(Last Updated On: 08/03/2016)

camundongo

 

Proteína alivia a rigidez relacionada à idade e espessamento do músculo cardíaco.

Se provado ser eficaz em seres humanos, uma proteína que reverte os efeitos do envelhecimento em corações de camundongo poderia proporcionar um alívio à uma condição que é de outro modo difícil de tratar.

 

Pesquisadores identificaram um hormônio no sangue que faz com que corações envelhecidos de camundongos pareçam jovens novamente. Os autores do estudo disseram que a descoberta oferece um potencial terapêutico para o tratamento de doenças do coração relacionadas com a idade, uma causa cada vez mais comum de insuficiência cardíaca.

A proteína conhecida como fator de diferenciação de crescimento 11 (GDF11), circula em níveis elevados no sangue dos camundongos jovens, mas diminui com a idade. Em um estudo publicado em maio na revista Cell1, os pesquisadores relatam que os camundongos idosos tratados com a proteína experimentam uma reversão do envelhecimento do tecido no coração.

“Eu acho que é um resultado impressionante que, pela primeira vez, aponta para uma proteína secretada que mantém o coração em um estado jovem”, diz o cardiologista Deepak Srivastava, diretor do Instituto Gladstone de Doenças Cardiovasculares em San Francisco, Califórnia, que não esteve envolvido com a pesquisa. “Isso é realmente notável.”

Com a idade e depois de algumas formas de estresse, tais como hipertensão arterial de longa duração, o músculo cardíaco torna-se rígido e não consegue relaxar corretamente entre os batimentos. Sua parede também engrossa – uma condição conhecida como ‘hipertrofia’. Quando o coração fica mais espesso e mais rígido, pode não ser adequadamente preenchido e os fluidos retornam para os pulmões. Como resultado os pacientes sentem falta de ar. Há poucos, se houver, tratamentos viáveis ​​para este tipo de insuficiência cardíaca que é mais comum em idosos.

Sangue jovem

Os pesquisadores, com base em Massachusetts, estavam usando uma técnica cirúrgica que funde os sistemas circulatórios de camundongos jovens e velhos. Quando os camundongos velhos foram expostos ao sangue circulante de camundongos jovens, por 4 semanas, os corações mais velhos tornaram-se perceptivelmente menores e de aparência semelhante aos de camundongos mais jovens, sugerindo que o tecido tornou-se mais jovem.

“Mesmo no nível anatômico mais grosseiro, os corações estavam respondendo claramente a um fator no sangue dos camundongos jovens”, diz Amy Wagers, uma bióloga de células-tronco com o Howard Hughes Medical Institute, que trabalha na Universidade de Harvard em Cambridge, Massachusetts, e é uma dos principais autores do estudo. “Nós sabíamos que precisávamos ir atrás de uma substância no sangue, por isso, iniciou-se este longo processo de tentar identificar qual essa substância poderia ser.”

Usando uma técnica de triagem de proteínas, em colaboração com a empresa de biotecnologia SomaLogic em Boulder, Colorado, a equipe identificou GDF11 como uma proteína cuja expressão diminui em camundongos idosos. GDF11 é de uma família de proteínas que tem sido implicada em vários processos de cura e de desenvolvimento, diz Wagers. Quando os investigadores injetaram GDF11 em camundongos velhos, restaurando a proteína a níveis semelhantes aos de camundongos mais jovens, os camundongos velhos experimentaram uma inversão do espessamento do tecido do músculo do coração. Células musculares do coração dos camundongos mais velhos também encolheram de tamanho.

“Fizemos este experimento para ver se havia algum caminho que nos desse dicas sobre o processo de envelhecimento do coração”, diz Richard T. Lee, um cardiologista em Brigham e do Hospital da Mulher, em Boston, Massachusetts e Instituto de Células Tronco de Harvard em Cambridge, que também é um dos principais autores do estudo. “Nós ficamos totalmente atordoado quando ele funcionou.”

A descoberta sugere que GDF11 é um fator circulante que “essencialmente impede o coração de voltar ao antigo fenótipo”, Lee diz. “Em seguida, quando o camundongo envelhece, acreditamos que este sistema hormonal falha.”

Jonathan Epstein, um cardiologista e biólogo do desenvolvimento na Universidade da Pensilvânia, na Filadélfia, diz que o estudo é “provocante” e poderia oferecer uma visão importante em insuficiência cardíaca relacionada à idade. Mas ele adverte que a pesquisa não mostra ainda que a aparência “mais jovem” do coração em camundongos envelhecidos, produzidos por GDF11 significa que a função do coração ou a sobrevivência é melhorada. Lee diz que sua equipe está iniciando estudos para testar se a proteína realmente tem benefícios funcionais.

Wagers, Lee e sua equipe também pretende estudar se GDF11 tem efeitos semelhantes em seres humanos. Eles também estão analisando se a proteína poderia mediar os processos de envelhecimento em outros tecidos em camundongos. “Estamos trabalhando febrilmente em sistemas diferentes”, diz Lee, “e estamos muito esperançosos de que esta não seja apenas uma história cardíaca.”

Referências

  1. Loffredo, FS et al. Cell 153 , 828 – 839 ( 2013 )

Fonte: http://www.nature.com/news/blood-hormone-restores-youthful-hearts-to-old-mice-1.12971

Dr. Roberto no Instagram

Visualize as dicas e informações para uma vida mais saudável direto no Instagram


Acessar

Dr. Roberto no Facebook

Dr. Roberto Franco do Amaral Neto
Dr. Roberto Franco do Amaral Neto
Médico CRM: 111370

1 Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *