do humor, atopia, malignidade, síndrome da fadiga crônica, síndromes de dor crônica, obesidade, desequilíbrio da glicemia e fibromialgia. “

Tratamento para fadiga adrenal

alimentos saudaveis

A fadiga adrenal pode ser tratada com reposição hormonal, mas a alimentação exerce papel fundamental para controlar os sintomas e garantir uma vida mais feliz e saudável:

- Restrinja o consumo de alimentos refinados como pão, arroz e massas brancas. Prefira as versões integrais

- Evite alimentos que contém glúten, pois eles são potencialmente alergênicos (aveia, centeio, derivados de farinha de trigo). Laticínios também devem ser evitados.

- Café e bebidas estimulantes são desaconselhados, bem como açúcar

- Invista em alimentos ricos em ômega 3 (salmão, linhaça, chia); frutas e vegetais com alto teor de vitamina C (laranja, caju, acerola), fontes de zinco (semente de abóbora) e vitaminas do complexo B (cereais integrais)

- Cuidado com o jejum prolongado (mais de 3h) e privação de sono.

- Incorpore antioxidantes à dieta para combater os radicais livres. Estes alimentos trazem diversos benefícios ao organismo.

Para evitar que a fadiga adrenal retorne, além de controlar os níveis de estresse, você deve apostar em uma dieta balanceada.

Recursos úteis:

Fadiga adrenal, estresse e vida moderna

As pressões para tentar encontrar um equilíbrio entre a vida e o trabalho podem ser esmagadoras. Se você está se sentindo cansado ou estressado, você pode estar sofrendo de fadiga adrenal.

AdrenalFatigue.org

O site do Dr. James Wilson, que publicou Fadiga Adrenal:. Síndrome de Estresse do século 21

Centro de fadiga adrenal do Dr. Lam

Dr. Michael Lam é um especialista fadiga adrenal e autor do livro . Síndrome de Fadiga Adrenal

O Método Kalish

O Método Kalish1 , projetado e ministrado pelo Dr. Daniel Kalish, integra testes científicos com soluções naturais de saúde para curar suas glândulas adrenais e restaurar sua função normal.

Testes para Fadiga Adrenal

Os testes de laboratório usados ​​para diagnosticar fadiga adrenal incluem testes de cortisol, testes de tireóide e testes de neurotransmissores.

 Sugestões de Dieta para Fadiga Adrenal

Melhorar a sua dieta é o primeiro passo para combater a fadiga adrenal. Aqui estão algumas sugestões de dieta e estilo de vida simples para você seguir.

Suplementos para Fadiga Adrenal

Tomar as vitaminas, os minerais, probióticos e suplementos de ervas podem fazer uma enorme diferença no sucesso do tratamento da fadiga adrenal.

Reposição Hormonal

A reposição hormonal pode ser uma parte importante do tratamento para a fadiga adrenal, especialmente para aqueles em estágios mais avançados da doença.

Mente e Corpo

Respiração profunda e o tipo certo de exercício pode acelerar a sua recuperação. Certifique-se de que você não está se sobre-exercitando pois isso irá enfraquecer suas glândulas adrenais.

Quanto tempo leva para se recuperar?

A recuperação da fadiga adrenal é certamente possível, mas pode levar algum tempo. Siga estas dicas simples para acelerar a sua recuperação e restaurar seus níveis de

Fontes:

http://www.bolsademulher.com/saude-mulher/fadiga-adrenal-causa-cansaco-perda-de-libido-e-aumento-de-peso/

http://adrenalfatiguesolution.com/adrenal-fatigue-a-controversial-diagnosis/

http://adrenalfatiguesolution.com/immune-system/

http://www.ortomoleculardrhigashi.med.br/not%C3%ADcias/55/fadiga-adrenal-um-problema-muito-frequente-no-mundo-moderno-mas-pouco-diagnosticado#.Us19V9JDuSo

http://www.sobiologia.com.br/conteudos/FisiologiaAnimal/hormonio5.php

16 Comentários em “Fadiga Adrenal – O Mal do Século”

magda occhi gonzaga

28 de janeiro de 2014 - 09:41

Bom dia
Li a reportagem e me identifiquei nesse processo de doença.
Moro no Paraná. Gostaria de saber se pode me indicar um profissional na região de Maringá, Umuarama ou Londrina pra que pudesse fazer uma avaliação.
Obrigada, Magda

Roberto Amaral

17 de abril de 2014 - 09:12

Desculpe a demora Magda! Dr Leonardo Higashi da Clínica Higashi em Londrina.

Luiz MS Botelho

23 de fevereiro de 2014 - 20:47

Parabenizo-o pela excelente matéria – porquanto suficiente e eficiente para bem nos informar, leigos que somos; e mais: ante ao rigor científico que apresenta, creio que também seja de grande proveito para os profissionais da “ars medica” .

deborah ruthes

31 de maio de 2014 - 10:49

estou a três meses em tratamento… é tão árduo que espero ter forças para ver o resultado.
Obrigada por seu artigo esclarecedor.

Yuri

06 de junho de 2014 - 23:31

Boa noite, a fadiga adrenalina pode desencadear-se por uma pielonefrite?

Roberto Amaral

16 de julho de 2014 - 11:50

Fadiga adrenal pode diminuir imunidade e aumentar a chance de infecções recorrentes

Larissa

19 de junho de 2014 - 00:06

Olá, adorei e me identifiquei muito com a reportagem.
Tem algum médico especializado em Brasília pra indicar?
Obrigada.

Roberto Amaral

27 de junho de 2014 - 10:55

Dr. Icaro Alves de Alcântara

Maria Romilda Rodrigues

01 de julho de 2014 - 14:20

Estava procurando mais informações sobre fadiga adrenal e encontrei esta matéria, a qual adorei, gostaria de pedir sua permissão para repassar estas informações no meu facebook. Obrigada.

Roberto Amaral

25 de julho de 2014 - 09:00

Olá Maria, pode compartilhar sim desde que conste as referências,

joana pereira

09 de julho de 2014 - 17:05

Gostava de saber se conhece algum medico que trate a doença adrenal em Portugal

Roberto Amaral

16 de julho de 2014 - 11:46

Desculpe, não conheço!

Eduardo

15 de julho de 2014 - 05:36

Parabéns pelo excelente trabalho Dr. Roberto Franco do Amaral.

Tem algum médico especializado em fadiga adrenal em São Paulo para indicar?

Obrigado

Roberto Amaral

16 de julho de 2014 - 11:45

Entre em contato na área correspondente. Obrigado!

Mara

21 de julho de 2014 - 17:09

Dr., pode indicar algum médico em Belo Horizonte?

Roberto Amaral

22 de julho de 2014 - 08:57

Dr Rafael Timbó

Comentar